Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Advogado alega doença mental de Suzane


Do Diário OnLine

06/06/2006 | 19:38


Um habeas-corpus foi impetrado nesta terça-feira no Tribunal de Justiça de São Paulo pedindo a paralisação do processo contra Suzane von Richthofen, ré confessa do assassinato dos pais, sob a alegação de que ela sofre de oligofrenia, uma deficiência mental. O autor do habeas-corpus foi o advogado Pedro José Sperandio Cano Galhardo, que não informou se participa da equipe que defende a ex-universitária.

De acordo com Galhardo, Suzane não pode ser responsabilidade pelo crime por causa de seu suposto retardo mental. O habeas-corpus, com pedido de liminar, deve ser apreciado nesta quarta-feira pelo desembargador José Damião Cogan.

Suzane e os irmãos Daniel e Christian Cravinhos confessaram o assassinato dos pais dela, Marísia e Manfred von Richthofen, em outubro de 2002. O julgamento dos três deveria ter começado nesta segunda-feira, mas manobras articuladas pela defesa dos réus adiou a sessão para o dia 17 de julho.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Advogado alega doença mental de Suzane

Do Diário OnLine

06/06/2006 | 19:38


Um habeas-corpus foi impetrado nesta terça-feira no Tribunal de Justiça de São Paulo pedindo a paralisação do processo contra Suzane von Richthofen, ré confessa do assassinato dos pais, sob a alegação de que ela sofre de oligofrenia, uma deficiência mental. O autor do habeas-corpus foi o advogado Pedro José Sperandio Cano Galhardo, que não informou se participa da equipe que defende a ex-universitária.

De acordo com Galhardo, Suzane não pode ser responsabilidade pelo crime por causa de seu suposto retardo mental. O habeas-corpus, com pedido de liminar, deve ser apreciado nesta quarta-feira pelo desembargador José Damião Cogan.

Suzane e os irmãos Daniel e Christian Cravinhos confessaram o assassinato dos pais dela, Marísia e Manfred von Richthofen, em outubro de 2002. O julgamento dos três deveria ter começado nesta segunda-feira, mas manobras articuladas pela defesa dos réus adiou a sessão para o dia 17 de julho.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;