Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Velocidade na Imigrantes cai a partir de quinta-feira

Alteração vale para trecho do km 18 ao km 11 da Pista Norte


Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

06/07/2012 | 07:00


O novo limite de velocidade no trecho de planalto da Rodovia dos Imigrantes começa a valer na quinta-feira. Até o fim do mês, o período será educativo. Dessa forma, motoristas que excederem o máximo permitido não serão multados. As autuações começarão a ser aplicadas a partir do dia 1º de agosto.

A limitação para automóveis, de 110 km/h, será válida do km 18 ao km 11 da pista Norte, sentido Capital. Antes da mudança, os motoristas podiam chegar a 120 km/h. Para os veículos pesados, o limite continua sendo de 90 km/h. Do km 11 até o fim da via, o limite é de 90 km/h para todos os veículos. Nos demais trechos não foram feitas alterações.

A portaria que autorizou a redução foi publicada pelo DER (Departamento de Estradas de Rodagem) em maio. A mudança não foi feita de imediato porque a Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes, ainda não havia recebido autorização da Artesp (Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo).

A redução no limite foi proposta pela Ecovias às autoridades rodoviárias com o objetivo de reduzir o número de acidentes no planalto. Segundo a concessionária, apenas em 2011 foram registrados 131 acidentes nos sete quilômetros do trecho. As ocorrências provocaram a morte de oito pessoas.

As autuações contra os condutores que desrespeitarem o limite serão feitas pelo DER e Polícia Rodoviária. As multas por excesso de velocidade vão de R$ 85,13 e podem chegar a até R$ 574,62, no caso do veículo que ultrapassa mais de 50% do máximo permitido. Nesse caso, o motorista terá o direito de dirigir suspenso.

SERRA

Em fevereiro, a Artesp autorizou a modificação do limite no trecho de serra das rodovias Anchieta e Imigrantes em casos de neblina. Nessas circunstâncias, todos os veículos devem trafegar a, no máximo, 40 km/h. Em dias normais, a velocidade máxima é 100 km/h na Imigrantes e 60 km/h na maioria do trecho de serra da Anchieta.

A medida vale para as pistas de subida das estradas. Na Anchieta, o trecho vai do km 41 ao km 38. Na Imigrantes, o limite é válido do km 55 ao km 42. A alteração foi decidida após o megaengavetamento ocorrido em setembro do ano passado na Imigrantes, que envolveu 103 veículos e deixou 52 pessoas feridas e um morto. Em dezembro, a agência já havia modificado o limite no início do trecho de serra da rodovia, passando de 120 km/h para 110 km/h.

Uso da passarela é tema de campanha

Quem passou pelo km 18 da Via Anchieta, em São Bernardo, na manhã de ontem, ganhou café da manhã da Ecovias, interagiu com dupla de atores e ainda ouviu música. O Café na Passarela integra as ações educativas da concessionária para incentivar a utilização da passarela por pedestres e ciclistas. O atropelamento é a principal causa de morte no Sistema Anchieta-Imigrantes e representa 30% das vítimas fatais.

A manicure Gevani Nascimento Silva, 47 anos, passa todos os dias pela passarela do km 18 para chegar ao trabalho e não se arrisca atravessando por entre os veículos. "Por mais que a gente ouça falar de roubos e falta de segurança na passarela, ainda é melhor do que atravessar pela rodovia. Não tem como se arriscar nesse trânsito."

Segundo a Ecovias, entre janeiro e junho deste ano, foram registradas 14 mortes por atropelamentos em todo sistema. O número é igual ao mesmo período do ano passado.

O operador de máquina Evandro Jonas, 28, admitiu já ter atravessado correndo a Anchieta. "Foi em um dia sem muito movimento e deu para sair correndo. Sei que estava errado, podia ter andado mais um pouco até a passarela, mas tentei tomar o máximo de cuidado possível."

O aposentado Erasmo Dias, 79, mora em rua paralela à via e caminha todos os dias ao longo da Anchieta. "Sou de reparar bastante nas coisas e, de alguns anos para cá, o pessoal parece estar tomando ciência e atravessando de forma certa. Até os ciclistas levantam a bicicleta para usar a passarela e não passam como doidos no meio dos carros."

O Sistema Anchieta-Imigrantes possui 177 quilômetros de extensão e 61 passarelas. Nos próximos meses, outros pontos com índices de atropelamentos também receberão a ação. (Caroline Garcia)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Velocidade na Imigrantes cai a partir de quinta-feira

Alteração vale para trecho do km 18 ao km 11 da Pista Norte

Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

06/07/2012 | 07:00


O novo limite de velocidade no trecho de planalto da Rodovia dos Imigrantes começa a valer na quinta-feira. Até o fim do mês, o período será educativo. Dessa forma, motoristas que excederem o máximo permitido não serão multados. As autuações começarão a ser aplicadas a partir do dia 1º de agosto.

A limitação para automóveis, de 110 km/h, será válida do km 18 ao km 11 da pista Norte, sentido Capital. Antes da mudança, os motoristas podiam chegar a 120 km/h. Para os veículos pesados, o limite continua sendo de 90 km/h. Do km 11 até o fim da via, o limite é de 90 km/h para todos os veículos. Nos demais trechos não foram feitas alterações.

A portaria que autorizou a redução foi publicada pelo DER (Departamento de Estradas de Rodagem) em maio. A mudança não foi feita de imediato porque a Ecovias, concessionária que administra o Sistema Anchieta-Imigrantes, ainda não havia recebido autorização da Artesp (Agência Reguladora de Transportes do Estado de São Paulo).

A redução no limite foi proposta pela Ecovias às autoridades rodoviárias com o objetivo de reduzir o número de acidentes no planalto. Segundo a concessionária, apenas em 2011 foram registrados 131 acidentes nos sete quilômetros do trecho. As ocorrências provocaram a morte de oito pessoas.

As autuações contra os condutores que desrespeitarem o limite serão feitas pelo DER e Polícia Rodoviária. As multas por excesso de velocidade vão de R$ 85,13 e podem chegar a até R$ 574,62, no caso do veículo que ultrapassa mais de 50% do máximo permitido. Nesse caso, o motorista terá o direito de dirigir suspenso.

SERRA

Em fevereiro, a Artesp autorizou a modificação do limite no trecho de serra das rodovias Anchieta e Imigrantes em casos de neblina. Nessas circunstâncias, todos os veículos devem trafegar a, no máximo, 40 km/h. Em dias normais, a velocidade máxima é 100 km/h na Imigrantes e 60 km/h na maioria do trecho de serra da Anchieta.

A medida vale para as pistas de subida das estradas. Na Anchieta, o trecho vai do km 41 ao km 38. Na Imigrantes, o limite é válido do km 55 ao km 42. A alteração foi decidida após o megaengavetamento ocorrido em setembro do ano passado na Imigrantes, que envolveu 103 veículos e deixou 52 pessoas feridas e um morto. Em dezembro, a agência já havia modificado o limite no início do trecho de serra da rodovia, passando de 120 km/h para 110 km/h.

Uso da passarela é tema de campanha

Quem passou pelo km 18 da Via Anchieta, em São Bernardo, na manhã de ontem, ganhou café da manhã da Ecovias, interagiu com dupla de atores e ainda ouviu música. O Café na Passarela integra as ações educativas da concessionária para incentivar a utilização da passarela por pedestres e ciclistas. O atropelamento é a principal causa de morte no Sistema Anchieta-Imigrantes e representa 30% das vítimas fatais.

A manicure Gevani Nascimento Silva, 47 anos, passa todos os dias pela passarela do km 18 para chegar ao trabalho e não se arrisca atravessando por entre os veículos. "Por mais que a gente ouça falar de roubos e falta de segurança na passarela, ainda é melhor do que atravessar pela rodovia. Não tem como se arriscar nesse trânsito."

Segundo a Ecovias, entre janeiro e junho deste ano, foram registradas 14 mortes por atropelamentos em todo sistema. O número é igual ao mesmo período do ano passado.

O operador de máquina Evandro Jonas, 28, admitiu já ter atravessado correndo a Anchieta. "Foi em um dia sem muito movimento e deu para sair correndo. Sei que estava errado, podia ter andado mais um pouco até a passarela, mas tentei tomar o máximo de cuidado possível."

O aposentado Erasmo Dias, 79, mora em rua paralela à via e caminha todos os dias ao longo da Anchieta. "Sou de reparar bastante nas coisas e, de alguns anos para cá, o pessoal parece estar tomando ciência e atravessando de forma certa. Até os ciclistas levantam a bicicleta para usar a passarela e não passam como doidos no meio dos carros."

O Sistema Anchieta-Imigrantes possui 177 quilômetros de extensão e 61 passarelas. Nos próximos meses, outros pontos com índices de atropelamentos também receberão a ação. (Caroline Garcia)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;