Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Alta do dólar muda planos de férias


Bárbara Ladeia e Leone Farias

19/10/2008 | 07:12


A valorização do dólar, que nas últimas semanas passou rapidamente de R$ 1,60 para R$ 2,10, tem levado ao adiamento das viagens ao Exterior e abre a perspectiva de fortalecimento do turismo doméstico.

O susto com a moeda americana foi o que fez a professora de Enfermagem Elisabeth Santinoni Rodrigues, moradora de Diadema, desistir de acertar, para início de 2009, um cruzeiro (cotado em dólar) com seu marido, Franklin Luís dos Santos. A viagem sairia por cerca de US$ 1.500 por pessoa . "Agora não sei vou para o Pantanal ou vou de carro para a Paraíba, a passeio", afirmou.

Com a mudança do câmbio, as empresas do setor se preparam para fortalecer as vendas de pacotes domésticos. É o caso da CVC, que tem sede em Santo André e é a maior operadora turística da América Latina, que acaba de iniciar campanha com esse objetivo.

No entanto, a operadora faz questão de dizer que o dólar em alta não atrapalhou as projeções para este ano. A previsão de crescimento da empresa para este ano era de 30% e já foi alcançado. Os últimos meses vem sendo fechados com esse aumento, tanto por parte das vendas nacionais quanto para internacionais e cruzeiros.

A explicação para que não haja mudança nas projeções é simples, segundo o diretor de assuntos internacionais da Abav (Associação Brasileira de Agências de Viagens), Leonel Rossi. "Para as vendas de fim de ano, mais de 50% dos pacotes já foram vendidos". A CVC informou que 70% dos pacotes de cruzeiros para a alta temporada já estão fechados.

O dirigente frisa que não é apenas a instabilidade do câmbio que preocupa. Outro receio é de que haja uma retração na economia. "Isso fará com que as pessoas viajem menos. Vamos ver como fica daqui em diante", disse.

Alternativa - O dólar em alta também levado turistas a outros roteiros internacionais. A Austrália, a Nova Zelândia e o Canadá têm chamado a atenção dos viajantes, uma vez que a moeda desses países é bem menos valorizada que a divisa dos EUA.

A Connection Line, empresa de viagens, teve redução na procura de roteiros para os Estados Unidos e Inglaterra. "Esse mês já tivemos redução na procura e até adiamento de algumas viagens", comenta Vera Amaral, diretora comercial da companhia.

Os pacotes para a Austrália têm sido os mais procurados. "Com o dólar australiano a R$ 1,53 a viagem fica mais acessível, principalmente para estudantes, que contam ainda com as promoções das escolas estrangeiras", comemora.

Outra opção é a Nova Zelândia onde a moeda local, o dólar neozelandês, custa R$ 1,34. Para lá, além dos pacotes turísticos, é possível encontrar diversos programas de estudo e trabalho.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Alta do dólar muda planos de férias

Bárbara Ladeia e Leone Farias

19/10/2008 | 07:12


A valorização do dólar, que nas últimas semanas passou rapidamente de R$ 1,60 para R$ 2,10, tem levado ao adiamento das viagens ao Exterior e abre a perspectiva de fortalecimento do turismo doméstico.

O susto com a moeda americana foi o que fez a professora de Enfermagem Elisabeth Santinoni Rodrigues, moradora de Diadema, desistir de acertar, para início de 2009, um cruzeiro (cotado em dólar) com seu marido, Franklin Luís dos Santos. A viagem sairia por cerca de US$ 1.500 por pessoa . "Agora não sei vou para o Pantanal ou vou de carro para a Paraíba, a passeio", afirmou.

Com a mudança do câmbio, as empresas do setor se preparam para fortalecer as vendas de pacotes domésticos. É o caso da CVC, que tem sede em Santo André e é a maior operadora turística da América Latina, que acaba de iniciar campanha com esse objetivo.

No entanto, a operadora faz questão de dizer que o dólar em alta não atrapalhou as projeções para este ano. A previsão de crescimento da empresa para este ano era de 30% e já foi alcançado. Os últimos meses vem sendo fechados com esse aumento, tanto por parte das vendas nacionais quanto para internacionais e cruzeiros.

A explicação para que não haja mudança nas projeções é simples, segundo o diretor de assuntos internacionais da Abav (Associação Brasileira de Agências de Viagens), Leonel Rossi. "Para as vendas de fim de ano, mais de 50% dos pacotes já foram vendidos". A CVC informou que 70% dos pacotes de cruzeiros para a alta temporada já estão fechados.

O dirigente frisa que não é apenas a instabilidade do câmbio que preocupa. Outro receio é de que haja uma retração na economia. "Isso fará com que as pessoas viajem menos. Vamos ver como fica daqui em diante", disse.

Alternativa - O dólar em alta também levado turistas a outros roteiros internacionais. A Austrália, a Nova Zelândia e o Canadá têm chamado a atenção dos viajantes, uma vez que a moeda desses países é bem menos valorizada que a divisa dos EUA.

A Connection Line, empresa de viagens, teve redução na procura de roteiros para os Estados Unidos e Inglaterra. "Esse mês já tivemos redução na procura e até adiamento de algumas viagens", comenta Vera Amaral, diretora comercial da companhia.

Os pacotes para a Austrália têm sido os mais procurados. "Com o dólar australiano a R$ 1,53 a viagem fica mais acessível, principalmente para estudantes, que contam ainda com as promoções das escolas estrangeiras", comemora.

Outra opção é a Nova Zelândia onde a moeda local, o dólar neozelandês, custa R$ 1,34. Para lá, além dos pacotes turísticos, é possível encontrar diversos programas de estudo e trabalho.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;