Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Executivo terá de explicar criação de cargos


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

10/06/2011 | 07:12


A Câmara de Diadema agendou reunião com a secretária de Educação, Lúcia Couto, para debater projeto de lei que cria 240 cargos de professores a serem preenchidos por concurso público. O encontro entre a titular da Pasta e os vereadores está marcado para quinta-feira, às 10h, e servirá para evitar possível desgaste entre a Prefeitura e parte do Legislativo.

O texto foi protocolado na semana passada com pedido de urgência pelo prefeito Mário Reali (PT). Apesar disso, a Casa decidiu não incluir a propositura na pauta dos trabalhos de ontem, adiando por pelo menos uma semana a votação do item. Internamente, os parlamentares querem explicações sobre a necessidade da abertura dos postos de trabalho durante a polêmica negociação salarial com os servidores públicos.

O líder de governo no Legislativo, Orlando Vitoriano (PT), disse que, dependendo do entendimento do encontro, o projeto poderá entrar na ordem do dia da sessão na quinta-feira. "Ouviremos tudo que ela tem a falar. E nada impede que a gente coloque o texto para a votação depois da reunião. Será questão de consenso."

A ideia, porém, não foi aceita por parte do bloco de sustentação. A equipe do Diário apurou que alguns parlamentares defendem a proposta de aguardar a rodada de negociações entre a Prefeitura e o Sindicato dos Servidores Públicos antes de incluir a matéria na ordem do dia da próxima sessão.

A única vereadora a reclamar publicamente do encaminhamento do processo foi a petista Irene dos Santos. "Não faz sentido ter um projeto desse no meio das reuniões com o sindicato. O governo poderia muito bem ter mandado esse projeto depois de finalizada a rodada de negociações com o funcionalismo", criticou. Irene antecipou que irá questionar a secretária sobre a real necessidade da Secretaria de Educação em contratar os profissionais do setor.

A Prefeitura prevê aumento de R$ 2,5 milhões na folha salarial da administração já para este ano. Esse valor inflaria a relação entre receita corrente líquida e despesa com pessoal de 50,59% para 50,9%, próximo do limite prudencial estipulado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, de 51,3%. O Paço utiliza essa limitação financeira como empecilho para não majorar a proposta salarial oferecida ao funcionalismo.

O Executivo defende que a verba adicional consta no Orçamento aprovado pela Câmara no ano passado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Executivo terá de explicar criação de cargos

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

10/06/2011 | 07:12


A Câmara de Diadema agendou reunião com a secretária de Educação, Lúcia Couto, para debater projeto de lei que cria 240 cargos de professores a serem preenchidos por concurso público. O encontro entre a titular da Pasta e os vereadores está marcado para quinta-feira, às 10h, e servirá para evitar possível desgaste entre a Prefeitura e parte do Legislativo.

O texto foi protocolado na semana passada com pedido de urgência pelo prefeito Mário Reali (PT). Apesar disso, a Casa decidiu não incluir a propositura na pauta dos trabalhos de ontem, adiando por pelo menos uma semana a votação do item. Internamente, os parlamentares querem explicações sobre a necessidade da abertura dos postos de trabalho durante a polêmica negociação salarial com os servidores públicos.

O líder de governo no Legislativo, Orlando Vitoriano (PT), disse que, dependendo do entendimento do encontro, o projeto poderá entrar na ordem do dia da sessão na quinta-feira. "Ouviremos tudo que ela tem a falar. E nada impede que a gente coloque o texto para a votação depois da reunião. Será questão de consenso."

A ideia, porém, não foi aceita por parte do bloco de sustentação. A equipe do Diário apurou que alguns parlamentares defendem a proposta de aguardar a rodada de negociações entre a Prefeitura e o Sindicato dos Servidores Públicos antes de incluir a matéria na ordem do dia da próxima sessão.

A única vereadora a reclamar publicamente do encaminhamento do processo foi a petista Irene dos Santos. "Não faz sentido ter um projeto desse no meio das reuniões com o sindicato. O governo poderia muito bem ter mandado esse projeto depois de finalizada a rodada de negociações com o funcionalismo", criticou. Irene antecipou que irá questionar a secretária sobre a real necessidade da Secretaria de Educação em contratar os profissionais do setor.

A Prefeitura prevê aumento de R$ 2,5 milhões na folha salarial da administração já para este ano. Esse valor inflaria a relação entre receita corrente líquida e despesa com pessoal de 50,59% para 50,9%, próximo do limite prudencial estipulado pela Lei de Responsabilidade Fiscal, de 51,3%. O Paço utiliza essa limitação financeira como empecilho para não majorar a proposta salarial oferecida ao funcionalismo.

O Executivo defende que a verba adicional consta no Orçamento aprovado pela Câmara no ano passado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;