Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Cirurgia plástica e o direito à informação


Sandra Franco

10/06/2011 | 07:18


O Conselho Federal de Medicina demonstra sua preocupação quanto aos constantes incidentes ocorridos na cirurgia plástica. Identificaram-se os principais motivos de reclamações: descontentamento com o resultado e ausência de informações objetivas e completas ao paciente. A intersecção desses motivos justifica o crescente número de processos em todas as esferas. Por não ser esclarecido adequadamente, o paciente apresenta expectativa distinta da que poderá ser alcançada pelo cirurgião. Ou, pelo desconhecimento dos riscos cirúrgicos do procedimento, pacientes não decidem de forma consciente, de forma que complicação surpreenderá o paciente e sua família.

Segundo a Resolução CFM 1.621/2001, a cirurgia plástica estética e a reparadora formam especialidade única, indivisível e deveria ser considerada sempre obrigação de meios. Porém, o Poder Judiciário trata a especialidade segundo a finalidade de sua execução. Assim, cirurgia plástica estética é considerada in totum, obrigação de resultado. O cirurgião-plástico deverá esclarecer ao paciente o diagnóstico, opções terapêuticas, possíveis resultados, riscos cirúrgicos, cuidados do pós-operatório, tempo de recuperação, e em especial a influência das características de cada indivíduo quanto à resposta biológica ao procedimento. Sem informações, o paciente não exercerá plenamente seu direito de decidir. O cirurgião plástico assumirá o risco de sobrevir complicação e será responsabilizado por sua negligência e imprudência, ainda que não tenha dado origem ao dano.

A Câmara Técnica de Cirurgia Plástica do CFM, com apoio da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, determinou aos cirurgiões plásticos a adoção do documento Normas Informativas e Compartilhadas em Cirurgia Plástica, que aborda todas as fases dos procedimentos: ambulatorial, pré-cirúrgica e hospitalar.

A iniciativa visa aprimorar a relação médico e paciente, garantindo aos profissionais instrumento uniformizado. Pretende-se que a leitura atenta das informações, com a aposição das assinaturas do médico e do paciente, signifique que ambos são responsáveis. O paciente deixa de ser sujeito passivo e assume obrigações desde a escolha terapêutica até eventual acidente que resulte do procedimento - inclusive, a morte. É de extrema importância a adoção das 'normas': o paciente informado é paciente consciente e cooperativo.

 

Sandra Franco é especialista em Direito Médico e da Saúde, membro da OAB/SP e presidente da Academia Brasileira de Direito Médico e da Saúde.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cirurgia plástica e o direito à informação

Sandra Franco

10/06/2011 | 07:18


O Conselho Federal de Medicina demonstra sua preocupação quanto aos constantes incidentes ocorridos na cirurgia plástica. Identificaram-se os principais motivos de reclamações: descontentamento com o resultado e ausência de informações objetivas e completas ao paciente. A intersecção desses motivos justifica o crescente número de processos em todas as esferas. Por não ser esclarecido adequadamente, o paciente apresenta expectativa distinta da que poderá ser alcançada pelo cirurgião. Ou, pelo desconhecimento dos riscos cirúrgicos do procedimento, pacientes não decidem de forma consciente, de forma que complicação surpreenderá o paciente e sua família.

Segundo a Resolução CFM 1.621/2001, a cirurgia plástica estética e a reparadora formam especialidade única, indivisível e deveria ser considerada sempre obrigação de meios. Porém, o Poder Judiciário trata a especialidade segundo a finalidade de sua execução. Assim, cirurgia plástica estética é considerada in totum, obrigação de resultado. O cirurgião-plástico deverá esclarecer ao paciente o diagnóstico, opções terapêuticas, possíveis resultados, riscos cirúrgicos, cuidados do pós-operatório, tempo de recuperação, e em especial a influência das características de cada indivíduo quanto à resposta biológica ao procedimento. Sem informações, o paciente não exercerá plenamente seu direito de decidir. O cirurgião plástico assumirá o risco de sobrevir complicação e será responsabilizado por sua negligência e imprudência, ainda que não tenha dado origem ao dano.

A Câmara Técnica de Cirurgia Plástica do CFM, com apoio da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, determinou aos cirurgiões plásticos a adoção do documento Normas Informativas e Compartilhadas em Cirurgia Plástica, que aborda todas as fases dos procedimentos: ambulatorial, pré-cirúrgica e hospitalar.

A iniciativa visa aprimorar a relação médico e paciente, garantindo aos profissionais instrumento uniformizado. Pretende-se que a leitura atenta das informações, com a aposição das assinaturas do médico e do paciente, signifique que ambos são responsáveis. O paciente deixa de ser sujeito passivo e assume obrigações desde a escolha terapêutica até eventual acidente que resulte do procedimento - inclusive, a morte. É de extrema importância a adoção das 'normas': o paciente informado é paciente consciente e cooperativo.

 

Sandra Franco é especialista em Direito Médico e da Saúde, membro da OAB/SP e presidente da Academia Brasileira de Direito Médico e da Saúde.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;