Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 15 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Moradores defendem que Sto.André não deixe de investir

Munícipes de Sto.André pedem que pagamentos de dívidas sejam flexibilizados para manter serviços


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

06/11/2018 | 07:00


Moradores de Santo André defenderam que o pagamento de dívidas judiciais por parte do Paço seja flexibilizado para garantir a manutenção dos serviços públicos. O Diário mostrou ontem que o bilionário débito com precatórios que a administração possui tem atrapalhado o investimento no município.

Ao todo, o governo do prefeito Paulo Serra (PSDB) acumula R$ 1,7 bilhão em precatórios, o que, segundo a administração, tem estrangulado o Orçamento. “Sou a favor de que seja priorizado o investimento na cidade. (As ações de um governo) Têm que favorecer a cidade, sem dúvida”, defendeu a manicure Adriana Alves Pereira, 35 anos, que é moradora da do núcleo Tamarutaca e conta que faltam investimentos em lazer, por exemplo. “Tem um Sesc lá perto, mas só pode frequentar quem é associado”, lamentou.

Para a dona de casa Sandra Neri, 55, moradora do Centro, a administração municipal precisa encontrar meio-termo entre cumprir com obrigações legais, como o pagamento dessas dívidas, e garantir o funcionamento dos serviços. “Deveria procurar renegociar as dívidas, pagar uma parte delas e a outra parte (dos recursos usar para) investir. Não dá para fazer uma coisa só”, sugere. “(A Prefeitura pode) Tentar mudar a legislação (que impõe prazos para pagamentos de débitos)”, emendou.

No fim do ano passado, o Congresso Nacional estendeu de 2020 para 2024 o prazo para que Estados e municípios quitem precatórios. O prefeito andreense, entretanto, defende que esse calendário seja, no mínimo, dobrado para 2028. “Se mudassem para 2032 seria ideal, aí a gente conseguiria quitar depositando os 5% (da receita corrente líquida, índice exigido pela legislação)”, analisou o chefe do Executivo.

“A nossa lei é fraca. Deveria mudar para melhor e não para pior, só muda para ruim. O povo não aguenta mais. Teria de priorizar investimentos”, defendeu o eletricista Avelino Costa Neto, 67, morador do bairro Parque das Nações.

Já a doméstica Ana Caroline Silva, 33, recém-chegada à Vila Guiomar, disse que “é preciso pagar as dívidas para regularizar” as finanças do Paço, porém, sem esquecer do contribuinte. “Divide o dinheiro (fruto da arrecadação), (tem que) achar um meio-termo”. É o que também acredita a dona de casa Clemildes da Silva Costa, 63. “Eu acho que deveria mudar a lei para olhar melhor os investimentos, principalmente na Saúde”, destacou.

O vigilante Ademir Queiroz, 59, que reside na Vila Valparaíso, é mais radical e defende que o governo municipal “pague menos dívidas” para que os recursos sejam aplicados em transporte, por exemplo. 

Escritório de Stábile refuta agir de má-fé

O escritório de Pedro Stábile Neto informou que não age para constranger a Prefeitura de Santo André, como disse o prefeito Paulo Serra (PSDB). “Agimos na defesa dos direitos de seus clientes que foram expressamente reconhecidos pelo Poder Judiciário há décadas, sendo que muitos, lamentavelmente, já morreram e continuam a morrer sem receber seus direitos.”

Em nota encaminhada ao Diário, Stábile confirmou que acionou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos em Washington, nos Estados Unidos, para contestar a postura do governo andreense. Também criticou o tucano. 

“Personificar as mazelas dos precatórios em um advogado ou em gestões passadas demonstra que a Prefeitura de Santo André não estaria disposta a cumprir os comandos emanados por um juiz de Direito para o pagamento das dívidas no prazo constitucional. Pretender estender os precatórios para o ano de 2028 ou 2032 representa violação à dignidade dos cidadãos e grave insubordinação às ordens do Poder Judiciário”, adicionou.

Também na nota, o escritório disse que os R$ 9,5 milhões recebidos neste ano, conforme dados do Portal da Transparência, se referem ao pagamento de valores devidos exclusivamente a credores de precatórios alimentares que são idosos ou portadores de doenças graves. Ao Diário, na quinta-feira, Stábile declarou que o dinheiro era honorário por seu trabalho nos casos. Só Stábile representa 2.500 servidores, sendo que 1.377 acionaram o Paço por falta de incorporação de abono aos vencimentos em 1992.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Moradores defendem que Sto.André não deixe de investir

Munícipes de Sto.André pedem que pagamentos de dívidas sejam flexibilizados para manter serviços

Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

06/11/2018 | 07:00


Moradores de Santo André defenderam que o pagamento de dívidas judiciais por parte do Paço seja flexibilizado para garantir a manutenção dos serviços públicos. O Diário mostrou ontem que o bilionário débito com precatórios que a administração possui tem atrapalhado o investimento no município.

Ao todo, o governo do prefeito Paulo Serra (PSDB) acumula R$ 1,7 bilhão em precatórios, o que, segundo a administração, tem estrangulado o Orçamento. “Sou a favor de que seja priorizado o investimento na cidade. (As ações de um governo) Têm que favorecer a cidade, sem dúvida”, defendeu a manicure Adriana Alves Pereira, 35 anos, que é moradora da do núcleo Tamarutaca e conta que faltam investimentos em lazer, por exemplo. “Tem um Sesc lá perto, mas só pode frequentar quem é associado”, lamentou.

Para a dona de casa Sandra Neri, 55, moradora do Centro, a administração municipal precisa encontrar meio-termo entre cumprir com obrigações legais, como o pagamento dessas dívidas, e garantir o funcionamento dos serviços. “Deveria procurar renegociar as dívidas, pagar uma parte delas e a outra parte (dos recursos usar para) investir. Não dá para fazer uma coisa só”, sugere. “(A Prefeitura pode) Tentar mudar a legislação (que impõe prazos para pagamentos de débitos)”, emendou.

No fim do ano passado, o Congresso Nacional estendeu de 2020 para 2024 o prazo para que Estados e municípios quitem precatórios. O prefeito andreense, entretanto, defende que esse calendário seja, no mínimo, dobrado para 2028. “Se mudassem para 2032 seria ideal, aí a gente conseguiria quitar depositando os 5% (da receita corrente líquida, índice exigido pela legislação)”, analisou o chefe do Executivo.

“A nossa lei é fraca. Deveria mudar para melhor e não para pior, só muda para ruim. O povo não aguenta mais. Teria de priorizar investimentos”, defendeu o eletricista Avelino Costa Neto, 67, morador do bairro Parque das Nações.

Já a doméstica Ana Caroline Silva, 33, recém-chegada à Vila Guiomar, disse que “é preciso pagar as dívidas para regularizar” as finanças do Paço, porém, sem esquecer do contribuinte. “Divide o dinheiro (fruto da arrecadação), (tem que) achar um meio-termo”. É o que também acredita a dona de casa Clemildes da Silva Costa, 63. “Eu acho que deveria mudar a lei para olhar melhor os investimentos, principalmente na Saúde”, destacou.

O vigilante Ademir Queiroz, 59, que reside na Vila Valparaíso, é mais radical e defende que o governo municipal “pague menos dívidas” para que os recursos sejam aplicados em transporte, por exemplo. 

Escritório de Stábile refuta agir de má-fé

O escritório de Pedro Stábile Neto informou que não age para constranger a Prefeitura de Santo André, como disse o prefeito Paulo Serra (PSDB). “Agimos na defesa dos direitos de seus clientes que foram expressamente reconhecidos pelo Poder Judiciário há décadas, sendo que muitos, lamentavelmente, já morreram e continuam a morrer sem receber seus direitos.”

Em nota encaminhada ao Diário, Stábile confirmou que acionou a Comissão Interamericana de Direitos Humanos em Washington, nos Estados Unidos, para contestar a postura do governo andreense. Também criticou o tucano. 

“Personificar as mazelas dos precatórios em um advogado ou em gestões passadas demonstra que a Prefeitura de Santo André não estaria disposta a cumprir os comandos emanados por um juiz de Direito para o pagamento das dívidas no prazo constitucional. Pretender estender os precatórios para o ano de 2028 ou 2032 representa violação à dignidade dos cidadãos e grave insubordinação às ordens do Poder Judiciário”, adicionou.

Também na nota, o escritório disse que os R$ 9,5 milhões recebidos neste ano, conforme dados do Portal da Transparência, se referem ao pagamento de valores devidos exclusivamente a credores de precatórios alimentares que são idosos ou portadores de doenças graves. Ao Diário, na quinta-feira, Stábile declarou que o dinheiro era honorário por seu trabalho nos casos. Só Stábile representa 2.500 servidores, sendo que 1.377 acionaram o Paço por falta de incorporação de abono aos vencimentos em 1992.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;