Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

FMI divulga alta de 6,6% em gasto público no Brasil


Das Agências

03/11/2006 | 22:51


Os gastos públicos na América Latina cresceram 7,4% em 2005, revela o documento Panorama Econômico Regional, divulgado pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

O Brasil está entre os países cujas despesas cresceram menos. Enquanto na Venezuela o aumento foi de 22,9% e na Argentina, de 14,4%, no Brasil ficou em 6,6%. No Chile o crescimento foi de 5,9% e no México, de 3,9%.

Para este ano, a previsão é de que os gastos públicos cresçam 7,3% na média dos países da América Latina, contra crescimento de 5% do Brasil.

Ainda que esse aumento aconteça, segundo o documento, no “período trienal de expansão mais importante desde a década de 70”, o Fundo adverte que há necessidade de os países economizarem ou sanarem as suas dívidas.

“A política fiscal está adquirindo uma orientação expansiva na maioria dos países, precisamente quando o rápido crescimento econômico brinda a oportunidade de diminuir com maior prontidão as vulnerabilidades que criam o elevado endividamento”, diz o texto.

O documento prevê crescimento econômico na região de 4,75% em 2006 e de 4,25% em 2007. No Brasil, o desempenho será mais fraco, de 3,2% este ano e de 4% no próximo.

O Fundo cita o programa Bolsa Família como exemplo de diminuição das disparidades sociais. Segundo o texto, esse programa vai atingir 11,2 milhões de famílias em 2006, contra 8,7 milhões em 2005 e 6,7 milhões em 2004. “Esses e outros programas de assistência social são consideravelmente promissores como ferramentas para redução de pobreza”, diz o relatório.

Essa tendência se repete na média dos países latino-americanos. De acordo com o documento, “a proporção da população da região que vive na pobreza caiu ao redor de 44% em 2003 para pouco mais de 40% no ano passado”.

No mesmo período, a extrema pobreza baixou de 19% para 17%”. No Brasil, a pobreza retrocedeu de 28% em 2003 para 23% em 2005.

O documento do FMI afirma que a experiência bem-sucedida se baseia em “um sistema que combina a assistência social com oportunidades de receber educação e capacitação”. E destaca ainda o crescimento do emprego e a diminuição em 10% do mercado informal na região.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

FMI divulga alta de 6,6% em gasto público no Brasil

Das Agências

03/11/2006 | 22:51


Os gastos públicos na América Latina cresceram 7,4% em 2005, revela o documento Panorama Econômico Regional, divulgado pelo FMI (Fundo Monetário Internacional).

O Brasil está entre os países cujas despesas cresceram menos. Enquanto na Venezuela o aumento foi de 22,9% e na Argentina, de 14,4%, no Brasil ficou em 6,6%. No Chile o crescimento foi de 5,9% e no México, de 3,9%.

Para este ano, a previsão é de que os gastos públicos cresçam 7,3% na média dos países da América Latina, contra crescimento de 5% do Brasil.

Ainda que esse aumento aconteça, segundo o documento, no “período trienal de expansão mais importante desde a década de 70”, o Fundo adverte que há necessidade de os países economizarem ou sanarem as suas dívidas.

“A política fiscal está adquirindo uma orientação expansiva na maioria dos países, precisamente quando o rápido crescimento econômico brinda a oportunidade de diminuir com maior prontidão as vulnerabilidades que criam o elevado endividamento”, diz o texto.

O documento prevê crescimento econômico na região de 4,75% em 2006 e de 4,25% em 2007. No Brasil, o desempenho será mais fraco, de 3,2% este ano e de 4% no próximo.

O Fundo cita o programa Bolsa Família como exemplo de diminuição das disparidades sociais. Segundo o texto, esse programa vai atingir 11,2 milhões de famílias em 2006, contra 8,7 milhões em 2005 e 6,7 milhões em 2004. “Esses e outros programas de assistência social são consideravelmente promissores como ferramentas para redução de pobreza”, diz o relatório.

Essa tendência se repete na média dos países latino-americanos. De acordo com o documento, “a proporção da população da região que vive na pobreza caiu ao redor de 44% em 2003 para pouco mais de 40% no ano passado”.

No mesmo período, a extrema pobreza baixou de 19% para 17%”. No Brasil, a pobreza retrocedeu de 28% em 2003 para 23% em 2005.

O documento do FMI afirma que a experiência bem-sucedida se baseia em “um sistema que combina a assistência social com oportunidades de receber educação e capacitação”. E destaca ainda o crescimento do emprego e a diminuição em 10% do mercado informal na região.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;