Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Asma

A asma é uma doença de causa alérgica, que leva a uma constrição de brônquios e bronquíolos, de ambos os pulmões, ocasionando uma dificuldade de respi


Leo Kahn

15/05/2008 | 00:00


A asma é uma doença de causa alérgica, que leva a uma constrição de brônquios e bronquíolos, de ambos os pulmões, ocasionando uma dificuldade de respirar e que vai se agravando progressivamente.

A mucosa respiratória, uma vez agredida por poluição, fumaça de cigarro, perfume etc, envia um sinal para a produção de células especiais de defesa. O organismo interpreta este sinal como se o aparelho respiratório estivesse sendo invadido por parasitas e manda células especiais que provocarão um processo inflamatório nas vias aéreas.

Esse processo inflamatório é o responsável pelos sintomas de tosse, falta de ar, cansaço, sensação de "aperto" e "chiados" no peito. Ele ocasiona edema da parede interna dos brônquios, dificultando a passagem do ar. Os músculos que circundam os brônquios ficam hipersensíveis, contraindo-se a qualquer estímulo. A contração destes músculos acentua ainda mais a obstrução dos brônquios.

É uma das doenças crônicas mais incidentes na infância, causa de faltas escolares e de limitações para esportes e outras atividades. Entre os adultos, representa importante problema, pois freqüentemente seu controle é difícil e pode estar associada a outras condições de saúde, o que torna mais grave a situação clínica geral do paciente.

A incidência da asma difere entre países devido às variações geográficas e demográficas, ocorre em cerca de 10% da população brasileira e pode afetar tanto crianças quanto adultos, mas é mais freqüente em crianças.

O início da doença se dá, na maioria dos casos, antes dos cinco anos de idade, sendo que um terço deles ocorre antes dos dois anos. Essa incidência permanece mais ou menos constante após os dez anos de idade.

Com relação ao sexo, a incidência maior é entre os meninos. Além de apresentarem uma maior freqüência, eles apresentam maior gravidade da doença. Na adolescência, as meninas são mais acometidas.

FATORES DESENCADEANTES DA CRISE
-Alergia a inalantes, alimentos e remédios;
-Irritação causada pela poluição do ar ou por variações bruscas de temperatura e umidade;
-Infecções respiratórias;
-Fatores emocionais;
-Exercícios físicos.

DICAS
Durante a crise, procure manter a calma e permaneça em ambientes arejados.

Falar pouco e usar roupas largas (desde que não sejam de lã) também alivia o incômodo da crise.

Depois de uma crise asmática, deite de lado com as pernas dobradas.

Forre o colchão e travesseiros com coberturas de plástico com zíperes.

Lave as roupas de cama uma vez por semana em água quente.

Lave cuidadosamente os travesseiros a seco uma vez por mês.

Ter um animal de estimação pode não ser uma boa idéia. Mas, se tiver, dê banho semanalmente.

Aspire o pó da casa diariamente.

Não varra a casa: use sempre um pano úmido no lugar.

Mantenha a residência ventilada e as janelas abertas.

Fique longe de fumaça.

Tome seus medicamentos exatamente como recomendação médica.

Não use substâncias de limpeza com cheiro forte, como cera, desinfetantes etc. Se for necessário seu uso, mantenha os filhos fora de casa até que o cheiro tenha passado.

Não use perfumes, talcos ou desodorantes em seu filho.

Roupas guardadas por muito tempo, sem arejar, ficam com cheiro de mofo e costumam ter ácaros. Antes de começar o inverno, retire paletós e roupas guardadas, lave-os e seque-os ao sol.

Evite emoções fortes.

Familiares devem aprender a identificar os primeiros sintomas de asma em seus filhos. Muitas vezes, ou porque a criança é muito pequena ou porque não demonstra, os sinais são muito sutis. A primeira modificação que será notada é o aumento do período expiratório, ou exalação do ar. A seguir, a freqüência da respiração (número de vezes que a pessoa respira por minuto).

O médico especialista indicado para o tratamento é o pneumologista.

Se você tem dúvidas sobre saúde, envie um e-mail para leo.kahn@uol.com.br. Sua resposta será publicada neste espaço.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Asma

A asma é uma doença de causa alérgica, que leva a uma constrição de brônquios e bronquíolos, de ambos os pulmões, ocasionando uma dificuldade de respi

Leo Kahn

15/05/2008 | 00:00


A asma é uma doença de causa alérgica, que leva a uma constrição de brônquios e bronquíolos, de ambos os pulmões, ocasionando uma dificuldade de respirar e que vai se agravando progressivamente.

A mucosa respiratória, uma vez agredida por poluição, fumaça de cigarro, perfume etc, envia um sinal para a produção de células especiais de defesa. O organismo interpreta este sinal como se o aparelho respiratório estivesse sendo invadido por parasitas e manda células especiais que provocarão um processo inflamatório nas vias aéreas.

Esse processo inflamatório é o responsável pelos sintomas de tosse, falta de ar, cansaço, sensação de "aperto" e "chiados" no peito. Ele ocasiona edema da parede interna dos brônquios, dificultando a passagem do ar. Os músculos que circundam os brônquios ficam hipersensíveis, contraindo-se a qualquer estímulo. A contração destes músculos acentua ainda mais a obstrução dos brônquios.

É uma das doenças crônicas mais incidentes na infância, causa de faltas escolares e de limitações para esportes e outras atividades. Entre os adultos, representa importante problema, pois freqüentemente seu controle é difícil e pode estar associada a outras condições de saúde, o que torna mais grave a situação clínica geral do paciente.

A incidência da asma difere entre países devido às variações geográficas e demográficas, ocorre em cerca de 10% da população brasileira e pode afetar tanto crianças quanto adultos, mas é mais freqüente em crianças.

O início da doença se dá, na maioria dos casos, antes dos cinco anos de idade, sendo que um terço deles ocorre antes dos dois anos. Essa incidência permanece mais ou menos constante após os dez anos de idade.

Com relação ao sexo, a incidência maior é entre os meninos. Além de apresentarem uma maior freqüência, eles apresentam maior gravidade da doença. Na adolescência, as meninas são mais acometidas.

FATORES DESENCADEANTES DA CRISE
-Alergia a inalantes, alimentos e remédios;
-Irritação causada pela poluição do ar ou por variações bruscas de temperatura e umidade;
-Infecções respiratórias;
-Fatores emocionais;
-Exercícios físicos.

DICAS
Durante a crise, procure manter a calma e permaneça em ambientes arejados.

Falar pouco e usar roupas largas (desde que não sejam de lã) também alivia o incômodo da crise.

Depois de uma crise asmática, deite de lado com as pernas dobradas.

Forre o colchão e travesseiros com coberturas de plástico com zíperes.

Lave as roupas de cama uma vez por semana em água quente.

Lave cuidadosamente os travesseiros a seco uma vez por mês.

Ter um animal de estimação pode não ser uma boa idéia. Mas, se tiver, dê banho semanalmente.

Aspire o pó da casa diariamente.

Não varra a casa: use sempre um pano úmido no lugar.

Mantenha a residência ventilada e as janelas abertas.

Fique longe de fumaça.

Tome seus medicamentos exatamente como recomendação médica.

Não use substâncias de limpeza com cheiro forte, como cera, desinfetantes etc. Se for necessário seu uso, mantenha os filhos fora de casa até que o cheiro tenha passado.

Não use perfumes, talcos ou desodorantes em seu filho.

Roupas guardadas por muito tempo, sem arejar, ficam com cheiro de mofo e costumam ter ácaros. Antes de começar o inverno, retire paletós e roupas guardadas, lave-os e seque-os ao sol.

Evite emoções fortes.

Familiares devem aprender a identificar os primeiros sintomas de asma em seus filhos. Muitas vezes, ou porque a criança é muito pequena ou porque não demonstra, os sinais são muito sutis. A primeira modificação que será notada é o aumento do período expiratório, ou exalação do ar. A seguir, a freqüência da respiração (número de vezes que a pessoa respira por minuto).

O médico especialista indicado para o tratamento é o pneumologista.

Se você tem dúvidas sobre saúde, envie um e-mail para leo.kahn@uol.com.br. Sua resposta será publicada neste espaço.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;