Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Secretaria de Saúde de Mauá promove simpósio sobre hanseníase


Do Diário OnLine

20/10/2005 | 16:13


A Secretaria de Saúde de Mauá promove um simpósio sobre hanseníase nesta sexta-feira. Equipe da Covisa (Coordenadoria de Vigilância à Saúde), ligada à Secretaria, estará no local orientando o público sobre a doença, além de tipos e tratamentos existentes.

O Simpósio marca a participação da Prefeitura de Mauá na programação da Secretaria de Estado da Saúde no mês de alerta à hanseníase. Os técnicos da Saúde de Mauá também distribuirão cartazes de alerta e folhetos explicativos para a população, enviados pela Secretaria Estadual. Para o Grande ABC foram destinados 2.520 cartazes e 55.60 folhetos. As 24 Direções Regionais de Saúde enviaram material para as Prefeituras do Estado de São Paulo.

Existem quatro tipos de hanseníase: indeterminada, tuberculóide, dimorfa e virchowiana. "A indeterminada é quando está no começo e, se não for tratada, pode evoluir para as formas tuberculóide, dimorfa e virchowiana. A indeterminada e a tuberculóide não são contagiantes, e podem curar-se espontaneamente, estacionar ou evoluir para as formas virchowiana e dimorfa. Esses dois tipos  são contagiosos, caso não sejam tratados adequadamente", diz a médica dermatologista Elza Aico Towata, especialista na doença. Os tratamentos duram de seis meses a um ano, e são feitos à base de medicamentos.

A doença – A hanseníase é causada por um micróbio (bacilo de hansen), que ataca a pele e os nervos. Também conhecida como lepra, é mais comum em regiões pobres. Até a década de 60, não tinha tratamento específico e os pacientes eram encaminhados para locais de isolamento.

Com o avanço da medicina, novas técnicas foram implementadas e os portadores passaram a ser atendidos em ambulatórios e postos de saúde municipais, sem necessidade de internação. A OMS (Organização Mundial de Saúde) preconiza um caso de hanseníase para cada 10 mil habitantes. Em São Paulo, a média de incidência é menor que nos demais estados – 0,44 caso para cada 10 mil pessoas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Secretaria de Saúde de Mauá promove simpósio sobre hanseníase

Do Diário OnLine

20/10/2005 | 16:13


A Secretaria de Saúde de Mauá promove um simpósio sobre hanseníase nesta sexta-feira. Equipe da Covisa (Coordenadoria de Vigilância à Saúde), ligada à Secretaria, estará no local orientando o público sobre a doença, além de tipos e tratamentos existentes.

O Simpósio marca a participação da Prefeitura de Mauá na programação da Secretaria de Estado da Saúde no mês de alerta à hanseníase. Os técnicos da Saúde de Mauá também distribuirão cartazes de alerta e folhetos explicativos para a população, enviados pela Secretaria Estadual. Para o Grande ABC foram destinados 2.520 cartazes e 55.60 folhetos. As 24 Direções Regionais de Saúde enviaram material para as Prefeituras do Estado de São Paulo.

Existem quatro tipos de hanseníase: indeterminada, tuberculóide, dimorfa e virchowiana. "A indeterminada é quando está no começo e, se não for tratada, pode evoluir para as formas tuberculóide, dimorfa e virchowiana. A indeterminada e a tuberculóide não são contagiantes, e podem curar-se espontaneamente, estacionar ou evoluir para as formas virchowiana e dimorfa. Esses dois tipos  são contagiosos, caso não sejam tratados adequadamente", diz a médica dermatologista Elza Aico Towata, especialista na doença. Os tratamentos duram de seis meses a um ano, e são feitos à base de medicamentos.

A doença – A hanseníase é causada por um micróbio (bacilo de hansen), que ataca a pele e os nervos. Também conhecida como lepra, é mais comum em regiões pobres. Até a década de 60, não tinha tratamento específico e os pacientes eram encaminhados para locais de isolamento.

Com o avanço da medicina, novas técnicas foram implementadas e os portadores passaram a ser atendidos em ambulatórios e postos de saúde municipais, sem necessidade de internação. A OMS (Organização Mundial de Saúde) preconiza um caso de hanseníase para cada 10 mil habitantes. Em São Paulo, a média de incidência é menor que nos demais estados – 0,44 caso para cada 10 mil pessoas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;