Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mercado dará lugar ao Museu do Trabalho e do Trabalhador


Renato Castroneves
Do Diário do Grande ABC

22/06/2010 | 07:03


No comando de uma máquina retroescavadeira, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, iniciou ontem de manhã a demolição do prédio onde funcionava o antigo Mercado Municipal, fechado desde 2004. Após derrubar uma parede e quase furar a calçada quatro vezes, Marinho afirmou que o local irá abrigar a sede do Museu do Trabalho e do Trabalhador.

Segundo o prefeito, a iniciativa faz parte do Plano de Valorização do Centro de São Bernardo. "Nossa cidade é rica na relação do mundo do trabalho. Além de refletir bem a história do município, a obra possui intenção turística", disse.

Sem dar detalhes sobre custos e prazos, o chefe do Executivo afirmou que projeto completo do Museu do Trabalhador será apresentado nos próximos 40 dias. "Não temos no Brasil um museu do trabalho e do trabalhador como o que será construído aqui", falou.

A Prefeitura ainda negocia a compra do imóvel - avaliado em cerca de R$ 14,6 milhões - junto ao Fuprem (Fundo de Previdência Municipal). O local foi repassado ao fundo como pagamento de dívidas.

As sedes do Conselho Tutelar, da Cooperativa dos Servidores de São Bernardo e do Rotativo São Bernardo também serão removidas para a construção do museu. Questionado sobre os possíveis destinos, Marinho limitou-se a dizer que "ainda está em estudo". A destruição completa do mercado deve durar um mês.

Inaugurado em 1958 pelo ex-prefeito Aldino Pinotti, a demolição do Mercado Municipal dividiu opiniões.

O aposentado Sebastião Corrêa, 70, que mora próximo ao prédio há 40 anos, lamentou o fim. "Se ainda estivesse funcionando não iria fazer compras em outro lugar. O mercado era muito bom, pena que vai ficar tudo no chão."

Moradora do bairro Baeta Neves, a secretária Cleusa Ramos, 37, comemorou o fim do "reduto de drogados, prostitutas e trombadinhas". "Este prédio virou um verdadeiro lixo. Tinha medo de passar por perto à noite por causa de tanta gente que morava ali dentro e se escondia para assaltar."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mercado dará lugar ao Museu do Trabalho e do Trabalhador

Renato Castroneves
Do Diário do Grande ABC

22/06/2010 | 07:03


No comando de uma máquina retroescavadeira, o prefeito de São Bernardo, Luiz Marinho, iniciou ontem de manhã a demolição do prédio onde funcionava o antigo Mercado Municipal, fechado desde 2004. Após derrubar uma parede e quase furar a calçada quatro vezes, Marinho afirmou que o local irá abrigar a sede do Museu do Trabalho e do Trabalhador.

Segundo o prefeito, a iniciativa faz parte do Plano de Valorização do Centro de São Bernardo. "Nossa cidade é rica na relação do mundo do trabalho. Além de refletir bem a história do município, a obra possui intenção turística", disse.

Sem dar detalhes sobre custos e prazos, o chefe do Executivo afirmou que projeto completo do Museu do Trabalhador será apresentado nos próximos 40 dias. "Não temos no Brasil um museu do trabalho e do trabalhador como o que será construído aqui", falou.

A Prefeitura ainda negocia a compra do imóvel - avaliado em cerca de R$ 14,6 milhões - junto ao Fuprem (Fundo de Previdência Municipal). O local foi repassado ao fundo como pagamento de dívidas.

As sedes do Conselho Tutelar, da Cooperativa dos Servidores de São Bernardo e do Rotativo São Bernardo também serão removidas para a construção do museu. Questionado sobre os possíveis destinos, Marinho limitou-se a dizer que "ainda está em estudo". A destruição completa do mercado deve durar um mês.

Inaugurado em 1958 pelo ex-prefeito Aldino Pinotti, a demolição do Mercado Municipal dividiu opiniões.

O aposentado Sebastião Corrêa, 70, que mora próximo ao prédio há 40 anos, lamentou o fim. "Se ainda estivesse funcionando não iria fazer compras em outro lugar. O mercado era muito bom, pena que vai ficar tudo no chão."

Moradora do bairro Baeta Neves, a secretária Cleusa Ramos, 37, comemorou o fim do "reduto de drogados, prostitutas e trombadinhas". "Este prédio virou um verdadeiro lixo. Tinha medo de passar por perto à noite por causa de tanta gente que morava ali dentro e se escondia para assaltar."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;