Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 13 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Documentos políticos são rasgados em cartório de S.Caetano


Sérgio Vieira
Do Diário do Grande ABC

21/03/2006 | 07:52


Documentos relacionados a prestações de contas de campanhas políticas foram destruídos no cartório da 166ª Zona Eleitoral de São Caetano. A papelada foi encontrada em um cesto de lixo do órgão, que funciona no subsolo do prédio do Legislativo. Uma funcionária flagrou três servidoras picando os papéis no banheiro masculino e avisou a chefe do cartório, Ana Flávia Bellucci Leite. Parte da documentação rasgada era original e não há a confirmação se existem cópias. Por enquanto, não sabe a qual partido se refere a papelada rasgada.

A chefe do cartório fez Boletim de Ocorrência por supressão de documento no último dia 14 – data que teria ocorrido o crime –, mas apesar de o órgão estar localizado na avenida Goiás, no centro da cidade, ela preferiu registrar a ocorrência em São Paulo, mais precisamente no 18º Distrito Policial, que fica na Mooca.

O juiz titular da 6ªVara Cível e da 166ªZona Eleitoral de São Caetano, Marco Aurélio Pelegrini de Oliveira, assegurou segunda-feira que a Corregedoria do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) já está investigando o caso. No próximo dia 31, ele fará correição no cartório, quando ouvirá as servidoras denunciadas pela chefe.

As três envolvidas no delito não foram afastadas de suas funções e continuam trabalhando normalmente no cartório. Uma delas, aliás, é funcionária da Prefeitura de São Caetano, mas ‘está emprestada‘ ao cartório. O salário dela chega a R$ 3,2 mil.

Mistério – Até agora nem polícia, nem corregedoria sabem com exatidão que papéis foram destruídos e tampouco a qual partido se referem. A chefe do cartório ficou de apresentar a documentação apenas quando o inquérito fosse instaurado. O B.O., aberto na delegacia da Mooca, já está em poder do delegado titular do 1º DP de São Caetano, que investigará o caso. “Isso é muito grave. Vamos apurar até as últimas conseqüências”, avisa o titular, Moisés Maximiano Barretos. Procurada pelo Diário, a chefe do cartório, Ana Flávia Bellucci Leite, não quis dar explicações sobre a destruição dos documentos.

O delegado deverá solicitar o que restou dos documentos, que estão com Ana Flávia. “Não podemos desprezar que estamos em um ano eleitoral. Se constar nomes de políticos ou de partidos, eles também serão ouvidos”, promete Barretos.

A destruição de papelada referente a gastos de campanha ocorre justamente em um momento de efervescência política em São Caetano. Além da proximidade das eleições de outubro, representantes das coligações lideradas pelo PT e PTB travam sucessivas batalhas judiciais envolvendo o resultado da eleição de 2004. Na última, Auricchio saiu ganhando, quando foi inocentado em processo no TRE que pedia sua cassação por conta de suposta irregularidade que teria sido cometida pelo seu antecessor Luiz Olinto Tortorello, que durante uma inauguração durante o período eleitoral, citou o nome de Auricchio.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Documentos políticos são rasgados em cartório de S.Caetano

Sérgio Vieira
Do Diário do Grande ABC

21/03/2006 | 07:52


Documentos relacionados a prestações de contas de campanhas políticas foram destruídos no cartório da 166ª Zona Eleitoral de São Caetano. A papelada foi encontrada em um cesto de lixo do órgão, que funciona no subsolo do prédio do Legislativo. Uma funcionária flagrou três servidoras picando os papéis no banheiro masculino e avisou a chefe do cartório, Ana Flávia Bellucci Leite. Parte da documentação rasgada era original e não há a confirmação se existem cópias. Por enquanto, não sabe a qual partido se refere a papelada rasgada.

A chefe do cartório fez Boletim de Ocorrência por supressão de documento no último dia 14 – data que teria ocorrido o crime –, mas apesar de o órgão estar localizado na avenida Goiás, no centro da cidade, ela preferiu registrar a ocorrência em São Paulo, mais precisamente no 18º Distrito Policial, que fica na Mooca.

O juiz titular da 6ªVara Cível e da 166ªZona Eleitoral de São Caetano, Marco Aurélio Pelegrini de Oliveira, assegurou segunda-feira que a Corregedoria do TRE (Tribunal Regional Eleitoral) já está investigando o caso. No próximo dia 31, ele fará correição no cartório, quando ouvirá as servidoras denunciadas pela chefe.

As três envolvidas no delito não foram afastadas de suas funções e continuam trabalhando normalmente no cartório. Uma delas, aliás, é funcionária da Prefeitura de São Caetano, mas ‘está emprestada‘ ao cartório. O salário dela chega a R$ 3,2 mil.

Mistério – Até agora nem polícia, nem corregedoria sabem com exatidão que papéis foram destruídos e tampouco a qual partido se referem. A chefe do cartório ficou de apresentar a documentação apenas quando o inquérito fosse instaurado. O B.O., aberto na delegacia da Mooca, já está em poder do delegado titular do 1º DP de São Caetano, que investigará o caso. “Isso é muito grave. Vamos apurar até as últimas conseqüências”, avisa o titular, Moisés Maximiano Barretos. Procurada pelo Diário, a chefe do cartório, Ana Flávia Bellucci Leite, não quis dar explicações sobre a destruição dos documentos.

O delegado deverá solicitar o que restou dos documentos, que estão com Ana Flávia. “Não podemos desprezar que estamos em um ano eleitoral. Se constar nomes de políticos ou de partidos, eles também serão ouvidos”, promete Barretos.

A destruição de papelada referente a gastos de campanha ocorre justamente em um momento de efervescência política em São Caetano. Além da proximidade das eleições de outubro, representantes das coligações lideradas pelo PT e PTB travam sucessivas batalhas judiciais envolvendo o resultado da eleição de 2004. Na última, Auricchio saiu ganhando, quando foi inocentado em processo no TRE que pedia sua cassação por conta de suposta irregularidade que teria sido cometida pelo seu antecessor Luiz Olinto Tortorello, que durante uma inauguração durante o período eleitoral, citou o nome de Auricchio.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;