Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 11 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Enterro de mãe e filho é marcado por revolta contra motorista


Bruno Ribeiro
Do Diário do Grande ABC

17/12/2007 | 07:13


O enterro de Neusa de Souza Pinheiro, 35 anos, e do filho dela, Daniel de Souza Pinheiro, 7, mortos em um acidente de carro provocado por dois rapazes que voltavam de um bar anteontem pela manhã, no bairro Ferrazópolis, em São Bernardo, foi marcado pela revolta de amigos e familiares.

A cerimônia ocorreu no Cemitério do Carminha, no bairro dos Casa, em São Bernardo, às 10h de ontem. Além dos dois mortos, o acidente também deixou um ferido – o pai da família, Ozias Ferreira Pinheiro, 31 anos.

Inconformados, os familiares culpavam o bancário Rogério Perasolli Ferrari, 24 anos, pela morte de Neusa e Daniel. Eles deram declarações de protesto pelo fato do bancário estar em liberdade. Indiciado por homicídio culposo, Ferrari foi solto após pagar R$ 1,2 mil de fiança.

“É uma injustiça, mas nós vamos correr atrás. A família do cara (Ferrari) disse que isso que eles fizeram não vai dar em nada. Quero ver se matar duas pessoas por dirigir bêbado não dá em nada”, disse Jaílson Ferreira Pinheiro, 23 anos, tio de Daniel e cunhado de Neusa.

IRMÃO

Além da revolta e do sentimento de vingança, havia muita dor. Neusa tem outro filho, Douglas Almeida, 11 anos, do primeiro casamento dela. O menino tentou ver o irmão e a mãe durante o velório, mas sentiu-se mal e não conseguiu.

Mas, no momento do enterro, os funcionários do cemitério abriram o caixão de Daniel e Douglas pôde olhar pela última vez o irmão.

Chorando muito, o jovem acariciou o rosto do menino morto, marcado por diversos ferimentos provocados pelo acidente. A cena fez com que a maioria dos presentes à cerimônia também chorasse.

Apesar da companhia dos tios e avós, Douglas não pôde ter o consolo do padrasto, Ozias, a quem o menino tratava como pai, segundo os familiares.

SEM RISCO

Ozias ainda está internado, mas não corre risco de morte. Ele foi transferido ontem para um hospital da Capital para passar por cirurgias ortopédicas nas pernas.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Enterro de mãe e filho é marcado por revolta contra motorista

Bruno Ribeiro
Do Diário do Grande ABC

17/12/2007 | 07:13


O enterro de Neusa de Souza Pinheiro, 35 anos, e do filho dela, Daniel de Souza Pinheiro, 7, mortos em um acidente de carro provocado por dois rapazes que voltavam de um bar anteontem pela manhã, no bairro Ferrazópolis, em São Bernardo, foi marcado pela revolta de amigos e familiares.

A cerimônia ocorreu no Cemitério do Carminha, no bairro dos Casa, em São Bernardo, às 10h de ontem. Além dos dois mortos, o acidente também deixou um ferido – o pai da família, Ozias Ferreira Pinheiro, 31 anos.

Inconformados, os familiares culpavam o bancário Rogério Perasolli Ferrari, 24 anos, pela morte de Neusa e Daniel. Eles deram declarações de protesto pelo fato do bancário estar em liberdade. Indiciado por homicídio culposo, Ferrari foi solto após pagar R$ 1,2 mil de fiança.

“É uma injustiça, mas nós vamos correr atrás. A família do cara (Ferrari) disse que isso que eles fizeram não vai dar em nada. Quero ver se matar duas pessoas por dirigir bêbado não dá em nada”, disse Jaílson Ferreira Pinheiro, 23 anos, tio de Daniel e cunhado de Neusa.

IRMÃO

Além da revolta e do sentimento de vingança, havia muita dor. Neusa tem outro filho, Douglas Almeida, 11 anos, do primeiro casamento dela. O menino tentou ver o irmão e a mãe durante o velório, mas sentiu-se mal e não conseguiu.

Mas, no momento do enterro, os funcionários do cemitério abriram o caixão de Daniel e Douglas pôde olhar pela última vez o irmão.

Chorando muito, o jovem acariciou o rosto do menino morto, marcado por diversos ferimentos provocados pelo acidente. A cena fez com que a maioria dos presentes à cerimônia também chorasse.

Apesar da companhia dos tios e avós, Douglas não pôde ter o consolo do padrasto, Ozias, a quem o menino tratava como pai, segundo os familiares.

SEM RISCO

Ozias ainda está internado, mas não corre risco de morte. Ele foi transferido ontem para um hospital da Capital para passar por cirurgias ortopédicas nas pernas.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;