Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 11 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Teto de reajuste do IPTU vai até 80% em Sto.André

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Projeto do governo Paulo Serra visa atenuar impacto da atualização da Planta Genérica de Valores


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

22/11/2017 | 07:00


O governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), protocolou proposta para estabelecer teto de até 80% de reajuste do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para o exercício de 2018. Conforme antecipado pelo Diário, o projeto tem como objetivo minimizar o impacto da atualização da PGV (Planta Genérica de Valores), impondo índice de limitação ao aumento do tributo. O texto modifica justamente a lei número 9.968/17, de julho, norma responsável pela base de cálculo do valor do tributo, e já tramita nas comissões da Câmara.

A matéria dividirá as majorações em categorias. O percentual para residências, por exemplo, é de até 50%. Para apartamentos e comércios, há faixa limitadora de 60%. No que refere-se a indústrias e terrenos, o índice moderador fica em 70% e 80%, respectivamente. A ideia da proposta é evitar que eventual elevação ultrapasse a margem apontada, desta forma visando atenuar desgaste. A intenção do Paço é colocar o texto para apreciação do Legislativo até o fim de novembro, o que validaria a vigência para 2018.

“Objetivando minorar o impacto para o contribuinte da cidade, os lançamentos do IPTU serão realizados com a imposição de limitadores sobre sua variação real, decorrente da atualização da PGV, permitindo minimamente que o município aufira receita para a continuidade da prestação do serviço público”, cita o documento. Embora não haja menção no projeto, segundo informações, existe intenção da gestão tucana de fixar esse teto nos próximos três anos, vigorando, portanto, entre 2018 e 2020, para conscientizar os munícipes e ponderar distorções.

Considerando o teor da proposta, mesmo se a atualização apontar valorização de um imóvel hoje de R$ 100 mil para R$ 280 mil, não haverá majoração de 180%. Articulador do Paço, o secretário de Assuntos Institucionais, Carlos Bianchin, afirmou que diante de defasagem no período “não daria para acompanhar as cobranças das alíquotas”, destacando a última atualização do valor do terreno em 2002, e da área construída em 1993. Segundo ele, o percentual poderia incidir de forma abrupta. “Por isso, o governo entendeu que o teto seria forma mais justa.”

A matéria foi assinada pelo prefeito interino, Luiz Zacarias (PTB), por conta da viagem de Paulo Serra ao congresso mundial de Cidades Inteligentes em Barcelona, na Espanha. O documento reitera que essa legislação que efetua a correção do valor venal dos imóveis encontrava-se defasada. “O resultado prático da inação do município na edição de normatização que refletisse a realidade da valorização imobiliária dos últimos 14 anos (…) é a arrecadação inferior à que potencialmente, se a tributação fosse realizada com base nos reais valores dos imóveis, deveria ser auferida pela Prefeitura na cobrança do imposto de sua competência”, frisa o documento. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Teto de reajuste do IPTU vai até 80% em Sto.André

Projeto do governo Paulo Serra visa atenuar impacto da atualização da Planta Genérica de Valores

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

22/11/2017 | 07:00


O governo do prefeito de Santo André, Paulo Serra (PSDB), protocolou proposta para estabelecer teto de até 80% de reajuste do IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) para o exercício de 2018. Conforme antecipado pelo Diário, o projeto tem como objetivo minimizar o impacto da atualização da PGV (Planta Genérica de Valores), impondo índice de limitação ao aumento do tributo. O texto modifica justamente a lei número 9.968/17, de julho, norma responsável pela base de cálculo do valor do tributo, e já tramita nas comissões da Câmara.

A matéria dividirá as majorações em categorias. O percentual para residências, por exemplo, é de até 50%. Para apartamentos e comércios, há faixa limitadora de 60%. No que refere-se a indústrias e terrenos, o índice moderador fica em 70% e 80%, respectivamente. A ideia da proposta é evitar que eventual elevação ultrapasse a margem apontada, desta forma visando atenuar desgaste. A intenção do Paço é colocar o texto para apreciação do Legislativo até o fim de novembro, o que validaria a vigência para 2018.

“Objetivando minorar o impacto para o contribuinte da cidade, os lançamentos do IPTU serão realizados com a imposição de limitadores sobre sua variação real, decorrente da atualização da PGV, permitindo minimamente que o município aufira receita para a continuidade da prestação do serviço público”, cita o documento. Embora não haja menção no projeto, segundo informações, existe intenção da gestão tucana de fixar esse teto nos próximos três anos, vigorando, portanto, entre 2018 e 2020, para conscientizar os munícipes e ponderar distorções.

Considerando o teor da proposta, mesmo se a atualização apontar valorização de um imóvel hoje de R$ 100 mil para R$ 280 mil, não haverá majoração de 180%. Articulador do Paço, o secretário de Assuntos Institucionais, Carlos Bianchin, afirmou que diante de defasagem no período “não daria para acompanhar as cobranças das alíquotas”, destacando a última atualização do valor do terreno em 2002, e da área construída em 1993. Segundo ele, o percentual poderia incidir de forma abrupta. “Por isso, o governo entendeu que o teto seria forma mais justa.”

A matéria foi assinada pelo prefeito interino, Luiz Zacarias (PTB), por conta da viagem de Paulo Serra ao congresso mundial de Cidades Inteligentes em Barcelona, na Espanha. O documento reitera que essa legislação que efetua a correção do valor venal dos imóveis encontrava-se defasada. “O resultado prático da inação do município na edição de normatização que refletisse a realidade da valorização imobiliária dos últimos 14 anos (…) é a arrecadação inferior à que potencialmente, se a tributação fosse realizada com base nos reais valores dos imóveis, deveria ser auferida pela Prefeitura na cobrança do imposto de sua competência”, frisa o documento. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;