Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Segurança no trabalho é deficiente no Grande ABC


Michele Loureiro
Do Diário do Grande ABC

25/05/2009 | 07:00


Nos primeiros quatro meses deste ano, o INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) concedeu 3.203 benefícios de auxílio-doença em decorrência de acidentes de trabalho na região. São Bernardo, que concentra a maioria das montadoras - Volkswagen, Scania, Mercedes-Benz e Ford -, lidera o rankig com 1.018 ocorrências.

Para o diretor de Saúde e Meio Ambiente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Mauro Soares, as condições de segurança são falhas na região. "Menos de 2% das máquinas e equipamentos das montadoras são protegidas com sistema de segurança adequado no Grande ABC", afirmou.

O perfil de boa parte dos metalúrgicos acidentados na região concentra jovens entre 18 e 25 anos, que na maioria das vezes sofrem acidentes nas mãos. "São cortes e em alguns casos há amputação de dedos. Isso acaba com a vida profissional do trabalhador, sem contar nos traumas psicológicos imensuráveis", destacou o diretor.

O exemplo do funcionário da GM (General Motors) de São José dos Campos, que morreu, na semana passada, ao ser atingido por uma máquina de 700 quilos enquanto trabalhava, preocupa o diretor.

Para ele, os "pequenos acidentes" são indicativos de que algo vai errado com a segurança. "As montadoras não costumam dar atenção aos cortes e lesões leves, mas eles são indicativos de que algo maior e catastrófico está prestes a acontecer, como no caso da GM", explicou Soares.

Um dos principais problemas, que segundo o diretor poderia ser solucionado sem altos investimentos, é a demarcação de tráfego de empilhadeiras. "Temos inúmeros casos de trabalhadores atropelados pelas máquinas. Isso poderia ser corrigido com a instalação de faixas especiais", declarou.

Soares afirmou que algumas empresas chegam a procurar o sindicato para tentar se adequar às normas de segurança, mas são raras exceções. "A fiscalização é falha. Somos regidos por normas do Ministério do Trabalho e Emprego e da vigilância sanitária de cada município; mesmo assim, falta eficiência nesse processo", declarou.

A vigilância sanitária dos municípios de São Bernardo e São Caetano, cidades que sediam as montadoras na região, declararam que o sistema funciona por denúncias. Ou seja, é preciso que haja acidentes para que seja realizada a fiscalização.

Pressão - Para Maria Maeno, médica e pesquisadora da Fundacentro - entidade governamental que atua em pesquisa científica e tecnológica relacionada à segurança e saúde dos trabalhadores -, a exigência por aumento de produção provoca a maioria dos acidentes.

"Mesmo sendo incostitucional, muitas empresas desativam as normas de segurança para acelerar a produção. O trabalhador fica encurralado entre a segurança e a garantia de emprego", explicou.

A pesquisadora afirmou que, em tempos de crise, a pressão aumenta. "Com a onda de demissões, o trabalho continua o mesmo. É preciso dar conta da produção e a proteção no ambiente de trabalho acaba ficando em segundo plano", finalizou. (Colaborou Bárbara Ladeia)



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;