Fechar
Publicidade

Sábado, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Produtor cultural veterano atua em novela na Record


Alexandre Coelho
Da TV Press

21/03/2006 | 08:46


Ator, produtor, compositor de marchinhas de Carnaval. Talvez a expressão que melhor defina Perfeito Fortuna seja agitador cultural. Com mais de 30 anos de profissão, pela primeira vez o ator aceitou participar de uma novela. Convidado pela produção de Prova de Amor, da Record, ele topou dar vida ao bandido Miro. Curiosamente, Fortuna havia sido sondado pela equipe de Bang Bang, da Globo. Quis o destino, porém, que o convite da Globo não se concretizasse e ele acabasse na trama rival. "Eu falei que nunca havia feito televisão, que não servia para esse negócio. Depois, não sei o que aconteceu, eles não me falaram mais nada", afirma.

A hesitação de Fortuna em fazer televisão tem explicação. Sua carreira sempre esteve ligada ao teatro e à produção de shows. Na metade de década de 1970, integrou a trupe do Asdrúbal Trouxe o Trombone, que revelou artistas como Luiz Fernando Guimarães, Regina Casé, Evandro Mesquita e Patrycia Travassos. Com a dissolução do grupo teatral, em 1982, Fortuna idealizou o Circo Voador, um dos mais importantes espaços culturais do Rio, e, mais tarde, consolidou a Fundição Progresso, outro centro cultural, que comanda até hoje.

PERGUNTA: Por que só agora você faz a primeira novela?
PERFEITO FORTUNA: Minha carreira não foi para esse lado, foi para o lado da produção de shows. Não dava para eu fazer mais nada. Até que a Record me convidou, e eu aceitei, fazer um bandido que ficaria só dois dias na trama. Mas tinha uma passagem em que ele falava: "Eu sou da cúpula!". E eu fiz um gesto com a mão sobre a cabeça. No dia seguinte, todos brincaram: "Olha o cara da cúpula!". Aí pegou. E o autor, Tiago Santiago, perguntou se poderia escrever mais para o personagem e eu topei. Achei que seria um bicho de sete cabeças, mas não foi.

PERGUNTA: Já está à vontade?
FORTUNA: A televisão não é meu ambiente. Estou lá só tirando uma onda. Mas estou gostando. E o pessoal lá gostou de mim, os técnicos vão assistir quando eu estou gravando. Eu acho que faço diferente do que eles estão acostumados, com um tom de voz mais alto. Como não tenho um compromisso com aquele tipo de atuação, faço do meu jeito. E como o personagem é um bandido, tudo bem. O bandido, assim como o maluco, pode tudo.

PERGUNTA: Você pensou nesse tom para o personagem desde o início?
FORTUNA: Não. A chave do negócio foi a palavra cúpula. Quando eu falei: "Eu sou da cúpula!", aí baixou o personagem. Aí deu sentido às palavras. E o autor, Tiago Santiago, também sentiu isso. Por isso que eu digo que há uma comunicação boa lá. Depois, ele já incluiu no texto uma fala do personagem dizendo que é presidente das favelas. E o personagem pode também puxar toda uma discussão em torno desse assunto, da relação da polícia com os bandidos, do poder paralelo e dessa guerra que não interessa a ninguém que acabe. É um assunto muito atual.

PERGUNTA: Dá para conciliar o tempo do produtor com o de ator de TV?
FORTUNA: Com essa história de gravar apenas uma vez por semana, está tranqüilo. Eles me ligam no sábado, por exemplo, e avisam que eu tenho gravação na quarta-feira. É tranqüilo, eu já me preparo para isso. Até porque, quem faz o meu horário aqui na Fundição Progresso sou eu. Também aqui eu sou da cúpula. Mas é uma cúpula que eu construí, ninguém me deu isso aqui. Eu inventei esse negócio.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Produtor cultural veterano atua em novela na Record

Alexandre Coelho
Da TV Press

21/03/2006 | 08:46


Ator, produtor, compositor de marchinhas de Carnaval. Talvez a expressão que melhor defina Perfeito Fortuna seja agitador cultural. Com mais de 30 anos de profissão, pela primeira vez o ator aceitou participar de uma novela. Convidado pela produção de Prova de Amor, da Record, ele topou dar vida ao bandido Miro. Curiosamente, Fortuna havia sido sondado pela equipe de Bang Bang, da Globo. Quis o destino, porém, que o convite da Globo não se concretizasse e ele acabasse na trama rival. "Eu falei que nunca havia feito televisão, que não servia para esse negócio. Depois, não sei o que aconteceu, eles não me falaram mais nada", afirma.

A hesitação de Fortuna em fazer televisão tem explicação. Sua carreira sempre esteve ligada ao teatro e à produção de shows. Na metade de década de 1970, integrou a trupe do Asdrúbal Trouxe o Trombone, que revelou artistas como Luiz Fernando Guimarães, Regina Casé, Evandro Mesquita e Patrycia Travassos. Com a dissolução do grupo teatral, em 1982, Fortuna idealizou o Circo Voador, um dos mais importantes espaços culturais do Rio, e, mais tarde, consolidou a Fundição Progresso, outro centro cultural, que comanda até hoje.

PERGUNTA: Por que só agora você faz a primeira novela?
PERFEITO FORTUNA: Minha carreira não foi para esse lado, foi para o lado da produção de shows. Não dava para eu fazer mais nada. Até que a Record me convidou, e eu aceitei, fazer um bandido que ficaria só dois dias na trama. Mas tinha uma passagem em que ele falava: "Eu sou da cúpula!". E eu fiz um gesto com a mão sobre a cabeça. No dia seguinte, todos brincaram: "Olha o cara da cúpula!". Aí pegou. E o autor, Tiago Santiago, perguntou se poderia escrever mais para o personagem e eu topei. Achei que seria um bicho de sete cabeças, mas não foi.

PERGUNTA: Já está à vontade?
FORTUNA: A televisão não é meu ambiente. Estou lá só tirando uma onda. Mas estou gostando. E o pessoal lá gostou de mim, os técnicos vão assistir quando eu estou gravando. Eu acho que faço diferente do que eles estão acostumados, com um tom de voz mais alto. Como não tenho um compromisso com aquele tipo de atuação, faço do meu jeito. E como o personagem é um bandido, tudo bem. O bandido, assim como o maluco, pode tudo.

PERGUNTA: Você pensou nesse tom para o personagem desde o início?
FORTUNA: Não. A chave do negócio foi a palavra cúpula. Quando eu falei: "Eu sou da cúpula!", aí baixou o personagem. Aí deu sentido às palavras. E o autor, Tiago Santiago, também sentiu isso. Por isso que eu digo que há uma comunicação boa lá. Depois, ele já incluiu no texto uma fala do personagem dizendo que é presidente das favelas. E o personagem pode também puxar toda uma discussão em torno desse assunto, da relação da polícia com os bandidos, do poder paralelo e dessa guerra que não interessa a ninguém que acabe. É um assunto muito atual.

PERGUNTA: Dá para conciliar o tempo do produtor com o de ator de TV?
FORTUNA: Com essa história de gravar apenas uma vez por semana, está tranqüilo. Eles me ligam no sábado, por exemplo, e avisam que eu tenho gravação na quarta-feira. É tranqüilo, eu já me preparo para isso. Até porque, quem faz o meu horário aqui na Fundição Progresso sou eu. Também aqui eu sou da cúpula. Mas é uma cúpula que eu construí, ninguém me deu isso aqui. Eu inventei esse negócio.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;