Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Febem é contra projeto de Klinger


Alexssander Soares
Do Diário do Grande ABC

14/08/2003 | 00:24


  O presidente da Febem, Paulo Sérgio de Oliveira Costa, fez nesta quarta um apelo ao prefeito de Santo André, João Avamileno (PT), para que derrube o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal proibindo a construção de unidades da Febem, CDPs (Centro de Detenções Provisórias) e presídios em áreas residenciais e residenciais mistas na cidade.

A proposta de autoria do vereador Klinger Luiz de Oliveira Sousa (PT) altera a lei de Zoneamento, o que na prática inviabiliza a construção das unidades na cidade. A Câmara de Santo André foi pioneira no Estado a apresentar projeto dessa natureza.

A Secretaria Municipal de Planejamento Urbano informa que as restrições inviabilizam a construção em aproximadamente 80% da malha viária urbana, e que ficaria permitida somente no eixo Tamanduathey (ao longo da avenida do Estado até a avenida Industrial), em Capuava e no distrito de Campo Grande (próximo a Paranapiacaba).

Mas, de acordo com a secretaria, não existem áreas públicas municipais nestes locais capazes de receber as unidades.

 De acordo com o presidente da Febem, a proposta abre um perigoso precedente para as demais Câmaras Municipais apresentarem projetos semelhantes. “É extremamente preconceituosa e negativa, e espero que não repercuta entre as demais Câmaras. Não queremos impor unidades da Febem aos municípios, mas discutir com a sociedade medidas sócio-educativas capazes de envolver as famílias dos internos no seu processo de recuperação dentro do seu próprio município”, disse Costa.

O presidente da Febem afirmou que pretende discutir a questão no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, com os sete prefeitos da região. “O governo do Estado solicitou aos prefeitos a indicação de dois locais para unidades da Febem. Não queremos impor nenhuma cidade, mas que os sete prefeitos, em consenso, nos indiquem o local onde será construído.”

Costa disse que ligará para o prefeito de Santo André pedindo que revogue a proposta, além de mandar um documento por escrito. “Espero que o prefeito se sensibilize. O projeto sentencia as 108 famílias dos internos da Febem que são de Santo André a participar de forma segregada da sua recuperação. Os internos não são seres exóticos, nem bichos para que não possam conviver em áreas urbanas.”

O prefeito terá 15 dias para decidir se sanciona ou veta o projeto. Em nota oficial, Avamileno não deixa claro qual será sua decisão: “Nós tivemos muito pouco tempo para analisar melhor o texto da lei. Por isso, seria precipitado fazer comentários mais profundos, pois a construção não se trata de uma legislação que veta de maneira plena a construção de unidades prisionais ou de recuperação de menores infratores nem nas regiões centrais da cidade. Ela restringe a presença dessas unidades e preserva áreas estritamente residenciais. Vamos ver qual o seu real alcance para poder tomar uma decisão sobre a lei dentro do interesse maior da população”.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Febem é contra projeto de Klinger

Alexssander Soares
Do Diário do Grande ABC

14/08/2003 | 00:24


  O presidente da Febem, Paulo Sérgio de Oliveira Costa, fez nesta quarta um apelo ao prefeito de Santo André, João Avamileno (PT), para que derrube o projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal proibindo a construção de unidades da Febem, CDPs (Centro de Detenções Provisórias) e presídios em áreas residenciais e residenciais mistas na cidade.

A proposta de autoria do vereador Klinger Luiz de Oliveira Sousa (PT) altera a lei de Zoneamento, o que na prática inviabiliza a construção das unidades na cidade. A Câmara de Santo André foi pioneira no Estado a apresentar projeto dessa natureza.

A Secretaria Municipal de Planejamento Urbano informa que as restrições inviabilizam a construção em aproximadamente 80% da malha viária urbana, e que ficaria permitida somente no eixo Tamanduathey (ao longo da avenida do Estado até a avenida Industrial), em Capuava e no distrito de Campo Grande (próximo a Paranapiacaba).

Mas, de acordo com a secretaria, não existem áreas públicas municipais nestes locais capazes de receber as unidades.

 De acordo com o presidente da Febem, a proposta abre um perigoso precedente para as demais Câmaras Municipais apresentarem projetos semelhantes. “É extremamente preconceituosa e negativa, e espero que não repercuta entre as demais Câmaras. Não queremos impor unidades da Febem aos municípios, mas discutir com a sociedade medidas sócio-educativas capazes de envolver as famílias dos internos no seu processo de recuperação dentro do seu próprio município”, disse Costa.

O presidente da Febem afirmou que pretende discutir a questão no Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, com os sete prefeitos da região. “O governo do Estado solicitou aos prefeitos a indicação de dois locais para unidades da Febem. Não queremos impor nenhuma cidade, mas que os sete prefeitos, em consenso, nos indiquem o local onde será construído.”

Costa disse que ligará para o prefeito de Santo André pedindo que revogue a proposta, além de mandar um documento por escrito. “Espero que o prefeito se sensibilize. O projeto sentencia as 108 famílias dos internos da Febem que são de Santo André a participar de forma segregada da sua recuperação. Os internos não são seres exóticos, nem bichos para que não possam conviver em áreas urbanas.”

O prefeito terá 15 dias para decidir se sanciona ou veta o projeto. Em nota oficial, Avamileno não deixa claro qual será sua decisão: “Nós tivemos muito pouco tempo para analisar melhor o texto da lei. Por isso, seria precipitado fazer comentários mais profundos, pois a construção não se trata de uma legislação que veta de maneira plena a construção de unidades prisionais ou de recuperação de menores infratores nem nas regiões centrais da cidade. Ela restringe a presença dessas unidades e preserva áreas estritamente residenciais. Vamos ver qual o seu real alcance para poder tomar uma decisão sobre a lei dentro do interesse maior da população”.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;