Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Paulo Sacramento é premiado em Brasília


Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

27/11/2009 | 07:00


O montador andreense Paulo Sacramento levou um dos oito prêmios que consagraram a comédia "É Proibido Fumar", de Anna Muylaert, no encerramento do Festival de Brasília, na última terça-feira.

A produção foi escolhida como melhor filme e Anna, que estreou como diretora de longa-metragem em Durval Discos, também foi escolhida como a melhor roteirista. O filme retrata a solitária rotina da professora de violão Baby (Glória Pires) até que o músico da noite Max (o titã Paulo Miklos) se muda para o apartamento ao lado. Para viver o romance, porém, ela tem de abdicar de um dos maiores prazeres - e companheiros até então - o cigarro.

Os protagonistas foram escolhidos como melhor atriz e ator. Dani Nefussi, que faz uma ex de Max, foi a melhor atriz coadjuvante.

Além da montagem de Sacramento, outras categorias técnicas premiadas em "É Proibido Fumar" foram direção de arte (Mara Abreu) e trilha sonora (Márcio Nigro).

O júri concedeu prêmio especial a "Filhos de João, Admirável Mundo Novo Baiano", de Henrique Dantas. Evaldo Mocarzel foi escolhido o melhor diretor por "Quebradeiras". O mesmo longa levou o prêmio de melhor fotografia, concedido a Gustavo Hadba. Bruno Torres, de "O Homem Mau Dorme Bem", foi o melhor ator coadjuvante.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Paulo Sacramento é premiado em Brasília

Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

27/11/2009 | 07:00


O montador andreense Paulo Sacramento levou um dos oito prêmios que consagraram a comédia "É Proibido Fumar", de Anna Muylaert, no encerramento do Festival de Brasília, na última terça-feira.

A produção foi escolhida como melhor filme e Anna, que estreou como diretora de longa-metragem em Durval Discos, também foi escolhida como a melhor roteirista. O filme retrata a solitária rotina da professora de violão Baby (Glória Pires) até que o músico da noite Max (o titã Paulo Miklos) se muda para o apartamento ao lado. Para viver o romance, porém, ela tem de abdicar de um dos maiores prazeres - e companheiros até então - o cigarro.

Os protagonistas foram escolhidos como melhor atriz e ator. Dani Nefussi, que faz uma ex de Max, foi a melhor atriz coadjuvante.

Além da montagem de Sacramento, outras categorias técnicas premiadas em "É Proibido Fumar" foram direção de arte (Mara Abreu) e trilha sonora (Márcio Nigro).

O júri concedeu prêmio especial a "Filhos de João, Admirável Mundo Novo Baiano", de Henrique Dantas. Evaldo Mocarzel foi escolhido o melhor diretor por "Quebradeiras". O mesmo longa levou o prêmio de melhor fotografia, concedido a Gustavo Hadba. Bruno Torres, de "O Homem Mau Dorme Bem", foi o melhor ator coadjuvante.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;