Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Feijão está 86% mais
caro do que em 2011

O preço da cesta básica da região diminui 0,3% nesta semana;
produto custa em média R$ 4,30, contra R$ R$ 2,31 em 2011


Pedro Souza

06/07/2012 | 06:03


A segunda queda semanal consecutiva no preço do pacote de um quilo de feijão-carioca não foi o suficiente para que o grão ficasse próximo ao valor que o consumidor pagou na primeira semana de julho do ano passado. O produto custa hoje, em média, R$ 4,30, contra R$ R$ 2,31 no mesmo período de 2011.

O feijão é um dos 34 itens que compõem a cesta básica da região, cujo valor médio é apurado semanalmente pela Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André). Nesta semana, o preço do grupo de produtos caiu 0,3%, para R$ 379,18.

Desta vez os hortigranjeiros, com baixa média de 4,06%, puxaram a redução do grupo de itens. Mas segundo o técnico agrícola da Craisa Joel Diogo de Arruda Guerra, houve desvio na pesquisa, por problemas técnicos da companhia, que pode ter proporcionado valor total abaixo do normal.

"Nesta semana, coletamos os preços nos mercados na terça-feira e na quarta-feira. E isso pode ter deixado os valores mais baixos. Encontramos diferença de mais de 300% na batata (o que não é comum) entre os estabelecimentos", explicou Guerra.

O estudo, normalmente, é realizado na segunda-feira e na terça-feira. Isso porque várias lojas realizam promoções dos hortigranjeiros, na quarta-feira. "Mas os demais grupos tiveram resultado normal", garantiu Guerra.

CONJUNTOS - O grupo higiene pessoal subiu 0,45%. E os produtos de limpeza doméstica ficaram, em média, 2,1% mais baratos.

Os 20 itens processados, que compõem o segmento alimentício, tiveram alta média de 0,5%. O pacote de cinco quilos de arroz polido longo fino ficou 4,45% mais caro e garantiu a maior elevação semanal do conjunto. Por outro lado, o decréscimo mais relevante foi do pacote de bolacha de maisena de 200 gramas, cujo preço médio diminuiu 6,71%.

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Feijão está 86% mais
caro do que em 2011

O preço da cesta básica da região diminui 0,3% nesta semana;
produto custa em média R$ 4,30, contra R$ R$ 2,31 em 2011

Pedro Souza

06/07/2012 | 06:03


A segunda queda semanal consecutiva no preço do pacote de um quilo de feijão-carioca não foi o suficiente para que o grão ficasse próximo ao valor que o consumidor pagou na primeira semana de julho do ano passado. O produto custa hoje, em média, R$ 4,30, contra R$ R$ 2,31 no mesmo período de 2011.

O feijão é um dos 34 itens que compõem a cesta básica da região, cujo valor médio é apurado semanalmente pela Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André). Nesta semana, o preço do grupo de produtos caiu 0,3%, para R$ 379,18.

Desta vez os hortigranjeiros, com baixa média de 4,06%, puxaram a redução do grupo de itens. Mas segundo o técnico agrícola da Craisa Joel Diogo de Arruda Guerra, houve desvio na pesquisa, por problemas técnicos da companhia, que pode ter proporcionado valor total abaixo do normal.

"Nesta semana, coletamos os preços nos mercados na terça-feira e na quarta-feira. E isso pode ter deixado os valores mais baixos. Encontramos diferença de mais de 300% na batata (o que não é comum) entre os estabelecimentos", explicou Guerra.

O estudo, normalmente, é realizado na segunda-feira e na terça-feira. Isso porque várias lojas realizam promoções dos hortigranjeiros, na quarta-feira. "Mas os demais grupos tiveram resultado normal", garantiu Guerra.

CONJUNTOS - O grupo higiene pessoal subiu 0,45%. E os produtos de limpeza doméstica ficaram, em média, 2,1% mais baratos.

Os 20 itens processados, que compõem o segmento alimentício, tiveram alta média de 0,5%. O pacote de cinco quilos de arroz polido longo fino ficou 4,45% mais caro e garantiu a maior elevação semanal do conjunto. Por outro lado, o decréscimo mais relevante foi do pacote de bolacha de maisena de 200 gramas, cujo preço médio diminuiu 6,71%.

 

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;