Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 5 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Votação da MP da Casa Civil no Senado é adiada


Do Diário OnLine
Com Agências

14/04/2004 | 08:49


O relator da MP (medida provisória) que trata do desmembramento da Casa Civil da Presidência da República, senador Delcidio Amaral (PT-MS), requereu na noite de terça-feira o adiamento por 24 horas da votação da matéria. O projeto de conversão da MP recebeu destaque para votação em separado e o senador entendeu que a discussão poderia se alongar, após três horas de discussão. Aprovado o requerimento, a sessão foi encerrada.

O Plenário do Senado discutiu o mérito do projeto de lei de conversão elaborado sobre a Medida Provisória 20/2004, que possibilitou o desmembramento da Casa Civil da Presidência da República. Segundo a senadora Heloísa Helena (AL) a MP é “uma subversão do princípio de mérito”, uma vez que ela cria cerca de 2,8 mil cargos de direção de assessoramento de nível superior para acomodar “apaniguados do partido do governo sem priorizar a competência profissional”.

Heloísa lembrou, segundo informações da Agência Senado, que o governo Fernando Henrique Cardoso e outros governos passados fizeram o mesmo para beneficiar seus afilhados políticos e lamentou que o país continue refém de desmandos políticos. Os senadores José Jorge (PFL-PE) e Antero Paes de Barros (PSDB-MT) também protestaram contra a criação dos 2,8 mil cargos.

Já o senador Aloizio Mercadante (PT-SP), líder do governo, defendeu a aprovação dos cargos que irão compor a nova estrutura da Casa Civil da Presidência da República. Afirmou que os cargos não estão sendo criados para abrigar correligionários, conforme acusaram senadores da oposição que discutiram a matéria antes do líder. "São cerca de 40 mil postos de trabalho qualificado que deverão ser preenchidos por concurso na administração pública, cumprindo determinação da Constituição".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Votação da MP da Casa Civil no Senado é adiada

Do Diário OnLine
Com Agências

14/04/2004 | 08:49


O relator da MP (medida provisória) que trata do desmembramento da Casa Civil da Presidência da República, senador Delcidio Amaral (PT-MS), requereu na noite de terça-feira o adiamento por 24 horas da votação da matéria. O projeto de conversão da MP recebeu destaque para votação em separado e o senador entendeu que a discussão poderia se alongar, após três horas de discussão. Aprovado o requerimento, a sessão foi encerrada.

O Plenário do Senado discutiu o mérito do projeto de lei de conversão elaborado sobre a Medida Provisória 20/2004, que possibilitou o desmembramento da Casa Civil da Presidência da República. Segundo a senadora Heloísa Helena (AL) a MP é “uma subversão do princípio de mérito”, uma vez que ela cria cerca de 2,8 mil cargos de direção de assessoramento de nível superior para acomodar “apaniguados do partido do governo sem priorizar a competência profissional”.

Heloísa lembrou, segundo informações da Agência Senado, que o governo Fernando Henrique Cardoso e outros governos passados fizeram o mesmo para beneficiar seus afilhados políticos e lamentou que o país continue refém de desmandos políticos. Os senadores José Jorge (PFL-PE) e Antero Paes de Barros (PSDB-MT) também protestaram contra a criação dos 2,8 mil cargos.

Já o senador Aloizio Mercadante (PT-SP), líder do governo, defendeu a aprovação dos cargos que irão compor a nova estrutura da Casa Civil da Presidência da República. Afirmou que os cargos não estão sendo criados para abrigar correligionários, conforme acusaram senadores da oposição que discutiram a matéria antes do líder. "São cerca de 40 mil postos de trabalho qualificado que deverão ser preenchidos por concurso na administração pública, cumprindo determinação da Constituição".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;