Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Automóveis

automoveis@dgabc.com.br | 4435-8337

Artigo: Carro autônomo no Brasil: já estamos prontos?

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do Garagem360

24/02/2021 | 09:48


*Por Ricardo Sardagna, executivo da Allianz Automotive

Converse com especialistas do setor automotivo e ficará claro que o carro autônomo não é mais uma dúvida de ‘se’, mas sim de ‘quando’. A sigla CASE – Connected, Autonomous Shared and Electric, parece definir o que será o carro do futuro. Por conta disso, todas essas novidades estão chegando ao mercado praticamente ao mesmo tempo, porém em velocidades diferentes ao redor do mundo.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link

Especialmente sobre o carro autônomo, são diversos os aspectos que compõem este universo. Um deles, talvez o principal, é o aumento da segurança, resultante dos sistemas de monitoramento embarcados no veículo que garantem controles como velocidade, frenagem e manobras de emergência independentes de uma ação do motorista, reduzindo a ocorrência de acidentes, danos pessoais e mortalidade nas estradas. Como a tecnologia vem avançando gradativamente nessa linha, o modo autônomo já é uma realidade e um caminho sem volta.

No entanto, para chegarmos a 100% do processo, consideram-se os diferentes níveis de automação do veículo. De acordo com a Administração Nacional de Segurança no Trânsito nas Rodovias (NHTSA), nos Estados Unidos, são 6 níveis:

·        Nível 0 – sem automação;

·        Nível 1 – assistência ao motorista – sensores de ré, de alerta de excesso de velocidade e outros;

·        Nível 2 – automação parcial – controle de direção e frenagem simultâneos;

·        Nível 3 – automação condicional – o carro é capaz de dirigir sozinho utilizando tecnologia IoT, mas apenas em condições ideais e com algumas limitações. Ainda necessita de intervenção humana;

·        Nível 4 – alta automação – sem necessidade de intervenção humana. Estes veículos ainda têm disponibilidade restrita nas vias públicas e os testes continuam ocorrendo apenas em ambientes controlados;

·        Nível 5 – automação total – Quando estiver disponível, os ocupantes serão apenas passageiros e não será necessário ter volante ou pedais pois os veículos provavelmente serão 100% controlados por meio de uma assistente de voz.

Carro autônomo no Brasil

Mas afinal, há tempos que falamos sobre carros autônomos. Então por que a demora? Quais são as barreiras que o Brasil encontra para alavancar de vez a opção de automóvel que dirige sozinho? Bom, a primeira resposta é bem simples. Com o tamanho do nosso país e suas diferenças regionais, sofremos impasses com a infraestrutura de telecomunicações que dificulta a conectividade dos veículos à internet durante todo o trajeto, bem como que as estradas estejam todas mapeadas e sinalizadas para que o veículo possa ler e interpretar as ruas, intersecções e a presença de outros veículos. Por questão de segurança, os sistemas de visão computadorizada precisam reconhecer o caminho ou até mesmo o perigo, a tempo para a inteligência artificial aplicar suas responsabilidades.

LEIA MAIS: GMA T.50s homenageia Niki Lauda e custa R$ 24 milhões

Mercedes-Benz foi a fabricante com mais recalls em 2020; veja o balanço completo

Por outro lado, existe o alto custo da tecnologia. O alto investimento acaba sendo refletido no preço do carro e isso pode ser um contratempo ainda maior caso o consumidor ainda não esteja pronto e necessite de um tempo de adaptação para ter a confiança de adquirir essa opção.

Mesmo que ainda seja uma grande aposta, com diferentes expectativas, entendo que a direção autônoma vai encontrar o seu caminho e invadir o mercado de mobilidade nos próximos anos (há expectativas de que os primeiros veículos serão disponibilizados até 2025). Por enquanto podemos nos preparar para o futuro. O que sabemos é que, quando tivermos os sistemas de direção autônoma prontos para fazer um trabalho real e significativo, teremos mais proteção, mais segurança nas vias, o seguro será mais barato e você se tornará o passageiro do seu próprio carro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Artigo: Carro autônomo no Brasil: já estamos prontos?

Da Redação
Do Garagem360

24/02/2021 | 09:48


*Por Ricardo Sardagna, executivo da Allianz Automotive

Converse com especialistas do setor automotivo e ficará claro que o carro autônomo não é mais uma dúvida de ‘se’, mas sim de ‘quando’. A sigla CASE – Connected, Autonomous Shared and Electric, parece definir o que será o carro do futuro. Por conta disso, todas essas novidades estão chegando ao mercado praticamente ao mesmo tempo, porém em velocidades diferentes ao redor do mundo.

Quer ganhar um e-book exclusivo com dicas para cuidar melhor de seu veículo? Assine nossa newsletter neste link

Especialmente sobre o carro autônomo, são diversos os aspectos que compõem este universo. Um deles, talvez o principal, é o aumento da segurança, resultante dos sistemas de monitoramento embarcados no veículo que garantem controles como velocidade, frenagem e manobras de emergência independentes de uma ação do motorista, reduzindo a ocorrência de acidentes, danos pessoais e mortalidade nas estradas. Como a tecnologia vem avançando gradativamente nessa linha, o modo autônomo já é uma realidade e um caminho sem volta.

No entanto, para chegarmos a 100% do processo, consideram-se os diferentes níveis de automação do veículo. De acordo com a Administração Nacional de Segurança no Trânsito nas Rodovias (NHTSA), nos Estados Unidos, são 6 níveis:

·        Nível 0 – sem automação;

·        Nível 1 – assistência ao motorista – sensores de ré, de alerta de excesso de velocidade e outros;

·        Nível 2 – automação parcial – controle de direção e frenagem simultâneos;

·        Nível 3 – automação condicional – o carro é capaz de dirigir sozinho utilizando tecnologia IoT, mas apenas em condições ideais e com algumas limitações. Ainda necessita de intervenção humana;

·        Nível 4 – alta automação – sem necessidade de intervenção humana. Estes veículos ainda têm disponibilidade restrita nas vias públicas e os testes continuam ocorrendo apenas em ambientes controlados;

·        Nível 5 – automação total – Quando estiver disponível, os ocupantes serão apenas passageiros e não será necessário ter volante ou pedais pois os veículos provavelmente serão 100% controlados por meio de uma assistente de voz.

Carro autônomo no Brasil

Mas afinal, há tempos que falamos sobre carros autônomos. Então por que a demora? Quais são as barreiras que o Brasil encontra para alavancar de vez a opção de automóvel que dirige sozinho? Bom, a primeira resposta é bem simples. Com o tamanho do nosso país e suas diferenças regionais, sofremos impasses com a infraestrutura de telecomunicações que dificulta a conectividade dos veículos à internet durante todo o trajeto, bem como que as estradas estejam todas mapeadas e sinalizadas para que o veículo possa ler e interpretar as ruas, intersecções e a presença de outros veículos. Por questão de segurança, os sistemas de visão computadorizada precisam reconhecer o caminho ou até mesmo o perigo, a tempo para a inteligência artificial aplicar suas responsabilidades.

LEIA MAIS: GMA T.50s homenageia Niki Lauda e custa R$ 24 milhões

Mercedes-Benz foi a fabricante com mais recalls em 2020; veja o balanço completo

Por outro lado, existe o alto custo da tecnologia. O alto investimento acaba sendo refletido no preço do carro e isso pode ser um contratempo ainda maior caso o consumidor ainda não esteja pronto e necessite de um tempo de adaptação para ter a confiança de adquirir essa opção.

Mesmo que ainda seja uma grande aposta, com diferentes expectativas, entendo que a direção autônoma vai encontrar o seu caminho e invadir o mercado de mobilidade nos próximos anos (há expectativas de que os primeiros veículos serão disponibilizados até 2025). Por enquanto podemos nos preparar para o futuro. O que sabemos é que, quando tivermos os sistemas de direção autônoma prontos para fazer um trabalho real e significativo, teremos mais proteção, mais segurança nas vias, o seguro será mais barato e você se tornará o passageiro do seu próprio carro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;