Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Combate à corrupção



19/08/2006 | 03:45


O candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB), da Coligação Por um Brasil Decente (PSDB-PFL), discuti ontem com o presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), um conjunto de propostas de combate à corrupção e à violência que farão parte do programa de governo. Para o combate à corrupção, Alckmin anuncia na quarta-feira um pacote de propostas legislativas e administrativas.

O presidenciável disse que se tratam de medidas relacionados à execução do Orçamento do governo e que, entre elas, estão a extinção da Comissão Mista de Orçamento e uma redução drástica do número de emendas de parlamentares que hoje são apresentadas à proposta orçamentária. Foram essas emendas que permitiram a liberação de recursos usados por prefeitos de dezenas de cidades para comprar, a preços superfaturados, ambulâncias vendidas pelas empresas dos sócios Darci Vedoin e Luiz Antônio Vedoin, apontados como líderes de um esquema fraudulento que teria beneficiado deputados, senadores, assessores deles e ex-ministros.

Ao falar dos projetos para combater a inflação, Alckmin afirmou que terão de ser adotados pela administração federal e mencionou três: fiscalização eficaz das fronteiras e combate ao contrabando de armas e à lavagem de dinheiro.

Do gabinete de Jereissati, o candidato embarcou rumo a Palmas, onde teria encontros com líderes locais dos partidos. Alckmin tentará superar as divergências entre as duas legendas: o PSDB tem candidato próprio para o estado do Tocantins, que é o ex-governador Siqueira Campos, e o PFL apóia a reeleição do governador Marcelo Miranda (PMDB), da Coligação Aliança da Vitória (PMDB-PPS-PFL).

Imagem – Tasso Jereissati vai exigir a vinculação do nome do tucano Geraldo Alckmin nas campanhas estaduais dos candidatos de seu partido, que continuam sem mencionar o nome do presidenciável na propaganda eleitoral gratuito exibida na televisão. “Isso é um desleixo das campanhas estaduais. Vamos fazer uma interferência direta e dura nos diretórios estaduais”, afirmou o senador, ressaltando, porém, que muitos parlamentares já estão pedindo votos para Alckmin.

Com o objetivo de eliminar esses problemas e impulsionar a campanha, os coordenadores e dirigentes partidários vão passar a próxima semana em seus Estados. Apesar do esforço para agregar votos e levar a disputa ao segundo turno, Tasso Jereissati preferiu minimizar as brigas internas entre PSDB e PFL sobre a condução da campanha.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Combate à corrupção


19/08/2006 | 03:45


O candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB), da Coligação Por um Brasil Decente (PSDB-PFL), discuti ontem com o presidente nacional do PSDB, senador Tasso Jereissati (CE), um conjunto de propostas de combate à corrupção e à violência que farão parte do programa de governo. Para o combate à corrupção, Alckmin anuncia na quarta-feira um pacote de propostas legislativas e administrativas.

O presidenciável disse que se tratam de medidas relacionados à execução do Orçamento do governo e que, entre elas, estão a extinção da Comissão Mista de Orçamento e uma redução drástica do número de emendas de parlamentares que hoje são apresentadas à proposta orçamentária. Foram essas emendas que permitiram a liberação de recursos usados por prefeitos de dezenas de cidades para comprar, a preços superfaturados, ambulâncias vendidas pelas empresas dos sócios Darci Vedoin e Luiz Antônio Vedoin, apontados como líderes de um esquema fraudulento que teria beneficiado deputados, senadores, assessores deles e ex-ministros.

Ao falar dos projetos para combater a inflação, Alckmin afirmou que terão de ser adotados pela administração federal e mencionou três: fiscalização eficaz das fronteiras e combate ao contrabando de armas e à lavagem de dinheiro.

Do gabinete de Jereissati, o candidato embarcou rumo a Palmas, onde teria encontros com líderes locais dos partidos. Alckmin tentará superar as divergências entre as duas legendas: o PSDB tem candidato próprio para o estado do Tocantins, que é o ex-governador Siqueira Campos, e o PFL apóia a reeleição do governador Marcelo Miranda (PMDB), da Coligação Aliança da Vitória (PMDB-PPS-PFL).

Imagem – Tasso Jereissati vai exigir a vinculação do nome do tucano Geraldo Alckmin nas campanhas estaduais dos candidatos de seu partido, que continuam sem mencionar o nome do presidenciável na propaganda eleitoral gratuito exibida na televisão. “Isso é um desleixo das campanhas estaduais. Vamos fazer uma interferência direta e dura nos diretórios estaduais”, afirmou o senador, ressaltando, porém, que muitos parlamentares já estão pedindo votos para Alckmin.

Com o objetivo de eliminar esses problemas e impulsionar a campanha, os coordenadores e dirigentes partidários vão passar a próxima semana em seus Estados. Apesar do esforço para agregar votos e levar a disputa ao segundo turno, Tasso Jereissati preferiu minimizar as brigas internas entre PSDB e PFL sobre a condução da campanha.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;