Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Renda familiar na
região ganha força


Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

13/02/2011 | 07:01


Muitas pessoas que sofriam para liquidar as contas básicas para a sobrevivência melhoraram de vida. Isso porque o poder da renda dos domicílios na região está em constante ascensão.

Em agosto de 2009, 12,7% das famílias afirmavam que o dinheiro que ganhavam mensalmente nunca era suficiente para a cobertura das despesas do lar. Esse cenário foi revertido para 7,7% dos domicílios no ano passado.

Considerando apenas Santo André, São Bernardo e São Caetano, o percentual de famílias que afirmavam nunca conseguirem pagar as contas com a renda mensal passou de 11,1%, em 2009, para 6,1% em 2010.

Ampliando a comparação até o início do governo Lula, em 2003, o salto é ainda maior, já que 20,3% das famílias diziam estar em crise orçamentária na época.

Os dados fazem parte da última pesquisa socioeconômica da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), referentes a agosto de 2010. A margem de erro é de três pontos percentuais.

De acordo com o coordenador do instituto de pesquisa da USCS, Leandro Prearo, entre as explicações para a ascensão da renda desses moradores está o aumento real do salário-mínimo. "Também o maior acesso ao emprego e, principalmente, o acesso ao crédito", afirma.

Ele destaca que a utilização do crédito remete a mais gastos às famílias. Porém as instituições financeiras e o comércio vêm reduzindo tanto o valor das parcelas, prolongando os financiamentos, quanto os juros. E o resultado é o consumo com prestações que cabem no orçamento das famílias.

SATISFAÇÃO - A pesquisa aponta que, nas sete cidades, 34,5% da população está satisfeita com seu faturamento mensal. Outros 33,8% dizem que a renda é suficiente na maioria das vezes para dar conta das despesas básicas.

Quase um terço das famílias alega que a situação está complicada, pois não conseguem, com suas rendas, pagar as contas de casa.

"E quanto menor a classe de consumo das famílias, maior é a percepção de que a renda não é suficiente", diz Prearo. O faturamento dá conta dos gastos de 51,5% da população enquadrada na classe A. Por outro lado, apenas 24,4% das famílias da classe D e E estão totalmente satisfeitas com o montante que ganham.

 

Inflação pesa mais no bolso de quem ganha menos

O coordenador do instituto de pesquisas da USCS, Leandro Prearo, lembrou que a população de menor renda, normalmente das classes D e E, tem sofrido mais com a inflação. E a explicação é a alta nos alimentos, que atinge em cheio esses consumidores.

Como os gastos para comer são considerados básicos, eles levam maior parte do orçamento de quem ganha menos. E a pesquisa socioeconômica da USCS prova isso. Enquanto a classe A da região gasta, em média, 10,5% da renda com alimentação - cerca de R$ 693 -, as classes D e E dependem de 27% do orçamento para esse fim, cujo valor médio é de R$ 241.

Para habitação, como contas de luz e água, as classes D e E gastam cerca de 20,5% do orçamento. A classe A beira os 9% da renda.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Renda familiar na
região ganha força

Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

13/02/2011 | 07:01


Muitas pessoas que sofriam para liquidar as contas básicas para a sobrevivência melhoraram de vida. Isso porque o poder da renda dos domicílios na região está em constante ascensão.

Em agosto de 2009, 12,7% das famílias afirmavam que o dinheiro que ganhavam mensalmente nunca era suficiente para a cobertura das despesas do lar. Esse cenário foi revertido para 7,7% dos domicílios no ano passado.

Considerando apenas Santo André, São Bernardo e São Caetano, o percentual de famílias que afirmavam nunca conseguirem pagar as contas com a renda mensal passou de 11,1%, em 2009, para 6,1% em 2010.

Ampliando a comparação até o início do governo Lula, em 2003, o salto é ainda maior, já que 20,3% das famílias diziam estar em crise orçamentária na época.

Os dados fazem parte da última pesquisa socioeconômica da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), referentes a agosto de 2010. A margem de erro é de três pontos percentuais.

De acordo com o coordenador do instituto de pesquisa da USCS, Leandro Prearo, entre as explicações para a ascensão da renda desses moradores está o aumento real do salário-mínimo. "Também o maior acesso ao emprego e, principalmente, o acesso ao crédito", afirma.

Ele destaca que a utilização do crédito remete a mais gastos às famílias. Porém as instituições financeiras e o comércio vêm reduzindo tanto o valor das parcelas, prolongando os financiamentos, quanto os juros. E o resultado é o consumo com prestações que cabem no orçamento das famílias.

SATISFAÇÃO - A pesquisa aponta que, nas sete cidades, 34,5% da população está satisfeita com seu faturamento mensal. Outros 33,8% dizem que a renda é suficiente na maioria das vezes para dar conta das despesas básicas.

Quase um terço das famílias alega que a situação está complicada, pois não conseguem, com suas rendas, pagar as contas de casa.

"E quanto menor a classe de consumo das famílias, maior é a percepção de que a renda não é suficiente", diz Prearo. O faturamento dá conta dos gastos de 51,5% da população enquadrada na classe A. Por outro lado, apenas 24,4% das famílias da classe D e E estão totalmente satisfeitas com o montante que ganham.

 

Inflação pesa mais no bolso de quem ganha menos

O coordenador do instituto de pesquisas da USCS, Leandro Prearo, lembrou que a população de menor renda, normalmente das classes D e E, tem sofrido mais com a inflação. E a explicação é a alta nos alimentos, que atinge em cheio esses consumidores.

Como os gastos para comer são considerados básicos, eles levam maior parte do orçamento de quem ganha menos. E a pesquisa socioeconômica da USCS prova isso. Enquanto a classe A da região gasta, em média, 10,5% da renda com alimentação - cerca de R$ 693 -, as classes D e E dependem de 27% do orçamento para esse fim, cujo valor médio é de R$ 241.

Para habitação, como contas de luz e água, as classes D e E gastam cerca de 20,5% do orçamento. A classe A beira os 9% da renda.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;