Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Linha branca e móvel ganham prazo

Governo prorroga redução de IPI; benefício fiscal será estendido por até 3 meses


Erica Martin

30/06/2012 | 06:11


 

O governo prorrogou a redução da alíquota do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para aparelhos da linha branca por mais dois meses. Já para os móveis e artigos de decoração a desoneração será estendida por mais três meses. A decisão foi anunciada ontem pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. O governo também prorrogou a isenção de PIS/Cofins para massas alimentícias até dezembro. O prazo para tributo menor terminaria hoje.

Para Miguel de Oliveira, diretor executivo de estudos econômicos da Anefac (Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade), a redução de IPI,  a queda dos juros e os prazos maiores para financiamento vão contribuir para o aquecimento da economia.

A redução dos tributos ainda não trouxe resultados animadores para os lojistas do Grande ABC. O proprietário da loja de móveis Todesco, em São Bernardo, Sérgio Todesco, conta que a demanda maior foi sentida nas três primeiras semanas de março após o governo anunciar as mudanças no imposto. No período foi registrado aumento de 20% nas vendas. "Toda notícia se não tiver certa frequência acaba caindo no esquecimento da população", destaca.

Um exemplo é um casal de Santo André, o aposentado Marino Fontanezi, 60 anos, e a mulher, a dona de casa Lídia Fontanezi, 55. "Viemos especificamente para ver o papel de parede. Sabiamos do desconto do IPI para linha branca e carro, mas para os itens de decoração não. No fim das contas conseguimos desconto de 10% à vista e pagamos R$ 826 por oito metros de papel."

Todesco concorda que o desconto é significativo para o consumidor. "Ainda mais quando se trata de produto com valor agregado alto." Ele lembra que com a alíquota de imposto zerada, um sofá de couro no valor de R$ 2.400, por exemplo, sairá por R$ 2.280 - R$ 120 de desconto . O gerente da loja Casa e Campo, Hassan Orfali, acredita que o cenário econômico está afetando as decisões de compras. "Não tivemos muito retorno financeiro com a decisão. Acho que não está sobrando dinheiro para o consumidor."

O gerente comercial da Coop, Edson Rodrigues Pereira, conta que o crescimento nas vendas das mercadorias da linha branca entre dezembro e meados de junho (sem a redução do IPI) seria de 20% em relação ao mesmo período do ano passado. "Mas nossa evolução no fornecimento foi de 52% nos refrigeradores, 47% nas lavadoras e 40% nos fogões. Valor muito maior do que a média. Além disso, a prorrogação do IPI menor é importante, já que esse tipo de produto é o primeiro a sentir o impacto quando a economia não vai bem", comentou.

RENÚNCIA FISCAL - De acordo com informações do Ministério da Fazenda, a decisão de prorrogar o imposto menor implicará em renúncia fiscal de R$ 180 milhões no caso da linha branca e R$ 197 milhões para móveis. Para laminados PET, luminárias e papel de parede a renúncia é de R$ 22 milhões. No segmento de massas alimentícias, será de R$ 285 milhões até dezembro. O benefício fiscal para linha branca foi anunciada em dezembro e para os móveis, em março.

 

 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;