Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 20 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Siglas nanicas de Diadema tentam adiar fim das coligações


Gustavo Pinchiaro
Do Diário do Grande ABC

11/04/2011 | 07:07


Com a discussão da comissão de reforma política da Câmara Federal caminhando para o fim das coligações proporcionais, o presidente da Câmara de Diadema, Laércio Soares (PCdoB), pressionado por partidos nanicos, pretende mobilizar deputados e a Abracam (Associação Brasileira das Câmaras Municipais), para reverter o quadro.

Na avaliação do comunista, o novo sistema vai excluir partidos nanicos com pouco poder econômico e eleitoral da representação no Legislativo. "Isso é muito ruim. Vou conversar com deputados do PCdoB e pedir apoio. Na Abracam quero que a proposta seja um consenso, ainda vou discutir com eles", disse Laércio, que é vice-presidente da associação.

A reforma é uma vontade de partidos grandes como PSDB, PMDB e PT. Laércio está consciente de que não vai conseguir reverter a tendência. "Quero pelo menos que essa decisão seja adiada para 2016", disse. O argumento do comunista é que, se for posta em prática ano que vem os nanicos não vão conseguir se organizar por votações expressivas. "Precisamos dos quatro anos de fôlego para nos organizar", comenta.

O argumento entre os nanicos é que políticos de nível nacional e estadual sempre utilizam as eleições municipais como laboratório. Destacam a PEC (Proposta de Emenda a Constituição) que regulamentou aumento de cadeiras no legislativo que deixou de valer em 2008 em cima da hora.

A discussão em nível federal deu dois tons ao tema: voto em lista fechada, ou eleger apenas os mais votados excluindo os cálculos por quociente eleitoral. Com a primeira opção, os partidos organizam listas previamente eleitas internamente tentando garantir a proporcionalidade dos setores da sociedade. A segunda alternativa é cruel para os nanicos. Quem costumava se coligar em chapas de vereadores ou deputados de partidos maiores e acabava eleito na carona dos votos perderá a vez.

Laércio é um exemplo dessa prática. Nas últimas eleições se coligou na chapa do PT e entrou na bacia da votação dos petistas. Internamente, o PT reclama dessa prática, pois o comunista acaba ocupando espaço que poderia ser da sigla.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;