Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 15 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Disputa comercial entre EUA e China pode afetar demanda por petróleo, alerta AIE



13/04/2018 | 05:51


O robusto apetite global por petróleo pode ser significativamente afetado pela crescente disputa comercial entre EUA e China, alertou a Agência Internacional de Energia (AIE).

Em relatório mensal divulgado hoje, a AIE continua prevendo que a demanda mundial por petróleo crescerá 1,5 milhão de barris por dia (bpd) este ano, mas fez a ressalva de que as desavenças comerciais entre americanos e chineses são um "risco de baixa" para a projeção.

No documento, a AIE avalia que, se EUA e China forem adiante com ameaças de tarifar produtos um do outro, a economia global sofrerá, com "fortes consequências para a demanda por petróleo".

A AIE estima que uma eventual redução de 1% no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial diminuiria o avanço na demanda por petróleo em cerca de 690 mil bpd.

A AIE, entidade com sede em Paris que presta consultoria a governos e empresas sobre tendências no setor de energia, prevê que a demanda mundial por petróleo alcançará 99,3 milhões de bpd em 2018 e ajudará a manter o mercado equilibrado, ao compensar parcialmente a forte expansão na produção de óleo de xisto nos EUA.

Segundo a AIE, a oferta global de petróleo caiu 120 mil bpd em março, a 97,8 milhões de bpd, graças principalmente a esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de dez nações que não pertencem ao grupo - incluindo a Rússia - de restringir sua produção combinada.

Desde o começo de 2017, a Opep e parceiros vêm buscando reduzir sua oferta de petróleo em cerca de 1,8 milhão de bpd, num acordo que ficará em vigor até pelo menos o fim deste ano.

O pacto liderado pela Opep ajudou a impulsionar as cotações do petróleo em mais de 50% no segundo semestre de 2017. Mais recentemente, os preços também foram favorecidos por riscos geopolíticos à oferta, em especial no Oriente Médio, chegando a alcançar os maiores níveis em três anos nesta semana.

A AIE também informou que os estoques comerciais de petróleo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) caíram 25,6 milhões de barris em fevereiro, a 2,841 bilhões de barris, o menor patamar desde abril de 2015. Como resultado, os estoques da OCDE ficaram apenas 30 milhões de barris acima da meta da Opep de atingir a média dos últimos cinco anos. Fonte: Dow Jones Newswires.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Disputa comercial entre EUA e China pode afetar demanda por petróleo, alerta AIE


13/04/2018 | 05:51


O robusto apetite global por petróleo pode ser significativamente afetado pela crescente disputa comercial entre EUA e China, alertou a Agência Internacional de Energia (AIE).

Em relatório mensal divulgado hoje, a AIE continua prevendo que a demanda mundial por petróleo crescerá 1,5 milhão de barris por dia (bpd) este ano, mas fez a ressalva de que as desavenças comerciais entre americanos e chineses são um "risco de baixa" para a projeção.

No documento, a AIE avalia que, se EUA e China forem adiante com ameaças de tarifar produtos um do outro, a economia global sofrerá, com "fortes consequências para a demanda por petróleo".

A AIE estima que uma eventual redução de 1% no crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) mundial diminuiria o avanço na demanda por petróleo em cerca de 690 mil bpd.

A AIE, entidade com sede em Paris que presta consultoria a governos e empresas sobre tendências no setor de energia, prevê que a demanda mundial por petróleo alcançará 99,3 milhões de bpd em 2018 e ajudará a manter o mercado equilibrado, ao compensar parcialmente a forte expansão na produção de óleo de xisto nos EUA.

Segundo a AIE, a oferta global de petróleo caiu 120 mil bpd em março, a 97,8 milhões de bpd, graças principalmente a esforços da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e de dez nações que não pertencem ao grupo - incluindo a Rússia - de restringir sua produção combinada.

Desde o começo de 2017, a Opep e parceiros vêm buscando reduzir sua oferta de petróleo em cerca de 1,8 milhão de bpd, num acordo que ficará em vigor até pelo menos o fim deste ano.

O pacto liderado pela Opep ajudou a impulsionar as cotações do petróleo em mais de 50% no segundo semestre de 2017. Mais recentemente, os preços também foram favorecidos por riscos geopolíticos à oferta, em especial no Oriente Médio, chegando a alcançar os maiores níveis em três anos nesta semana.

A AIE também informou que os estoques comerciais de petróleo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) caíram 25,6 milhões de barris em fevereiro, a 2,841 bilhões de barris, o menor patamar desde abril de 2015. Como resultado, os estoques da OCDE ficaram apenas 30 milhões de barris acima da meta da Opep de atingir a média dos últimos cinco anos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;