Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Coréia condena lançamento de satélites espiões pelo Japão


Do Diário OnLine
Com AFP

28/03/2003 | 10:13


A Coréia do Norte classificou como um “ato hostil” o lançamento de satélites espiões por parte do Japão. O regime comunista disse que a iniciativa pode acelerar a corrida armamentista, segundo a agência de estatal de notícias KCNA.

O Japão lançou na manhã desta sexta-feira os dois primeiros satélites espiões de sua história, cuja missão, entre outras, será vigiar eventuais lançamentos de mísseis pela Coréia do Norte.

Um foguete H-2A, levando os dois satélites que serão colocados em órbita, "foi lançado às 10h27 local (22h27 Brasília)", anunciou Yoshihiro Nakamura, porta-voz da Agência Nacional de Desenvolvimento Espacial (NASDA).

As imagens transmitidas pela TV mostraram o foguete subindo e formando uma estrela de fumaça branca depois de decolar de sua rampa de lançamento, na ilha de Tanegashima, mil km a sudoeste de Tóquio. "O lançamento foi um êxito e poderemos anunciar o resultado da colocação em órbita dos satélites dentro de horas", disse Nakamura.

A Coréia do Norte disse que a colocação em órbita dos satélites espiões pelo Japão a autoriza a suspender a moratória assinada em 1999 sobre o lançamento de mísseis balísticos. "O lançamento de satélites priva o Japão de toda justificativa para evocar os lançamentos de satélites da RDPC", destacou a agência.

O regime norte-coreano causou temor no Japão ao fazer, em 1998, um primeiro disparo de míssil balístico que sobrevoou o arquipélago. Naquele momento, a Coréia do Norte afirmou que se tratava de uma tentativa de colocar em órbita um satélite. Em 1999, a Coréia decretou uma moratória sobre esse tipo de lançamento até 2003.

O Japão pretende lançar quatro satélites espiões este ano, a um custo de US$ 2,1 bilhões. Na semana passada, a Coréia do Norte advertiu ao Japão que poderia retomar os lançamentos de mísseis balísticos se Tóquio lançasse satélites espiões e participasse no projeto americano do escudo antimísseis.

Pyongyang declarou na última quarta-feira que o Japão se arriscava à "autodestruição". E acusou Tóquio de "alinhar-se com a política americana de pressionar a RDPC no plano militar" num momento em que os "Estados Unidos designam a Coréia do Norte como seu próximo alvo depois da guerra contra o Iraque".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Coréia condena lançamento de satélites espiões pelo Japão

Do Diário OnLine
Com AFP

28/03/2003 | 10:13


A Coréia do Norte classificou como um “ato hostil” o lançamento de satélites espiões por parte do Japão. O regime comunista disse que a iniciativa pode acelerar a corrida armamentista, segundo a agência de estatal de notícias KCNA.

O Japão lançou na manhã desta sexta-feira os dois primeiros satélites espiões de sua história, cuja missão, entre outras, será vigiar eventuais lançamentos de mísseis pela Coréia do Norte.

Um foguete H-2A, levando os dois satélites que serão colocados em órbita, "foi lançado às 10h27 local (22h27 Brasília)", anunciou Yoshihiro Nakamura, porta-voz da Agência Nacional de Desenvolvimento Espacial (NASDA).

As imagens transmitidas pela TV mostraram o foguete subindo e formando uma estrela de fumaça branca depois de decolar de sua rampa de lançamento, na ilha de Tanegashima, mil km a sudoeste de Tóquio. "O lançamento foi um êxito e poderemos anunciar o resultado da colocação em órbita dos satélites dentro de horas", disse Nakamura.

A Coréia do Norte disse que a colocação em órbita dos satélites espiões pelo Japão a autoriza a suspender a moratória assinada em 1999 sobre o lançamento de mísseis balísticos. "O lançamento de satélites priva o Japão de toda justificativa para evocar os lançamentos de satélites da RDPC", destacou a agência.

O regime norte-coreano causou temor no Japão ao fazer, em 1998, um primeiro disparo de míssil balístico que sobrevoou o arquipélago. Naquele momento, a Coréia do Norte afirmou que se tratava de uma tentativa de colocar em órbita um satélite. Em 1999, a Coréia decretou uma moratória sobre esse tipo de lançamento até 2003.

O Japão pretende lançar quatro satélites espiões este ano, a um custo de US$ 2,1 bilhões. Na semana passada, a Coréia do Norte advertiu ao Japão que poderia retomar os lançamentos de mísseis balísticos se Tóquio lançasse satélites espiões e participasse no projeto americano do escudo antimísseis.

Pyongyang declarou na última quarta-feira que o Japão se arriscava à "autodestruição". E acusou Tóquio de "alinhar-se com a política americana de pressionar a RDPC no plano militar" num momento em que os "Estados Unidos designam a Coréia do Norte como seu próximo alvo depois da guerra contra o Iraque".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;