Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 26 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Brasil fecha Jogos Olímpicos com o melhor desempenho da história

Divulgação/ Gaspar Nóbrega/ COB Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Além de subir 21 vezes no pódio e superar a classificação da Rio-2016, País celebra também fatos inéditos conseguidos nas disputas em Tóquio


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

09/08/2021 | 00:01


A Olimpíada de Tóquio será inesquecível para o brasileiro por diversas razões. Além das primeiras medalhas da história no skate e no surfe, esportes extremamente difundidos na nossa sociedade, o País viu o surgimento de novos ídolos como a ginasta Rebeca Andrade e a consolidação de outros, como o canoísta Isaquias Queiroz e as velejadoras, agora bicampeãs olímpicas, Martine Grael e Kahena Kunze. Coletivamente, o Brasil fez história ao obter o melhor desempenho da história ao terminar na 12ª colocação no quadro de medalhas, um lugar à frente da Rio-2016, resultado de duas medalhas de bronze a mais, o que também garantiu ao País o maior número de pódios de todos os tempos.

A cerimônia de encerramento, ontem, deu aos dirigentes brasileiros a sensação de dever cumprido. “Entregamos o que tínhamos como meta, que era superar a Rio-2016. Estar em 12° lugar, numa competição com 206 países, é um índice importante. Tenho convicção que o trabalho foi feito com gosto, vontade e determinação. Estamos satisfeitos com o resultado”, comentou o presidente do COB (Comitê Olímpico do Brasil), Paulo Wanderley.

Tóquio também vai marcar pelo ineditismo. Rebeca Andrade foi a primeira mulher brasileira a subir duas vezes no pódio em uma mesma Olimpíada (foi ouro no salto e prata no individual geral). A skatista Rayssa Leal, 13 anos, se tornou a medalhista mais jovem da história olímpica do Brasil e a mais nova do mundo desde 1936. Ela foi prata na prova do street. O tênis, com a dupla formada por Luísa Stefani e Laura Pigossi, trouxe o bronze, primeira medalha olímpica da história da modalidade para o Brasil. No total, 13 modalidades diferentes medalharam para o País, outra marca inédita.

O custo da Missão Tóquio 2020 ultrapassou R$ 46 milhões e as premiações pelas medalhas será de R$ 4,6 milhões. “Nossa preparação começou em 2013, com custo aproximado de R$ 65 milhões, sendo R$ 46 milhões esse ano”, revelou o diretor-geral do COB, Rogério Sampaio, que celebrou o fato de não ter tido nenhum caso de Covid na delegação brasileira.

E que venha 2024, afinal, Paris é logo ali.  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;