Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Paraguai: pouco empenho na busca por irmãos


Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

10/11/2004 | 09:25


A demissão de três oficiais de alta patente mais uma vez escancarou a crise institucional que atravessa a Polícia Nacional do Paraguai. Afastados de suas funções, os policiais que ocupavam chefias estratégicas da corporação, como a Anti-Seqüestro e Vigilância de Delitos, são acusados de viabilizar a fuga de um criminoso argentino, foragido no país, em troca de dinheiro. Para a advogada Clara Rosa Gagliardone, o flagrante de corrupção torna evidente que a polícia não havia se empenhado nas buscas pelos irmãos Guilhermo, 10 anos, e Arturo Rojas Boehler, 7, seqüestrados há nove meses pelo pai paraguaio da casa onde moravam com a mãe, em São Bernardo.

"Hoje, confio no comando da polícia e estou segura de que os meninos estão sendo procurados. Mas está mais do que provado que antes, há cerca de um mês, nada foi feito para encontrá-los", disse a advogada Clara Rosa, que representa a mãe dos garotos, a pastora metodista Genilma Boehler.

A advogada e militantes de defesa dos direitos humanos têm nesta quarta pela manhã uma reunião com o ministro do Interior, Nelson Mora, para cobrar eficiência na investigação do paradeiro dos irmãos. É a segunda vez em 30 dias que o presidente Nicanor Duarte Frutos afasta funcionários dos altos cargos de chefia. Em meados de outubro, o ex-ministro do Interior, Orlando Fiorotto, foi substituído por Mora. E o comandante da polícia, Carlos Zelaya, assumiu o posto que era de Humberto Nuñez.

A polícia perdeu credibilidade entre os paraguaios depois que uma onda de violência tomou as ruas da capital Assunção. A gota d'água foi o seqüestro de um menino de 10 anos, na porta da escola. O garoto, filho de um empresário do ramo de tabaco, foi assassinado e a polícia não conseguiu intermediar as negociações com os criminosos, que tampouco foram presos.

Desde junho, o governo paraguaio afirmava trabalhar com afinco na procura por Guilhermo e Arturo. No entanto, nenhuma pista foi encontrada, e o governo paraguaio sequer pode garantir o estado de saúde dos menores, pois desconhece por completo onde estão escondidos. O Ministério Público do Paraguai investiga se houve ou não negligência nas buscas por parte do antigo comando, já que um rastreamento telefônico mostrou que o pai foragido, Eri Daniel Rojas Villalba, manteve inúmeros contatos com a chefia da polícia e com o ex vice-ministro do Interior, Eustaquio Colman Ramirez.

Ao assumir os cargos, Mora e Zelaya se comprometeram em trazer Guilhermo e Arturo de volta ao Brasil, em sintonia com as promessas feitas de "tolerância zero" contra os criminosos. Há uma semana, colocaram mais equipes vasculhando todo o país, depois que Duarte Frutos deu o ultimato de 48 horas para que os irmãos fossem encontrados.

Segunda-feira, o comissário-chefe de Apoio Técnico, Juan Pereira, o chefe da Divisão Anti-Seqüestro, Oscar Larroza, e o comandante da Vigilância de Delitos, Antonio Martínez, foram demitidos. Para o governo, não há dúvidas de que os três participaram da operação que culminou na fuga do seqüestrador argentino Cristian Carro Córdoba. O grupo teria fornecido uma identidade falsa, com nacionalidade paraguaia, ao foragido, depois de receber US$ 60 mil, três aparelhos celular e jóias.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Paraguai: pouco empenho na busca por irmãos

Illenia Negrin
Do Diário do Grande ABC

10/11/2004 | 09:25


A demissão de três oficiais de alta patente mais uma vez escancarou a crise institucional que atravessa a Polícia Nacional do Paraguai. Afastados de suas funções, os policiais que ocupavam chefias estratégicas da corporação, como a Anti-Seqüestro e Vigilância de Delitos, são acusados de viabilizar a fuga de um criminoso argentino, foragido no país, em troca de dinheiro. Para a advogada Clara Rosa Gagliardone, o flagrante de corrupção torna evidente que a polícia não havia se empenhado nas buscas pelos irmãos Guilhermo, 10 anos, e Arturo Rojas Boehler, 7, seqüestrados há nove meses pelo pai paraguaio da casa onde moravam com a mãe, em São Bernardo.

"Hoje, confio no comando da polícia e estou segura de que os meninos estão sendo procurados. Mas está mais do que provado que antes, há cerca de um mês, nada foi feito para encontrá-los", disse a advogada Clara Rosa, que representa a mãe dos garotos, a pastora metodista Genilma Boehler.

A advogada e militantes de defesa dos direitos humanos têm nesta quarta pela manhã uma reunião com o ministro do Interior, Nelson Mora, para cobrar eficiência na investigação do paradeiro dos irmãos. É a segunda vez em 30 dias que o presidente Nicanor Duarte Frutos afasta funcionários dos altos cargos de chefia. Em meados de outubro, o ex-ministro do Interior, Orlando Fiorotto, foi substituído por Mora. E o comandante da polícia, Carlos Zelaya, assumiu o posto que era de Humberto Nuñez.

A polícia perdeu credibilidade entre os paraguaios depois que uma onda de violência tomou as ruas da capital Assunção. A gota d'água foi o seqüestro de um menino de 10 anos, na porta da escola. O garoto, filho de um empresário do ramo de tabaco, foi assassinado e a polícia não conseguiu intermediar as negociações com os criminosos, que tampouco foram presos.

Desde junho, o governo paraguaio afirmava trabalhar com afinco na procura por Guilhermo e Arturo. No entanto, nenhuma pista foi encontrada, e o governo paraguaio sequer pode garantir o estado de saúde dos menores, pois desconhece por completo onde estão escondidos. O Ministério Público do Paraguai investiga se houve ou não negligência nas buscas por parte do antigo comando, já que um rastreamento telefônico mostrou que o pai foragido, Eri Daniel Rojas Villalba, manteve inúmeros contatos com a chefia da polícia e com o ex vice-ministro do Interior, Eustaquio Colman Ramirez.

Ao assumir os cargos, Mora e Zelaya se comprometeram em trazer Guilhermo e Arturo de volta ao Brasil, em sintonia com as promessas feitas de "tolerância zero" contra os criminosos. Há uma semana, colocaram mais equipes vasculhando todo o país, depois que Duarte Frutos deu o ultimato de 48 horas para que os irmãos fossem encontrados.

Segunda-feira, o comissário-chefe de Apoio Técnico, Juan Pereira, o chefe da Divisão Anti-Seqüestro, Oscar Larroza, e o comandante da Vigilância de Delitos, Antonio Martínez, foram demitidos. Para o governo, não há dúvidas de que os três participaram da operação que culminou na fuga do seqüestrador argentino Cristian Carro Córdoba. O grupo teria fornecido uma identidade falsa, com nacionalidade paraguaia, ao foragido, depois de receber US$ 60 mil, três aparelhos celular e jóias.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;