Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Brincadeira que virou coisa séria

Dérek Bittencourt/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ajudante na Scuderia 111, Rogério Nardis dos Santos, 18 anos, curte primeiro ano na Mercedes-Benz Challenge


Dérek Bittencourt

13/09/2015 | 07:00


No vaivém dos boxes em Campo Grande, intensificado pela disputa de quatro categorias no mesmo fim de semana, há muito serviço para as equipes e o trânsito de mecânicos é grande pelo pit lane, paddock e demais áreas do Autódromo Internacional Orlando Moura. E entre as dezenas de profissionais de vasto conhecimento, anos de automobilismo e experiência incontável, um jovem se destaca. Com aparência e agilidade de menino, mas a responsabilidade de gente grande, Rogério Nardis dos Santos, 18 anos, é um ‘faz-tudo’ na Scuderia 111, que tem dois carros na categoria CLA AMG da Mercedes-Benz Challenge.

Entre as brincadeiras das quais é alvo dos colegas, Rogério realizou neste ano um sonho de criança e chegou em Mato Grosso do Sul para a quinta corrida na temporada. E isso deve-se à sua iniciativa e interesse, afinal buscou oportunidade na oficina dos mecânicos da equipe, em Embu-Guaçu, onde trabalha com carros de rua. Mas ainda era pouco para o jovem, que acabou chamado a entrar no mundo do automobilismo.

“(Quando criança) Brincava muito de carrinho. Minha mãe comprava e aí despertou essa vontade. Sempre assistia às corridas pela televisão. Daí começei a trabalhar na oficina, os rapazes eram mecânicos das Mercedes e aí me trouxeram para trabalhar com eles”, contou o jovem, que demonstrou muito mais facilidade para em menos de um minuto montar o pneu no carro do piloto andreense e diretor do Diário, Danilo Pinto, do que encarar a entrevista. Aos poucos, porém, ganhou confiança. “É uma carreira boa (mecânico) e gostaria de aprender e segui-la. Todo mundo da minha família apoia”, contou.

Entre suas funções está ajudar nos pit stops, com as trocas dos pneus, limpeza dos carros – Paulo Totaro também é piloto da Scuderia 111. E quando as máquinas estão na pista, Rogério assume torcida dupla. “A gente fica ansioso, querendo que eles cheguem lá na frente e sem bater, porque se não é complicado para carregar, consertar”, brincou.

E a aparência jovial causou uma história em Campo Grande com a qual os colegas se divertem. “A Polícia Federal parou a gente e questionou: ‘E esse menor aí?’”, relembrou, aos risos, o mecânico Cláudio Paulo Pires, o Birigui. “Mas a gente apresentou o documento e ficou tudo bem”, emendou ele, que elogiou o jovem. “Ele teve de correr atrás para aprender. É muito novo, até parece que tem 14 anos, mas é uma atitude muito legal.”

Cristian Mohr sobra e faz a pole na CLA AMG

Com pista pesada e escorregadia durante quase todo o tempo, os pilotos da Mercedes-Benz Challenge disputaram neste sábado o treino classificatório para o GP de Campo Grande, às 11h10 deste domingo. E quem sairá na frente na CLA AMG é Cristian Mohr, da equipe são-caetanense Rsports. Ele arrasou os adversários com o tempo de 1min43s115 – 0s6 à frente de Claudio Dahruj, da VB.

Assim que retornou aos boxes após confirmar a pole, Mohr desceu do carro e recebeu abraço do pai, Max, que se preparava para a disputa do qualificatório da categoria C250 – na qual o filho foi campeão em 2014. Radiante, ele celebrou partir na frente na etapa mato-grossense-do-sul.

“O conjunto se adaptou bem e estou feliz por isso. Mudei um pouco o caminho nas últimas voltas e deu certo. A chuva proporciona arriscar. Às vezes dá certo, outras não. Desta deu”, disse. “A Mercedes está sendo categoria especial. Vim no ano passado para a 250 e fui campeão. Estamos nos adaptando rápido à CLA, sendo competitivos, entre os três primeiros do campeonato. E agora essa pole, tudo ajuda para ascendermos na disputa do título”, emendou ele, que havia dirigido na pista há 12 anos, pela Copa Clio. “Mas não lembrava de nada.”

Líder do campeonato, Fernando Júnior, da WCR, larga em nono, enquanto o vice, Adriano Rabelo, da Cordova, parte de sétimo.

Já na C250 quem ficou com a pole foi a dupla formada pelos irmãos Theo e Thiago De Nigris, com 1min49s267. DB
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brincadeira que virou coisa séria

Ajudante na Scuderia 111, Rogério Nardis dos Santos, 18 anos, curte primeiro ano na Mercedes-Benz Challenge

Dérek Bittencourt

13/09/2015 | 07:00


No vaivém dos boxes em Campo Grande, intensificado pela disputa de quatro categorias no mesmo fim de semana, há muito serviço para as equipes e o trânsito de mecânicos é grande pelo pit lane, paddock e demais áreas do Autódromo Internacional Orlando Moura. E entre as dezenas de profissionais de vasto conhecimento, anos de automobilismo e experiência incontável, um jovem se destaca. Com aparência e agilidade de menino, mas a responsabilidade de gente grande, Rogério Nardis dos Santos, 18 anos, é um ‘faz-tudo’ na Scuderia 111, que tem dois carros na categoria CLA AMG da Mercedes-Benz Challenge.

Entre as brincadeiras das quais é alvo dos colegas, Rogério realizou neste ano um sonho de criança e chegou em Mato Grosso do Sul para a quinta corrida na temporada. E isso deve-se à sua iniciativa e interesse, afinal buscou oportunidade na oficina dos mecânicos da equipe, em Embu-Guaçu, onde trabalha com carros de rua. Mas ainda era pouco para o jovem, que acabou chamado a entrar no mundo do automobilismo.

“(Quando criança) Brincava muito de carrinho. Minha mãe comprava e aí despertou essa vontade. Sempre assistia às corridas pela televisão. Daí começei a trabalhar na oficina, os rapazes eram mecânicos das Mercedes e aí me trouxeram para trabalhar com eles”, contou o jovem, que demonstrou muito mais facilidade para em menos de um minuto montar o pneu no carro do piloto andreense e diretor do Diário, Danilo Pinto, do que encarar a entrevista. Aos poucos, porém, ganhou confiança. “É uma carreira boa (mecânico) e gostaria de aprender e segui-la. Todo mundo da minha família apoia”, contou.

Entre suas funções está ajudar nos pit stops, com as trocas dos pneus, limpeza dos carros – Paulo Totaro também é piloto da Scuderia 111. E quando as máquinas estão na pista, Rogério assume torcida dupla. “A gente fica ansioso, querendo que eles cheguem lá na frente e sem bater, porque se não é complicado para carregar, consertar”, brincou.

E a aparência jovial causou uma história em Campo Grande com a qual os colegas se divertem. “A Polícia Federal parou a gente e questionou: ‘E esse menor aí?’”, relembrou, aos risos, o mecânico Cláudio Paulo Pires, o Birigui. “Mas a gente apresentou o documento e ficou tudo bem”, emendou ele, que elogiou o jovem. “Ele teve de correr atrás para aprender. É muito novo, até parece que tem 14 anos, mas é uma atitude muito legal.”

Cristian Mohr sobra e faz a pole na CLA AMG

Com pista pesada e escorregadia durante quase todo o tempo, os pilotos da Mercedes-Benz Challenge disputaram neste sábado o treino classificatório para o GP de Campo Grande, às 11h10 deste domingo. E quem sairá na frente na CLA AMG é Cristian Mohr, da equipe são-caetanense Rsports. Ele arrasou os adversários com o tempo de 1min43s115 – 0s6 à frente de Claudio Dahruj, da VB.

Assim que retornou aos boxes após confirmar a pole, Mohr desceu do carro e recebeu abraço do pai, Max, que se preparava para a disputa do qualificatório da categoria C250 – na qual o filho foi campeão em 2014. Radiante, ele celebrou partir na frente na etapa mato-grossense-do-sul.

“O conjunto se adaptou bem e estou feliz por isso. Mudei um pouco o caminho nas últimas voltas e deu certo. A chuva proporciona arriscar. Às vezes dá certo, outras não. Desta deu”, disse. “A Mercedes está sendo categoria especial. Vim no ano passado para a 250 e fui campeão. Estamos nos adaptando rápido à CLA, sendo competitivos, entre os três primeiros do campeonato. E agora essa pole, tudo ajuda para ascendermos na disputa do título”, emendou ele, que havia dirigido na pista há 12 anos, pela Copa Clio. “Mas não lembrava de nada.”

Líder do campeonato, Fernando Júnior, da WCR, larga em nono, enquanto o vice, Adriano Rabelo, da Cordova, parte de sétimo.

Já na C250 quem ficou com a pole foi a dupla formada pelos irmãos Theo e Thiago De Nigris, com 1min49s267. DB
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;