Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Bacalhau deve ficar longe de área refrigerada


Adriana Ferraz
Especial para o Diário

21/03/2006 | 08:02


Durante os dias que antecedem o feriado, o bacalhau recebe mais atenção por parte dos comerciantes e consumidores. Segundo Renata Molina, técnica do Procon de São Paulo, a primeira dica está relacionada à exposição do peixe nos estabelecimentos. O bacalhau é um produto seco. O peixe não pode estar localizado em área refrigerada para não sofrer umidade. Caso isso aconteça, trará, na carne, manchas escuras como sinal de bolor.

As condições de higiene dos funcionários que manipulam alimentos também é importante. “Eles devem usar roupas e luvas apropriadas e muito bem limpas”, diz Molina. Na hora de escolher a peça de bacalhau, o consumidor ainda precisa observar se não há insetos próximos ao produto.

Em casa, na hora de guardar o peixe, o consumidor também precisa prestar atenção para evitar perdas. A primeira regra é lembrar que bacalhau e geladeira não combinam. Separe, assim, um recipiente adequado para o produto.

Preços – Quem pretende comer bacalhau nos dias de Páscoa deve preparar o bolso. Nessa época, a variedade de preços é enorme. A dica é pesquisar, sempre. Para não levar gato por lebre, o consumidor leigo deve ficar atento também ao tipo de bacalhau que está comprando. Segundo Renata Molina, há vários tipos de peixes à disposição no mercado. “Os mais caros encontrados no Brasil são provenientes, normalmente, de regiões do Pacífico ou do Porto. A diferença está na espessura e qualidade da carne. Quando mais larga a posta do bacalhau, mais alto seu preço”, declara.

Além de pesquisar valores, é bom não deixar para comprar na última hora. O velho costume dos brasileiros nesse caso pode resultar em prejuízo e arrependimento. Como tem longa vida útil, o bacalhau pode ser adquirido com mais de 15 dias de antecedência e, o que é melhor, a preços mais baixos.

Mas se a intenção é economizar sem perder qualidade e sabor, diversas outras opções de peixes e frutos do mar são colocadas à disposição do consumidor nesta época do ano. Segundo a encarregada do serviço de inspeção municipal de alimentos da Vigilância Sanitária de Santo André, Edna Correa Clares, em caso de peixes congelados a temperatura deve estar em -12°C. Para produtos frescos, os cuidados incluem, além da temperatura, outras dicas básicas. “O consumidor precisa conferir o estado geral do peixe, ou seja, ver, por exemplo, se a pele está brilhante, a carne firme e o cheiro apropriado”, afirma.

 Páscoa saudável

Exposição
-
Antes de efetuar a compra, lembre-se que o bacalhau, como qualquer outro alimento, deve estar exposto sob observação das devidas normas de higiene. Verifique se o balcão está limpo e se os funcionários que o manipulam trabalham com luvas e roupas apropriadas.

- Como se trata de um peixe seco, o bacalhau não pode apresentar sinais de umidade. Confira, então, se o produto não apresenta manchas escuras na carne, localizada na parte interna do peixe.

- Certifique-se também que não há presença de fungos, larvas ou outros sinais de bolor espalhados pela carne do bacalhau. Garanta, ainda, que o peixe não esteja exposto em área refrigerada.

Manutenção

- O bacalhau pode ser comprado com bastante antecedência: cerca de quinze dias antes da sua utilização. Mas para que o consumo não seja prejudicado, garanta que o peixe esteja protegido contra insetos e não sofra refrigeração.

- Para evitar o aparecimento de fungos, não guarde o bacalhau em embalagens fechadas. Lembre-se que mesmo o peixe salgado precisa respirar.

Preço

- Pesquisar é imprescindível antes de comprar o produto. No caso do bacalhau, confira preços em pelo menos três estabelecimentos, já que a variação é muito grande.

- Não deixe para adquirir o produto de véspera. Em época de Páscoa, quando a procura é muito grande, o consumidor deve ser rápido, já que a tendência é que quando mais tarde resolver efetuar a compra, mais caro encontrará o peixe.

- As diferenças de preço normalmente estão relacionadas à região produtora. Peixes do Porto ou do Pacífico são mais caros, mas apresentam postas mais altas e largas. Em caso de dúvida, questione a origem do peixe.

Opções

- Para quem faz questão de seguir a tradição de comer peixe na Semana Santa, mas prefere escolher outra opção, é preciso lembrar que as normas para peixes refrigerados são completamente diferentes. Verifique detalhes básicos como pele brilhante, carne firme (faça uma leve pressão com o dedo), cheiro próprio e cor (deve ser branca ou rosada).

- A refrigeração também é importante. Peixes congelados devem estar na temperatura de -12°C e, frescos, a 4°C. Se possível, compre peixes inteiros.

Reclamações

- Caso se sinta prejudicado, o consumidor deve, como em qualquer outra situação, buscar ajuda junto ao Procon. Para prestar reclamação formal no posto de atendimento, deve-se mostrar a nota fiscal de compra do produto. Neste tipo de queixa, o consumidor, normalmente terá de apresentar também o alimento com problema, se este não tiver sido consumido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bacalhau deve ficar longe de área refrigerada

Adriana Ferraz
Especial para o Diário

21/03/2006 | 08:02


Durante os dias que antecedem o feriado, o bacalhau recebe mais atenção por parte dos comerciantes e consumidores. Segundo Renata Molina, técnica do Procon de São Paulo, a primeira dica está relacionada à exposição do peixe nos estabelecimentos. O bacalhau é um produto seco. O peixe não pode estar localizado em área refrigerada para não sofrer umidade. Caso isso aconteça, trará, na carne, manchas escuras como sinal de bolor.

As condições de higiene dos funcionários que manipulam alimentos também é importante. “Eles devem usar roupas e luvas apropriadas e muito bem limpas”, diz Molina. Na hora de escolher a peça de bacalhau, o consumidor ainda precisa observar se não há insetos próximos ao produto.

Em casa, na hora de guardar o peixe, o consumidor também precisa prestar atenção para evitar perdas. A primeira regra é lembrar que bacalhau e geladeira não combinam. Separe, assim, um recipiente adequado para o produto.

Preços – Quem pretende comer bacalhau nos dias de Páscoa deve preparar o bolso. Nessa época, a variedade de preços é enorme. A dica é pesquisar, sempre. Para não levar gato por lebre, o consumidor leigo deve ficar atento também ao tipo de bacalhau que está comprando. Segundo Renata Molina, há vários tipos de peixes à disposição no mercado. “Os mais caros encontrados no Brasil são provenientes, normalmente, de regiões do Pacífico ou do Porto. A diferença está na espessura e qualidade da carne. Quando mais larga a posta do bacalhau, mais alto seu preço”, declara.

Além de pesquisar valores, é bom não deixar para comprar na última hora. O velho costume dos brasileiros nesse caso pode resultar em prejuízo e arrependimento. Como tem longa vida útil, o bacalhau pode ser adquirido com mais de 15 dias de antecedência e, o que é melhor, a preços mais baixos.

Mas se a intenção é economizar sem perder qualidade e sabor, diversas outras opções de peixes e frutos do mar são colocadas à disposição do consumidor nesta época do ano. Segundo a encarregada do serviço de inspeção municipal de alimentos da Vigilância Sanitária de Santo André, Edna Correa Clares, em caso de peixes congelados a temperatura deve estar em -12°C. Para produtos frescos, os cuidados incluem, além da temperatura, outras dicas básicas. “O consumidor precisa conferir o estado geral do peixe, ou seja, ver, por exemplo, se a pele está brilhante, a carne firme e o cheiro apropriado”, afirma.

 Páscoa saudável

Exposição
-
Antes de efetuar a compra, lembre-se que o bacalhau, como qualquer outro alimento, deve estar exposto sob observação das devidas normas de higiene. Verifique se o balcão está limpo e se os funcionários que o manipulam trabalham com luvas e roupas apropriadas.

- Como se trata de um peixe seco, o bacalhau não pode apresentar sinais de umidade. Confira, então, se o produto não apresenta manchas escuras na carne, localizada na parte interna do peixe.

- Certifique-se também que não há presença de fungos, larvas ou outros sinais de bolor espalhados pela carne do bacalhau. Garanta, ainda, que o peixe não esteja exposto em área refrigerada.

Manutenção

- O bacalhau pode ser comprado com bastante antecedência: cerca de quinze dias antes da sua utilização. Mas para que o consumo não seja prejudicado, garanta que o peixe esteja protegido contra insetos e não sofra refrigeração.

- Para evitar o aparecimento de fungos, não guarde o bacalhau em embalagens fechadas. Lembre-se que mesmo o peixe salgado precisa respirar.

Preço

- Pesquisar é imprescindível antes de comprar o produto. No caso do bacalhau, confira preços em pelo menos três estabelecimentos, já que a variação é muito grande.

- Não deixe para adquirir o produto de véspera. Em época de Páscoa, quando a procura é muito grande, o consumidor deve ser rápido, já que a tendência é que quando mais tarde resolver efetuar a compra, mais caro encontrará o peixe.

- As diferenças de preço normalmente estão relacionadas à região produtora. Peixes do Porto ou do Pacífico são mais caros, mas apresentam postas mais altas e largas. Em caso de dúvida, questione a origem do peixe.

Opções

- Para quem faz questão de seguir a tradição de comer peixe na Semana Santa, mas prefere escolher outra opção, é preciso lembrar que as normas para peixes refrigerados são completamente diferentes. Verifique detalhes básicos como pele brilhante, carne firme (faça uma leve pressão com o dedo), cheiro próprio e cor (deve ser branca ou rosada).

- A refrigeração também é importante. Peixes congelados devem estar na temperatura de -12°C e, frescos, a 4°C. Se possível, compre peixes inteiros.

Reclamações

- Caso se sinta prejudicado, o consumidor deve, como em qualquer outra situação, buscar ajuda junto ao Procon. Para prestar reclamação formal no posto de atendimento, deve-se mostrar a nota fiscal de compra do produto. Neste tipo de queixa, o consumidor, normalmente terá de apresentar também o alimento com problema, se este não tiver sido consumido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;