Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 14 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Sarkozy afirma que distúrbios urbanos são vandalismos


Da AFP

29/11/2007 | 10:45


O presidente francês, Nicolas Sarkozy, afirmou nesta quinta-feira que os recentes distúrbios nos arredores de Paris não tem nada a ver com uma crise social e que, na verdade, se tratam de atos de vandalismo.

"Em 2002 (quando Sarkozy era ministro do Interior) iniciamos uma política determinada que deu frutos, mas que vamos ampliar", afirmou em um discurso sobre temas de segurança diante de dois mil policiais em Paris.

"Rejeito qualquer forma de angelismo que leva a considerar cada delinqüente como uma vítima da sociedade, e cada revolta como um problema social", insistiu.

Segundo o chefe de Estado, o que aconteceu em Villiers-le-Bel, um bairro da periferia de Paris que foi cenário de confrontos entre jovens e a polícia no início da semana, "não tem nada a ver com uma crise social, e tudo a ver com vandalismo".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sarkozy afirma que distúrbios urbanos são vandalismos

Da AFP

29/11/2007 | 10:45


O presidente francês, Nicolas Sarkozy, afirmou nesta quinta-feira que os recentes distúrbios nos arredores de Paris não tem nada a ver com uma crise social e que, na verdade, se tratam de atos de vandalismo.

"Em 2002 (quando Sarkozy era ministro do Interior) iniciamos uma política determinada que deu frutos, mas que vamos ampliar", afirmou em um discurso sobre temas de segurança diante de dois mil policiais em Paris.

"Rejeito qualquer forma de angelismo que leva a considerar cada delinqüente como uma vítima da sociedade, e cada revolta como um problema social", insistiu.

Segundo o chefe de Estado, o que aconteceu em Villiers-le-Bel, um bairro da periferia de Paris que foi cenário de confrontos entre jovens e a polícia no início da semana, "não tem nada a ver com uma crise social, e tudo a ver com vandalismo".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;