Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Em western, Eastwood sobrevive à Forca

Reprodução Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

'Marca da Força' homenageia 80 anos do ator e pode ser revisto hoje no Telecine Cult



08/06/2020 | 07:11


Quem perdeu A Marca da Força na homenagem do Telecine Cult a Clint Eastwood, que completou 80 anos no domingo, 31 de maio, pode rever nesta segunda, 8, no canal, o western de Ted Post. Passa às 19h55. Dez ou 15 anos antes, Post poderia ter sido um mestre do filme B. Se ainda houvessem os críticos da nouvelle-vague, teria sido reconhecido como autor. Sua carreira talvez tivesse sido outra.

A Marca da Forca foi o primeiro filme de Clint nos EUA, encerrada sua fase nos spaghetti westerns de Sergio Leone. Para Hollywood, era um astro italiano. Puseram-no nesse faroeste estranhíssimo. Ladrões de gado roubam sua boiada e o enforcam, mas ele não morre. Obcecado por vingança, persegue os homens que o atacaram. Torna-se caçador de foras da lei para um juiz enforcador.

O filme é sobre a construção da lei na América. Os enforcamentos são um espetáculo - tão bárbaros quanto legais. Clint, o personagem, descobre o amor. Há um sopro lírico nas cenas com Inger Stevens, por mais que o cabelo e a maquiagem dela não pareçam de uma mulher do Oeste. Post dirigiu Clint de novo, em Magnum 44, e fez um dos melhores filmes sobre o Vietnã, Inferno sem Saída. Na TV, começou em Rawhide, e foi como conheceu o astro.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Em western, Eastwood sobrevive à Forca

'Marca da Força' homenageia 80 anos do ator e pode ser revisto hoje no Telecine Cult


08/06/2020 | 07:11


Quem perdeu A Marca da Força na homenagem do Telecine Cult a Clint Eastwood, que completou 80 anos no domingo, 31 de maio, pode rever nesta segunda, 8, no canal, o western de Ted Post. Passa às 19h55. Dez ou 15 anos antes, Post poderia ter sido um mestre do filme B. Se ainda houvessem os críticos da nouvelle-vague, teria sido reconhecido como autor. Sua carreira talvez tivesse sido outra.

A Marca da Forca foi o primeiro filme de Clint nos EUA, encerrada sua fase nos spaghetti westerns de Sergio Leone. Para Hollywood, era um astro italiano. Puseram-no nesse faroeste estranhíssimo. Ladrões de gado roubam sua boiada e o enforcam, mas ele não morre. Obcecado por vingança, persegue os homens que o atacaram. Torna-se caçador de foras da lei para um juiz enforcador.

O filme é sobre a construção da lei na América. Os enforcamentos são um espetáculo - tão bárbaros quanto legais. Clint, o personagem, descobre o amor. Há um sopro lírico nas cenas com Inger Stevens, por mais que o cabelo e a maquiagem dela não pareçam de uma mulher do Oeste. Post dirigiu Clint de novo, em Magnum 44, e fez um dos melhores filmes sobre o Vietnã, Inferno sem Saída. Na TV, começou em Rawhide, e foi como conheceu o astro.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;