Fechar
Publicidade

Domingo, 23 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

CPMI dos Sanguessugas decide convocação de ex-ministros na terça


Da Agência Senado

04/08/2006 | 13:43


A CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) dos Sanguessugas deve realizar uma reunião administrativa na próxima terça-feira para decidir os próximos passos a serem dados, inclusive com relação ao relatório que deverá ser divulgado na quinta-feira pelo senador Amir Lando (PMDB-RO). Também está prevista a votação de 50 requerimentos apresentado pelos membros da comissão, alguns deles polêmicos porque solicitam a convocação dos ex-ministros da Saúde do atual governo Saraiva Felipe e Humberto Costa, para prestar esclarecimentos sobre fatos que ocorreram no órgão durante a gestão deles. Parlamentares do governo também querem convocar o ex-ministro do governo Fernando Henrique Cardoso, José Serra.

A CPMI foi instalada no dia 22 de junho com o objetivo de investigar denúncias de irregularidades no uso de recursos do Orçamento da União da área da saúde para a compra de ambulâncias para municípios com preços superfaturados. Até agora, 90 congressistas (87 deputados e 3 senadores) foram notificados a prestar esclarecimentos sobre denúncias de que teriam recebido propina para apresentar emendas para a compra dessas ambulâncias da Planam, empresa apontada como organizadora do esquema de fraudes.

Em entrevista nesta quinta, o presidente da comissão, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), afirmou, após ouvir depoimento de um dos donos da Planam, o empresário Luiz Antônio Trevisan Vedoin, que já há provas suficientes para comprovar a participação no esquema de um grande número de parlamentares. Ainda segundo Biscaia, ficou confirmado no depoimento de Vedoin, realizado em caráter reservado as membros da CPMI, que a quadrilha não atuava apenas no Ministério da Saúde, mas também em outras pastas do Poder Executivo, e que os recursos não vinham apenas do Orçamento da União, mas também de verbas extra-orçamentárias.

2ª Fase – Em entrevista nesta quinta, na Polícia Federal, o vice-presidente da CPMI, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), chegou a declarar que o depoimento de Vedoin era um "memorial do escândalo da corrupção do Orçamento". Ele defendeu a conclusão da primeira fase das investigações - sobre a participação dos parlamentares - e início imediato de uma segunda etapa de trabalhos, que investigaria a participação do Poder Executivo no esquema. A CPI chegou a criar, nesta semana, uma sub-relatoria para se debruçar sobre o envolvimento do Executivo, mas sem data para iniciar os trabalhos.

Entre os membros da CPMI, há consenso sobre a necessidade de se iniciar uma segunda fase de investigações, mas não sobre a data de início dos trabalhos. O senador Sibá Machado (PT-AC), por exemplo, afirmou nesta quinta que não é possível dar prosseguimento às apurações antes de outubro, data das eleições, porque os parlamentares estão em campanha nos seus estados e "não haveria tempo hábil para investigar tantas coisas".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

CPMI dos Sanguessugas decide convocação de ex-ministros na terça

Da Agência Senado

04/08/2006 | 13:43


A CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito) dos Sanguessugas deve realizar uma reunião administrativa na próxima terça-feira para decidir os próximos passos a serem dados, inclusive com relação ao relatório que deverá ser divulgado na quinta-feira pelo senador Amir Lando (PMDB-RO). Também está prevista a votação de 50 requerimentos apresentado pelos membros da comissão, alguns deles polêmicos porque solicitam a convocação dos ex-ministros da Saúde do atual governo Saraiva Felipe e Humberto Costa, para prestar esclarecimentos sobre fatos que ocorreram no órgão durante a gestão deles. Parlamentares do governo também querem convocar o ex-ministro do governo Fernando Henrique Cardoso, José Serra.

A CPMI foi instalada no dia 22 de junho com o objetivo de investigar denúncias de irregularidades no uso de recursos do Orçamento da União da área da saúde para a compra de ambulâncias para municípios com preços superfaturados. Até agora, 90 congressistas (87 deputados e 3 senadores) foram notificados a prestar esclarecimentos sobre denúncias de que teriam recebido propina para apresentar emendas para a compra dessas ambulâncias da Planam, empresa apontada como organizadora do esquema de fraudes.

Em entrevista nesta quinta, o presidente da comissão, deputado Antonio Carlos Biscaia (PT-RJ), afirmou, após ouvir depoimento de um dos donos da Planam, o empresário Luiz Antônio Trevisan Vedoin, que já há provas suficientes para comprovar a participação no esquema de um grande número de parlamentares. Ainda segundo Biscaia, ficou confirmado no depoimento de Vedoin, realizado em caráter reservado as membros da CPMI, que a quadrilha não atuava apenas no Ministério da Saúde, mas também em outras pastas do Poder Executivo, e que os recursos não vinham apenas do Orçamento da União, mas também de verbas extra-orçamentárias.

2ª Fase – Em entrevista nesta quinta, na Polícia Federal, o vice-presidente da CPMI, deputado Raul Jungmann (PPS-PE), chegou a declarar que o depoimento de Vedoin era um "memorial do escândalo da corrupção do Orçamento". Ele defendeu a conclusão da primeira fase das investigações - sobre a participação dos parlamentares - e início imediato de uma segunda etapa de trabalhos, que investigaria a participação do Poder Executivo no esquema. A CPI chegou a criar, nesta semana, uma sub-relatoria para se debruçar sobre o envolvimento do Executivo, mas sem data para iniciar os trabalhos.

Entre os membros da CPMI, há consenso sobre a necessidade de se iniciar uma segunda fase de investigações, mas não sobre a data de início dos trabalhos. O senador Sibá Machado (PT-AC), por exemplo, afirmou nesta quinta que não é possível dar prosseguimento às apurações antes de outubro, data das eleições, porque os parlamentares estão em campanha nos seus estados e "não haveria tempo hábil para investigar tantas coisas".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;