Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Representação contra Argello está parada no Senado



20/08/2007 | 07:33


Por falta de iniciativa do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), a representação do Psol contra o senador Gim Argello (PTB-DF) aguarda há mais de um mês o envio para o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Renan não deu ainda nenhum sinal de que fará isso.

Para se livrar da tarefa, que é dele, o peemedebista alagoano tentou jogá-la nas mãos do vice-presidente da Casa, Tião Viana (PT-AC), mas falhou. Tião Viana alegou que a competência para comandar as decisões da Mesa Diretora se restringe às resoluções relacionadas ao presidente da Casa.

Parlamentares próximos a Renan afirmam que ele “não colocará Argello no fogo” para poder contar com o voto dele no plenário, caso venha a ser condenado no Conselho de Ética por quebra de decoro.

Para o senador José Nery (Psol-PA), a idéia que fica é a de que “ninguém quer apurar nada. É revoltante; é por isso que a população está tão descrente com os políticos e o Congresso brasileiro.”

POSSE
O senador do Distrito Federal assumiu o cargo também há um mês, após o titular da vaga, Joaquim Roriz (PMDB-DF), ter renunciado para não ter o mandato cassado. Argel-lo e Roriz são acusados de envolvimento no esquema de desvio de recursos do BRB (Banco Regional de Brasília), investigado pela Operação Aquarela da Polícia Civil.

O corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), recebeu uma série de documentos do juiz encarregado desse inquérito, Roberval Belinati, da 1.ª Vara Criminal da capital federal, mas disse que ainda não os analisou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Representação contra Argello está parada no Senado


20/08/2007 | 07:33


Por falta de iniciativa do presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), a representação do Psol contra o senador Gim Argello (PTB-DF) aguarda há mais de um mês o envio para o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar. Renan não deu ainda nenhum sinal de que fará isso.

Para se livrar da tarefa, que é dele, o peemedebista alagoano tentou jogá-la nas mãos do vice-presidente da Casa, Tião Viana (PT-AC), mas falhou. Tião Viana alegou que a competência para comandar as decisões da Mesa Diretora se restringe às resoluções relacionadas ao presidente da Casa.

Parlamentares próximos a Renan afirmam que ele “não colocará Argello no fogo” para poder contar com o voto dele no plenário, caso venha a ser condenado no Conselho de Ética por quebra de decoro.

Para o senador José Nery (Psol-PA), a idéia que fica é a de que “ninguém quer apurar nada. É revoltante; é por isso que a população está tão descrente com os políticos e o Congresso brasileiro.”

POSSE
O senador do Distrito Federal assumiu o cargo também há um mês, após o titular da vaga, Joaquim Roriz (PMDB-DF), ter renunciado para não ter o mandato cassado. Argel-lo e Roriz são acusados de envolvimento no esquema de desvio de recursos do BRB (Banco Regional de Brasília), investigado pela Operação Aquarela da Polícia Civil.

O corregedor do Senado, Romeu Tuma (DEM-SP), recebeu uma série de documentos do juiz encarregado desse inquérito, Roberval Belinati, da 1.ª Vara Criminal da capital federal, mas disse que ainda não os analisou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;