Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Monica depoe segunda no caso Clinton


Do Diário do Grande ABC

31/01/1999 | 16:36


A ex-estagiária da Casa Branca, Monica Lewinsky, será a primeira testemunha que se apresentará segunda-feira no Senado para o julgamento político de impeachment do presidente Bill Clinton, que entra em sua fase final.

Monica que já depôs mais de 20 vêzes sobre o caso desde o começo das investigaçoes do promotor especial, Kenneth Starr, chegou esta tarde a Washington e será interrogada segunda-feira no hotel Mayflower, onde se hospeda.

As perguntas serao dos ``promotores'' republicanos, numa sessao que pode durar até oito horas.

Lewinsky será a primeira testemunha a depor. Vernon Jordan, amigo de Clinton e Sidney Blumenthal, um conselheiro da Casa Branca, deporao terça e quarta-feiras respectivamente, numa sala do Congresso.

O testemunho da ex-estagiária da Casa Branca nao deverá conter revelaçoes escandalosas capazes de modificar o curso do julgamento político de Clinton no Senado.

Vários senadores republicanos minimizaram domingo, na TV, o impacto do depoimento dela no escândalo. As perguntas só poderao estar referidas às acusaçoes de perjúrio e obstruçao da Justiça, que pesam contra o presidente americano, por ele ter tentado ocultar sua aventura amorosa com Lewinsky.

O depoimento de Monica Lewinsky será à porta fechada na presença dos deputados 'promotores' e os defensores da Casa Branca, os advogados da testemunha e de dois senadores: um democrata e um republicano.

``Está claro que o presidente nao será expulso'' da presidência, disse domingo o senador republicano de Utah, Orrin Hacht mas acrescentou que buscam ``um meio para sancioná-lo dentro de nossos valores comuns''.

O promotor especial Kenneth Starr parece nao se dar por vencido. Segundo o jornal New York Times de domingo, ele está convencido de ter a autoridade legal necessária para poder condenar o presidente Bill Clinton por perjúrio e obstruçao da Justiça antes que ele deixe a Casa Branca em janeiro do ano 2001.

Starr examinará em particular a possibilidade de pedir a um grande juri federal que condene o presidente antes do final do mandato dele, o que constituirá uma fato inédito na História dos Estados Unidos, segundo o jornal.

Neste julgamento atual, os senadores têm até o dia 12 de fevereiro para dar uma decisao final para o caso.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Monica depoe segunda no caso Clinton

Do Diário do Grande ABC

31/01/1999 | 16:36


A ex-estagiária da Casa Branca, Monica Lewinsky, será a primeira testemunha que se apresentará segunda-feira no Senado para o julgamento político de impeachment do presidente Bill Clinton, que entra em sua fase final.

Monica que já depôs mais de 20 vêzes sobre o caso desde o começo das investigaçoes do promotor especial, Kenneth Starr, chegou esta tarde a Washington e será interrogada segunda-feira no hotel Mayflower, onde se hospeda.

As perguntas serao dos ``promotores'' republicanos, numa sessao que pode durar até oito horas.

Lewinsky será a primeira testemunha a depor. Vernon Jordan, amigo de Clinton e Sidney Blumenthal, um conselheiro da Casa Branca, deporao terça e quarta-feiras respectivamente, numa sala do Congresso.

O testemunho da ex-estagiária da Casa Branca nao deverá conter revelaçoes escandalosas capazes de modificar o curso do julgamento político de Clinton no Senado.

Vários senadores republicanos minimizaram domingo, na TV, o impacto do depoimento dela no escândalo. As perguntas só poderao estar referidas às acusaçoes de perjúrio e obstruçao da Justiça, que pesam contra o presidente americano, por ele ter tentado ocultar sua aventura amorosa com Lewinsky.

O depoimento de Monica Lewinsky será à porta fechada na presença dos deputados 'promotores' e os defensores da Casa Branca, os advogados da testemunha e de dois senadores: um democrata e um republicano.

``Está claro que o presidente nao será expulso'' da presidência, disse domingo o senador republicano de Utah, Orrin Hacht mas acrescentou que buscam ``um meio para sancioná-lo dentro de nossos valores comuns''.

O promotor especial Kenneth Starr parece nao se dar por vencido. Segundo o jornal New York Times de domingo, ele está convencido de ter a autoridade legal necessária para poder condenar o presidente Bill Clinton por perjúrio e obstruçao da Justiça antes que ele deixe a Casa Branca em janeiro do ano 2001.

Starr examinará em particular a possibilidade de pedir a um grande juri federal que condene o presidente antes do final do mandato dele, o que constituirá uma fato inédito na História dos Estados Unidos, segundo o jornal.

Neste julgamento atual, os senadores têm até o dia 12 de fevereiro para dar uma decisao final para o caso.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;