Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Trabalhadores de indústria de Diadema fecham acordo de PPE


da Redação

15/08/2015 | 07:22


Os trabalhadores da Melling do Brasil, empresa de componentes automotivos sediada em Diadema, aprovaram na tarde de ontem a adesão ao PPE (Programa de Proteção ao Emprego). O acordo coletivo prevê a redução de 9,83% da jornada de trabalho e dos salários para todos os 200 trabalhadores da fábrica, e a complementação pelo FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) de metade dessa redução salarial (4,9%), conforme determina o programa.

O acordo de adesão terá duração de seis meses, o que, pelo PPE, garantiria ao empregado oito meses de estabilidade. No entanto, a negociação realizada entre o sindicato e a empresa aumentou por mais quatro meses esse prazo. “O trabalhador terá a garantia de emprego por um ano. E, caso seja necessário prorrogar a adesão por mais seis meses, já negociamos que o período de estabilidade também dobrará”, diz o diretor da regional Diadema do sindicato David de Carvalho.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trabalhadores de indústria de Diadema fecham acordo de PPE

da Redação

15/08/2015 | 07:22


Os trabalhadores da Melling do Brasil, empresa de componentes automotivos sediada em Diadema, aprovaram na tarde de ontem a adesão ao PPE (Programa de Proteção ao Emprego). O acordo coletivo prevê a redução de 9,83% da jornada de trabalho e dos salários para todos os 200 trabalhadores da fábrica, e a complementação pelo FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) de metade dessa redução salarial (4,9%), conforme determina o programa.

O acordo de adesão terá duração de seis meses, o que, pelo PPE, garantiria ao empregado oito meses de estabilidade. No entanto, a negociação realizada entre o sindicato e a empresa aumentou por mais quatro meses esse prazo. “O trabalhador terá a garantia de emprego por um ano. E, caso seja necessário prorrogar a adesão por mais seis meses, já negociamos que o período de estabilidade também dobrará”, diz o diretor da regional Diadema do sindicato David de Carvalho.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;