Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 29 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Hospital suspeita de sabotagem e pede ajuda da PF


Do Diário do Grande ABC

27/08/1999 | 18:54


A direçao do Hospital Geral de Bonsucesso pediu nesta sexta-feira à Polícia Federal (PF) a abertura de inquérito para investigar supostos atos de sabotagem ocorridos esta semana na unidade, localizada na zona norte do Rio. Quinta-feira, o serviço de marcaçao de consultas do hospital por meio do sistema 0800 foi interrompido, pela manha, por causa do provável desligamento de um aparelho. A direçao afirma que a porta da sala onde funciona a central telefônica foi arrombada. Na terça-feira, o problema ocorreu na Central de Processamento de Dados (CPD) do hospital, que também teria sido desligada, prejudicando a comunicaçao do setor de emergência com o de internaçao.

A coordenadora do Ministério da Saúde no Rio, Ana Tereza Pereira, responsável pela administraçao dos 13 hospitais federais do Estado, estima em 200 o número de pessoas que teriam sido prejudicadas e acusa "funcionários insatisfeitos com a política do governo". Segundo Ana Tereza, a açao do ministério no Rio está "ferindo vários interesses", com a cobrança por aumento da produçao e o estímulo à adesao ao Programa de Demissao Voluntária. Ela nega que tenha havido casos de ameaça entre os funcionários.

Invasao - Na mesma madrugada em que a CPD do hospital teria sido atacada, houve a invasao da sede do Ministério da Saúde no Rio, com o arrombamento de oito salas. Armários foram revirados e um computador com dados sobre o pagamento de funcionários, roubado. A PF já está investigando o caso.

Ana Tereza enfrenta resistência por parte do Sindicato dos Médicos do Estado do Rio, que contesta sua administraçao. Há cerca de 15 dias, o presidente da entidade, Jorge Darze, reuniu parlamentares da bancada fluminense para pedir a instalaçao de uma Comissao Parlamentar de Inquérito para apurar as denúncias contidas em um dossiê com supostas irregularidades nas unidades federais.

"A gestao dos hospitais é um escândalo e o ministro José Serra já recusou três pedidos de audiência", afirmou, na ocasiao, o presidente do sindicato, que disse ter encaminhado os documentos ao Ministério Público Federal. O dossiê aponta, entre as denúncias, a falta de insulina e de serviços para a execuçao de exames histopatológicos no Hospital Geral de Bonsucesso. Também acusa a existência de um superfaturamento de R$ 245 mil na obra de extensao do serviço de emergência do Hospital do Andaraí.

Ana Tereza negou todas as acusaçoes e disse que o sindicato estaria ligado a "grupos com interesses políticos, que perderam privilégios". Segundo ela, a terceirizaçao de serviços nos hospitais propiciou uma economia de R$ 25 milhoes desde que foi implantada, em julho do ano passado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hospital suspeita de sabotagem e pede ajuda da PF

Do Diário do Grande ABC

27/08/1999 | 18:54


A direçao do Hospital Geral de Bonsucesso pediu nesta sexta-feira à Polícia Federal (PF) a abertura de inquérito para investigar supostos atos de sabotagem ocorridos esta semana na unidade, localizada na zona norte do Rio. Quinta-feira, o serviço de marcaçao de consultas do hospital por meio do sistema 0800 foi interrompido, pela manha, por causa do provável desligamento de um aparelho. A direçao afirma que a porta da sala onde funciona a central telefônica foi arrombada. Na terça-feira, o problema ocorreu na Central de Processamento de Dados (CPD) do hospital, que também teria sido desligada, prejudicando a comunicaçao do setor de emergência com o de internaçao.

A coordenadora do Ministério da Saúde no Rio, Ana Tereza Pereira, responsável pela administraçao dos 13 hospitais federais do Estado, estima em 200 o número de pessoas que teriam sido prejudicadas e acusa "funcionários insatisfeitos com a política do governo". Segundo Ana Tereza, a açao do ministério no Rio está "ferindo vários interesses", com a cobrança por aumento da produçao e o estímulo à adesao ao Programa de Demissao Voluntária. Ela nega que tenha havido casos de ameaça entre os funcionários.

Invasao - Na mesma madrugada em que a CPD do hospital teria sido atacada, houve a invasao da sede do Ministério da Saúde no Rio, com o arrombamento de oito salas. Armários foram revirados e um computador com dados sobre o pagamento de funcionários, roubado. A PF já está investigando o caso.

Ana Tereza enfrenta resistência por parte do Sindicato dos Médicos do Estado do Rio, que contesta sua administraçao. Há cerca de 15 dias, o presidente da entidade, Jorge Darze, reuniu parlamentares da bancada fluminense para pedir a instalaçao de uma Comissao Parlamentar de Inquérito para apurar as denúncias contidas em um dossiê com supostas irregularidades nas unidades federais.

"A gestao dos hospitais é um escândalo e o ministro José Serra já recusou três pedidos de audiência", afirmou, na ocasiao, o presidente do sindicato, que disse ter encaminhado os documentos ao Ministério Público Federal. O dossiê aponta, entre as denúncias, a falta de insulina e de serviços para a execuçao de exames histopatológicos no Hospital Geral de Bonsucesso. Também acusa a existência de um superfaturamento de R$ 245 mil na obra de extensao do serviço de emergência do Hospital do Andaraí.

Ana Tereza negou todas as acusaçoes e disse que o sindicato estaria ligado a "grupos com interesses políticos, que perderam privilégios". Segundo ela, a terceirizaçao de serviços nos hospitais propiciou uma economia de R$ 25 milhoes desde que foi implantada, em julho do ano passado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;