Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Estratégia de Berlusconi sofre duro golpe


Da AFP

14/04/2006 | 11:21


Apenas 5.266 votos foram contestados nas eleições legislativas realizadas na Itália nos dias 8 e 9 de abril, ao invés dos 82.850 inicialmente denunciados, anunciou nesta sexta-feira o ministério do Interior, o que representa um golpe para a estratégia do primeiro-ministro Silvio Berlusconi de contestar a vitória de Romano Prodi.

"O número de cédulas impugnadas foi reduzido de 43.028 a 2.131 na Câmara dos Deputados e de 39.822 a 3.135 no Senado da República", afirma um comunicado do ministério.

"O primeiro número provisório de cédulas impugnadas foi um erro material de cálculo", explica o ministério. As graves acusações de fraudes e ilegalidades do primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi caíram por terra nesta sexta-feira com os dados divulgados pelo ministério.

A vantagem de 25 mil votos na Câmara dos Deputados obtida pela coalizão de centro-esquerda liderada por Romano Prodi não pode mais ser superada e a esperança de Berlusconi de modificar os resultados acaba de ser enterrada.

A informação confirma a vitória de Prodi, que já havia proclamado o resultado na terça-feira, depois da divulgação dos números oficiais que apontavam seu triunfo por pequena margem nas duas câmaras do Parlamento. No entanto, Berlusconi se recusou a admitir a derrota nas urnas e pediu uma recontagem dos votos impugnados.

O ministério do Interior admite no comunicado oficial o erro e explica que o mesmo foi provocado pela soma, como cédulas impugnadas, dos votos anulados e em branco.

Os juízes do Tribunal de Apelações concluirão nos próximos dias o controle de todos os votos impugnados e devem ratificar o resultado eleitoral, encerrando a disputa.

No entanto, a direita não parece disposta a permitir que a centro-esquerda comemore a vitória. O ministro dos Italianos no Mundo, Mirko Tremaglia, pediu nesta sexta-feira a repetição das eleições nas circunscrições no exterior por irregularidades registradas durante a votação.

"As eleições nas circunscrições no exterior deveriam ser repetidas, não vejo outra solução", afirmou Tremaglia, da AN (Aliança Nacional, direita), autor da lei que autorizou o voto de quase três milhões de italianos residentes no exterior, muitos deles filhos de emigrantes.

"Foram muitas irregularidades e 228.888 cidadãos que vivem no exterior, ou seja, 10% dos que têm direito de voto, não receberam as cédulas e não puderam votar", afirmou Tremaglia em uma entrevista coletiva.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estratégia de Berlusconi sofre duro golpe

Da AFP

14/04/2006 | 11:21


Apenas 5.266 votos foram contestados nas eleições legislativas realizadas na Itália nos dias 8 e 9 de abril, ao invés dos 82.850 inicialmente denunciados, anunciou nesta sexta-feira o ministério do Interior, o que representa um golpe para a estratégia do primeiro-ministro Silvio Berlusconi de contestar a vitória de Romano Prodi.

"O número de cédulas impugnadas foi reduzido de 43.028 a 2.131 na Câmara dos Deputados e de 39.822 a 3.135 no Senado da República", afirma um comunicado do ministério.

"O primeiro número provisório de cédulas impugnadas foi um erro material de cálculo", explica o ministério. As graves acusações de fraudes e ilegalidades do primeiro-ministro italiano Silvio Berlusconi caíram por terra nesta sexta-feira com os dados divulgados pelo ministério.

A vantagem de 25 mil votos na Câmara dos Deputados obtida pela coalizão de centro-esquerda liderada por Romano Prodi não pode mais ser superada e a esperança de Berlusconi de modificar os resultados acaba de ser enterrada.

A informação confirma a vitória de Prodi, que já havia proclamado o resultado na terça-feira, depois da divulgação dos números oficiais que apontavam seu triunfo por pequena margem nas duas câmaras do Parlamento. No entanto, Berlusconi se recusou a admitir a derrota nas urnas e pediu uma recontagem dos votos impugnados.

O ministério do Interior admite no comunicado oficial o erro e explica que o mesmo foi provocado pela soma, como cédulas impugnadas, dos votos anulados e em branco.

Os juízes do Tribunal de Apelações concluirão nos próximos dias o controle de todos os votos impugnados e devem ratificar o resultado eleitoral, encerrando a disputa.

No entanto, a direita não parece disposta a permitir que a centro-esquerda comemore a vitória. O ministro dos Italianos no Mundo, Mirko Tremaglia, pediu nesta sexta-feira a repetição das eleições nas circunscrições no exterior por irregularidades registradas durante a votação.

"As eleições nas circunscrições no exterior deveriam ser repetidas, não vejo outra solução", afirmou Tremaglia, da AN (Aliança Nacional, direita), autor da lei que autorizou o voto de quase três milhões de italianos residentes no exterior, muitos deles filhos de emigrantes.

"Foram muitas irregularidades e 228.888 cidadãos que vivem no exterior, ou seja, 10% dos que têm direito de voto, não receberam as cédulas e não puderam votar", afirmou Tremaglia em uma entrevista coletiva.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;