Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 24 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

Inteligência artificial no diagnóstico de demências

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do 33Giga

13/08/2021 | 09:18


* Por Vivaldo José Breternitz, que fala sobre IA e o tratamento de doenças

A Inteligência Artificial (IA) já é utilizada para diagnosticar várias doenças. Agora, um projeto que vem sendo desenvolvido na Universidade de Cambridge, na Inglaterra, procura verificar se a IA pode ser capaz de detectar demências precocemente, apenas analisando imagens obtidas por tomografias do cérebro.

Leia mais:
Catflix: plataforma de streaming para gatos distrai bichanos em frente à TV
10 filmes e séries de zumbis para assistir no streaming

O professor Timothy Rittman, que lidera o projeto, diz que a tecnologia deve começar a ser testada em breve no hospital da Universidade.

Com o diagnóstico precoce deito por IA, pode-se adotar medidas terapêuticas mais cedo, visando retardar o desenvolvimento de demências, além de dar ao paciente e aos seus familiares mais informações sobre a provável progressão da doença de forma a ajudá-los a planejar suas vidas.

Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, escreva para  e suas questões podem ser respondidas

O tratamento precoce pode fazer com que os sintomas da demência nunca cheguem a se manifestar.

Também está envolvida no projeto, a professora Zoe Kourtzi, que trabalha em outro estudo e usa dados capturados por tecnologias vestíveis, como smartwatches e braceletes, para prever doenças como Alzheimer até 20 anos antes do que é possível atualmente.

Segundo ela, hoje, para diagnosticar demências, os médicos precisam confiar na interpretação de varreduras cerebrais e testes cognitivos, muitas vezes ao longo de um período de tempo, dificultando diagnóstico e tratamento precoces.

Outros professores, como Tara Spires-Jones e Clive Ballard, respectivamente das universidades inglesas de Edinburgh e Exeter, não envolvidos no projeto, concordam que a ideia é interessante. Porém não acreditam que resultados práticos possam ser obtidos em curto espaço de tempo.

De qualquer forma, é uma aplicação de IA que traz esperanças de um mundo melhor.

*Vivaldo José Breternitz, Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor da Faculdade de Computação e Informática da Universidade Presbiteriana Mackenzie



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;