Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Duplicam ligações do disque-denúncia


Das Agências

19/05/2006 | 07:46



As ligações ao disque-denúncia (telefone 181) quase duplicaram desde o último sábado. São realizadas, em média, entre 400 e 450 denúncias por dia. Na última segunda-feira, esse número atingiu o pico de 700 ligações.

Segundo Athayde da Silva, coordenador do Instituto São Paulo Contra a Violência, responsável pelo serviço do disque-denúncia, a média de chamadas costuma diminuir nos fins de semana. No último, porém, chegou a 500, no lugar das habituais 250. A maioria das denúncias são realizadas no horário em que são exibidos os noticiários na televisão, de manhã cedo e no início da noite, e aumentam quando é divulgado o número 181 em reportagens, diz Silva.

O coordenador não especifica o teor das informações passadas pelos denunciantes nos últimos dias, mas diz que houve principalmente indicações de nomes e endereços dos possíveis criminosos. Neste caso específico, as informações estão sendo encaminhadas ao Cepol (Centro Integrado da Polícia Especializada), ao Deic (Departamento Estadual de Investigação sobre Crime Organizado) e à Polícia Militar.

Quando registrada a denúncia, duas equipes de inteligência das polícias Civil e Militar fazem cruzamento de informações nos bancos de dados da polícia no Estado e na União. Em seguida, contatam a unidade de segurança mais próxima à área da denúncia para que seja realizada averiguação.

O índice de trotes varia entre 10% e 12%. Mesmo assim, o coordenador lembra que o mais importante é a atuação da polícia. “Hoje pode não encontrar o traficante (no local indicado), mas amanhã sim.” Silva ressalta que é mantido sigilo absoluto dos denunciantes. Para acompanhar o caso, a pessoa deve anotar a senha fornecida e retornar a ligação depois.

O coordenador do Instituto pede que as pessoas fiquem atentas a qualquer suspeita de movimentação estranha na vizinhança, como casa recentemente ocupada sem chegada de mudança, com janelas sempre fechadas. O disque-denúncia atende 24 horas por dia, nos sete dias da semana.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Duplicam ligações do disque-denúncia

Das Agências

19/05/2006 | 07:46



As ligações ao disque-denúncia (telefone 181) quase duplicaram desde o último sábado. São realizadas, em média, entre 400 e 450 denúncias por dia. Na última segunda-feira, esse número atingiu o pico de 700 ligações.

Segundo Athayde da Silva, coordenador do Instituto São Paulo Contra a Violência, responsável pelo serviço do disque-denúncia, a média de chamadas costuma diminuir nos fins de semana. No último, porém, chegou a 500, no lugar das habituais 250. A maioria das denúncias são realizadas no horário em que são exibidos os noticiários na televisão, de manhã cedo e no início da noite, e aumentam quando é divulgado o número 181 em reportagens, diz Silva.

O coordenador não especifica o teor das informações passadas pelos denunciantes nos últimos dias, mas diz que houve principalmente indicações de nomes e endereços dos possíveis criminosos. Neste caso específico, as informações estão sendo encaminhadas ao Cepol (Centro Integrado da Polícia Especializada), ao Deic (Departamento Estadual de Investigação sobre Crime Organizado) e à Polícia Militar.

Quando registrada a denúncia, duas equipes de inteligência das polícias Civil e Militar fazem cruzamento de informações nos bancos de dados da polícia no Estado e na União. Em seguida, contatam a unidade de segurança mais próxima à área da denúncia para que seja realizada averiguação.

O índice de trotes varia entre 10% e 12%. Mesmo assim, o coordenador lembra que o mais importante é a atuação da polícia. “Hoje pode não encontrar o traficante (no local indicado), mas amanhã sim.” Silva ressalta que é mantido sigilo absoluto dos denunciantes. Para acompanhar o caso, a pessoa deve anotar a senha fornecida e retornar a ligação depois.

O coordenador do Instituto pede que as pessoas fiquem atentas a qualquer suspeita de movimentação estranha na vizinhança, como casa recentemente ocupada sem chegada de mudança, com janelas sempre fechadas. O disque-denúncia atende 24 horas por dia, nos sete dias da semana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;