Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Comércio varejista perdeu R$ 3,1 bi com greve de caminhoneiros, diz CNC

EBC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


29/05/2018 | 18:33


Por causa das paralisações nas estradas promovidas por caminhoneiros em todo o País, o comércio varejista perdeu R$ 3,1 bilhões em apenas seis unidades da Federação, conforme cálculos da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Por causa das paralisações, a entidade revisou sua projeção de crescimento nas vendas do varejo em 2018, de 5,4% para 4,7%.

Em estudo divulgado nesta terça-feira, 29, a entidade calcula que, até a segunda-feira, dia 28, houve perda de R$ 1,42 bilhão nas vendas de combustíveis e lubrificantes. Mais R$ 1,73 bilhão foi perdido por causa da escassez de combustíveis que restringiu a oferta de produtos hortifrutigranjeiros no ramo de hiper, supermercados e minimercados.

A CNC levantou dados em São Paulo, Minas Gerais, Rio, Paraná, Bahia e no Distrito Federal. Segundo a entidade, essas unidades da Federação respondem por 56% da receita dos segmentos de combustíveis e lubrificantes e de hiper e supermercados, em nível nacional. Juntos, os ramos de combustíveis e lubrificantes e de hiper e supermercados respondem por 47% do volume anual de vendas do varejo brasileiro, informou a CNC.

A entidade lembrou, em nota, que os dois segmentos são os mais relevantes do varejo. "Diante de perdas intensas percebidas pelos dois mais relevantes ramos do varejo, a CNC revisou sua expectativa do volume de vendas do varejo em 2018 de +5,4% para +4,7%", diz a nota divulgada nesta terça-feira, 29.

O estudo da CNC desagregou as perdas calculadas em R$ 3,1 bilhões por Estado da seguinte forma: R$ 1,6 bilhão em São Paulo, R$ 418,4 milhões em Minas Gerais, R$ 374,1 milhões no Rio de Janeiro, R$ 328,3 milhões no Paraná, R$ 355,4 milhões na Bahia e R$ 92,5 milhões no Distrito Federal.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Comércio varejista perdeu R$ 3,1 bi com greve de caminhoneiros, diz CNC


29/05/2018 | 18:33


Por causa das paralisações nas estradas promovidas por caminhoneiros em todo o País, o comércio varejista perdeu R$ 3,1 bilhões em apenas seis unidades da Federação, conforme cálculos da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). Por causa das paralisações, a entidade revisou sua projeção de crescimento nas vendas do varejo em 2018, de 5,4% para 4,7%.

Em estudo divulgado nesta terça-feira, 29, a entidade calcula que, até a segunda-feira, dia 28, houve perda de R$ 1,42 bilhão nas vendas de combustíveis e lubrificantes. Mais R$ 1,73 bilhão foi perdido por causa da escassez de combustíveis que restringiu a oferta de produtos hortifrutigranjeiros no ramo de hiper, supermercados e minimercados.

A CNC levantou dados em São Paulo, Minas Gerais, Rio, Paraná, Bahia e no Distrito Federal. Segundo a entidade, essas unidades da Federação respondem por 56% da receita dos segmentos de combustíveis e lubrificantes e de hiper e supermercados, em nível nacional. Juntos, os ramos de combustíveis e lubrificantes e de hiper e supermercados respondem por 47% do volume anual de vendas do varejo brasileiro, informou a CNC.

A entidade lembrou, em nota, que os dois segmentos são os mais relevantes do varejo. "Diante de perdas intensas percebidas pelos dois mais relevantes ramos do varejo, a CNC revisou sua expectativa do volume de vendas do varejo em 2018 de +5,4% para +4,7%", diz a nota divulgada nesta terça-feira, 29.

O estudo da CNC desagregou as perdas calculadas em R$ 3,1 bilhões por Estado da seguinte forma: R$ 1,6 bilhão em São Paulo, R$ 418,4 milhões em Minas Gerais, R$ 374,1 milhões no Rio de Janeiro, R$ 328,3 milhões no Paraná, R$ 355,4 milhões na Bahia e R$ 92,5 milhões no Distrito Federal.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;