Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 13 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Zagueiro do Olimpia diz que foi 'vitória do coração'


Do Diário OnLine

01/08/2002 | 03:58


O zagueiro Zelaya destacou que a vitória do Olimpia na final da Copa Libertadores da América de 2002 foi uma prova de raça e superação, de uma equipe desacreditada e vivendo um momento de crise. "Provamos que com o coração se pode conquistar muitas coisas", discursou o defensor após a conquista.

Outro desacreditado que comemorou muito o título foi o técnico argentino Nery Alberto Pumpido. Depois de sofrer críticas no Paraguai pela derrota frente ao São Caetano, no jogo de ida, o jogador foi erguido pelos atletas e considerado como um grande herói na façanha. "Está tudo ótimo, maravilhoso", limitou-se a dizer Pumpido para os repórteres brasileiros que o abordaram no campo.

Pumpido igualou uma façanha conquistada apenas por dois jogadores na história da Libertadores: ser campeão do torneio como jogador e técnico. O argentino foi o goleiro do River Plate campeão da competição em 1986 (e técnico do Olimpia hoje). Além dele, o argentino Humberto Maschio (jogador do Racing Club em 66 e técnico do Indepediente em 73) e o uruguaio Luis Cubilla (campeão com Peñarol, em 60 e 61, e Nacional, em 71, como jogador e bicampeão com o Olimpia, em 79 e 90, como treinador).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Zagueiro do Olimpia diz que foi 'vitória do coração'

Do Diário OnLine

01/08/2002 | 03:58


O zagueiro Zelaya destacou que a vitória do Olimpia na final da Copa Libertadores da América de 2002 foi uma prova de raça e superação, de uma equipe desacreditada e vivendo um momento de crise. "Provamos que com o coração se pode conquistar muitas coisas", discursou o defensor após a conquista.

Outro desacreditado que comemorou muito o título foi o técnico argentino Nery Alberto Pumpido. Depois de sofrer críticas no Paraguai pela derrota frente ao São Caetano, no jogo de ida, o jogador foi erguido pelos atletas e considerado como um grande herói na façanha. "Está tudo ótimo, maravilhoso", limitou-se a dizer Pumpido para os repórteres brasileiros que o abordaram no campo.

Pumpido igualou uma façanha conquistada apenas por dois jogadores na história da Libertadores: ser campeão do torneio como jogador e técnico. O argentino foi o goleiro do River Plate campeão da competição em 1986 (e técnico do Olimpia hoje). Além dele, o argentino Humberto Maschio (jogador do Racing Club em 66 e técnico do Indepediente em 73) e o uruguaio Luis Cubilla (campeão com Peñarol, em 60 e 61, e Nacional, em 71, como jogador e bicampeão com o Olimpia, em 79 e 90, como treinador).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;