Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

dmais@dgabc.com.br | 4435-8396

Este som já está na terceira idade


Juliana Ravelli
Do Diário do Grande ABC

10/07/2011 | 07:00


A história é tão longa e rica que fica difícil resumi-la. Sabe-se que as sementes do som que viraria o rock n' roll já existiam nas décadas de 1930 e 1940, nos Estados Unidos. No entanto, surgiu de fato nos anos 1950. É um caldeirão de estilos - country, jazz, blues, R&B e gospel - que resultaram numa sonoridade única.

Tem grande diversidade de artistas e ramificações. As letras falam de mundos fantásticos, fome, guerra, preconceito, injustiça e até demônios. Aliás, muitos roqueiros são chamados de satânicos. Apesar das polêmicas, incluindo as drogas, é preciso concordar: sempre soubeu falar de amor como poucos. Os megashows nasceram com o rock, reunindo milhares de seguidores num único espaço. Influenciou e abriu as portas para o pop.

No Brasil, chegou aos poucos. Tony Campello e a irmã Celly (famosa pela canção Banho de Lua) foram alguns dos precursores. Logo depois veio a Jovem Guarda, da qual o eterno roqueiro Erasmo Carlos e Roberto Carlos faziam parte. Nos anos 1960 surgiram Mutantes e Raul Seixas. Na época, a MPB era a queridinha, tanto que em 1967, rolou manifestação contra a invasão da guitarra elétrica. O estouro do rock brazuca ocorreu na década de 1980 com Titãs, Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso e Legião Urbana.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Este som já está na terceira idade

Juliana Ravelli
Do Diário do Grande ABC

10/07/2011 | 07:00


A história é tão longa e rica que fica difícil resumi-la. Sabe-se que as sementes do som que viraria o rock n' roll já existiam nas décadas de 1930 e 1940, nos Estados Unidos. No entanto, surgiu de fato nos anos 1950. É um caldeirão de estilos - country, jazz, blues, R&B e gospel - que resultaram numa sonoridade única.

Tem grande diversidade de artistas e ramificações. As letras falam de mundos fantásticos, fome, guerra, preconceito, injustiça e até demônios. Aliás, muitos roqueiros são chamados de satânicos. Apesar das polêmicas, incluindo as drogas, é preciso concordar: sempre soubeu falar de amor como poucos. Os megashows nasceram com o rock, reunindo milhares de seguidores num único espaço. Influenciou e abriu as portas para o pop.

No Brasil, chegou aos poucos. Tony Campello e a irmã Celly (famosa pela canção Banho de Lua) foram alguns dos precursores. Logo depois veio a Jovem Guarda, da qual o eterno roqueiro Erasmo Carlos e Roberto Carlos faziam parte. Nos anos 1960 surgiram Mutantes e Raul Seixas. Na época, a MPB era a queridinha, tanto que em 1967, rolou manifestação contra a invasão da guitarra elétrica. O estouro do rock brazuca ocorreu na década de 1980 com Titãs, Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso e Legião Urbana.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;