Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Brasileiro cria mouse ocular para ajudar tetraplégicos


Beno Suckeveris
Do Diário do Grande ABC

24/08/2004 | 14:35


Um dos seriados de TV mais famosos da década de 60, e que ainda é reprisado no Brasil, mostrava uma feiticeira, que com um piscar de olhos, provocava as mais incríveis confusões. A idéia, certamente, não escapou do professor e engenheiro Manuel Cardoso, e ela é a base do mouse ocular.

Em uma visita ao Hospital Universitário de Manaus, Cardoso se emocionou com a forma que um rapaz tetraplégico se comunicava. Com uma piscada, ele queria dizer sim, e duas significavam não. Para ajudar o rapaz e outras pessoas que perderam os movimentos do pescoço para baixo, o professor desenvolveu o invento.

O mouse ocular é um equipamento composto por um sistema de hardware e software capaz de converter os movimentos dos músculos que estão ao redor do globo ocular em sinais elétricos. Os sensores do aparelho traduzem esses movimentos e o piscar dos olhos, que correspondem aos cliques nos botões esquerdo e direito do mousse tradicional.

Graças à tecnologia desenvolvida pela FPF (Fundação Desembargador Paulo Feitoza), de Manaus, com apoio de várias empresas, como a Philips, pessoas com paralísias crônicas têm a possibilidade de navegar pela internet, enviar e-mails e escrever textos. Uma das usuárias mais conhecidas é a estudante Luciana Gonçalves de Novaes, vítima de uma bala perdida em um tiroteio na Universidade Estácio de Sá.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasileiro cria mouse ocular para ajudar tetraplégicos

Beno Suckeveris
Do Diário do Grande ABC

24/08/2004 | 14:35


Um dos seriados de TV mais famosos da década de 60, e que ainda é reprisado no Brasil, mostrava uma feiticeira, que com um piscar de olhos, provocava as mais incríveis confusões. A idéia, certamente, não escapou do professor e engenheiro Manuel Cardoso, e ela é a base do mouse ocular.

Em uma visita ao Hospital Universitário de Manaus, Cardoso se emocionou com a forma que um rapaz tetraplégico se comunicava. Com uma piscada, ele queria dizer sim, e duas significavam não. Para ajudar o rapaz e outras pessoas que perderam os movimentos do pescoço para baixo, o professor desenvolveu o invento.

O mouse ocular é um equipamento composto por um sistema de hardware e software capaz de converter os movimentos dos músculos que estão ao redor do globo ocular em sinais elétricos. Os sensores do aparelho traduzem esses movimentos e o piscar dos olhos, que correspondem aos cliques nos botões esquerdo e direito do mousse tradicional.

Graças à tecnologia desenvolvida pela FPF (Fundação Desembargador Paulo Feitoza), de Manaus, com apoio de várias empresas, como a Philips, pessoas com paralísias crônicas têm a possibilidade de navegar pela internet, enviar e-mails e escrever textos. Uma das usuárias mais conhecidas é a estudante Luciana Gonçalves de Novaes, vítima de uma bala perdida em um tiroteio na Universidade Estácio de Sá.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;