Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

GM dá licença remunerada para 950 funcionários efetivos

Destes, 300 são de São Caetano; justificativa foi a reação do mercado, que não ocorreu como a empresa esperava


Vivian Costa
Do Diário do Grande ABC

26/02/2009 | 07:00


Além de não renovar os contratos dos 1.633 trabalhadores temporários que estão de licença remunerada, a GM (General Motors) comunicou, na última reunião com o Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, que a partir de hoje 300 funcionários efetivos saem de licença remunerada até 30 de março. A unidade de São José dos Campos também vai afastar 650 trabalhadores.

"A direção da empresa disse que não há condições de renovar os contratos dos trabalhadores temporários e que estes efetivos estão ociosos na fábrica, porque o mercado não reagiu como esperavam. Como o quadro está preocupante, o sindicato vai junto com os trabalhadores para às ruas manifestar", afirmou Francisco Nunes Rodrigues, vice-presidente do sindicato da categoria.

Em protesto, Nunes disse que hoje a entidade vai realizar uma assembleia na sede da entidade com os 1.633 temporários de licença e, em seguida, farão uma passeata na avenida Goiás, em São Caetano, até o portão 4 da fábrica. Os manifestantes tentarão impedir a entrada de funcionários do segundo turno e paralisar a produção.

Nunes disse ainda que a direção da GM afirmou que, mesmo se o mercado tivesse reagido, 20% dos trabalhadores não seriam aproveitados porque não corresponderam a expectativa da montadora. "Mesmo assim, é um número muito pequeno diante dos 1.633 temporários", comenta o dirigente sindical.

O presidente do sindicato, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, havia dito que a postura da empresa sempre foi preocupante, porque em todas as reuniões realizadas para discutir o assunto, a direção da GM não trazia nenhuma proposta.

A montadora foi procurada, mas não retornou ao contato da reportagem.

HISTÓRICO - O terceiro turno, que se iniciou em 28 de abril do ano passado, foi extinto pela montadora no dia 19 de janeiro de 2009, quando a GM deu licença remunerada para os 1.633 funcionários temporários. Os efetivos que trabalhavam neste turno foram remanejados.

Nunes afirmou que a GM tinha como objetivo inicial demitir todos imediatamente, alegando que havia registrado queda na produção por causa da crise financeira mundial, da alta dos juros e do baixo consumo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

GM dá licença remunerada para 950 funcionários efetivos

Destes, 300 são de São Caetano; justificativa foi a reação do mercado, que não ocorreu como a empresa esperava

Vivian Costa
Do Diário do Grande ABC

26/02/2009 | 07:00


Além de não renovar os contratos dos 1.633 trabalhadores temporários que estão de licença remunerada, a GM (General Motors) comunicou, na última reunião com o Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, que a partir de hoje 300 funcionários efetivos saem de licença remunerada até 30 de março. A unidade de São José dos Campos também vai afastar 650 trabalhadores.

"A direção da empresa disse que não há condições de renovar os contratos dos trabalhadores temporários e que estes efetivos estão ociosos na fábrica, porque o mercado não reagiu como esperavam. Como o quadro está preocupante, o sindicato vai junto com os trabalhadores para às ruas manifestar", afirmou Francisco Nunes Rodrigues, vice-presidente do sindicato da categoria.

Em protesto, Nunes disse que hoje a entidade vai realizar uma assembleia na sede da entidade com os 1.633 temporários de licença e, em seguida, farão uma passeata na avenida Goiás, em São Caetano, até o portão 4 da fábrica. Os manifestantes tentarão impedir a entrada de funcionários do segundo turno e paralisar a produção.

Nunes disse ainda que a direção da GM afirmou que, mesmo se o mercado tivesse reagido, 20% dos trabalhadores não seriam aproveitados porque não corresponderam a expectativa da montadora. "Mesmo assim, é um número muito pequeno diante dos 1.633 temporários", comenta o dirigente sindical.

O presidente do sindicato, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, havia dito que a postura da empresa sempre foi preocupante, porque em todas as reuniões realizadas para discutir o assunto, a direção da GM não trazia nenhuma proposta.

A montadora foi procurada, mas não retornou ao contato da reportagem.

HISTÓRICO - O terceiro turno, que se iniciou em 28 de abril do ano passado, foi extinto pela montadora no dia 19 de janeiro de 2009, quando a GM deu licença remunerada para os 1.633 funcionários temporários. Os efetivos que trabalhavam neste turno foram remanejados.

Nunes afirmou que a GM tinha como objetivo inicial demitir todos imediatamente, alegando que havia registrado queda na produção por causa da crise financeira mundial, da alta dos juros e do baixo consumo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;