Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Grupos se dividem à espera de nova eleição em São Caetano

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Tite se escora em Alex, Palacio tem Morando como aliado e Auricchio conta com parceria de Marcel Munhoz


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

22/08/2021 | 00:01


A possibilidade de nova eleição em São Caetano e a demora no fato de o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pautar recurso do ex-prefeito José Auricchio Júnior (PSDB) contra a anulação de seus votos delinearam ao menos três candidaturas potenciais caso o tucano perca suas cartadas em Brasília, com divisão do núcleo governista.

Estimulado pelo prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB), e pelo deputado federal Alex Manente (Cidadania), também são-bernardense, o prefeito interino de São Caetano, Tite Campanella (Cidadania - foto), tem se afastado de Auricchio, a despeito de o tucano ter bancado sua ascensão à cadeira principal do Palácio da Cerâmica – foi Auricchio quem articulou pessoalmente a eleição de Tite para presidir a Câmara, função que, automaticamente, o conduzia ao Executivo diante do impasse jurídico instalado.

Com essa fissura na base governista, Morando beneficiou diretamente seu principal aliado no solo vizinho: o ex-vereador Fabio Palacio (PSD). Segundo colocado na eleição do ano passado, com 30,4 mil votos – Auricchio recebeu 42,8 mil –, Palacio capitalizaria substancialmente com o racha situacionista. Seu nome está consolidado na política local, ele partiria para a terceira eleição ao Paço e, como seria pleito de um só turno, seu recall tenderia a ser suficiente para levá-lo ao comando da cidade. Morando, então, teria um fiel escudeiro como prefeito de São Caetano.

Ao mesmo tempo, Alex Manente trabalha intensamente nos bastidores pró-Tite. O deputado federal foi por anos aliado do clã auricchista, a ponto de acolher Thiago Auricchio (PL), hoje deputado estadual, em seu gabinete, como assessor, para introdução do filho de Auricchio à política como ela é. Alex se afastou do tucano à medida em que o processo de Auricchio se arrasta nos tribunais eleitorais e que Tite ganha confiança para tomar passos autônomos na condução do governo. Mais do que defensor da candidatura de Tite, o parlamentar federal age fortemente nos bastidores para semear um terreno fértil para o lançamento do projeto do aliado.

O primeiro passo é reduzir a força do vereador auricchista Marcel Munhoz (Cidadania) dentro do diretório municipal. Marcel é presidente da sigla na cidade, mas deve perder o título nas próximas semanas. Alex também conversa reservadamente com vereadores aliados de Auricchio e que observam com distância segura a briga entre o ex-prefeito e o prefeito interino. Atualmente próximo de Morando, o deputado ainda faz investidas em vereadores do grupo de Palacio – nesse ponto, coordenado por Tite, que também dispensa melhor tratamento aos rivais do que aos aliados.

Na terceira trincheira, o bloco auricchista se monta. Caso o TSE confirme a decisão de primeira instância e mantenha os votos de Auricchio anulados por condenação de captação irregular na eleição de 2016, o nome natural para sucessão é o de Thiago Auricchio. Mas corre por fora ainda a figura da ex-primeira-dama Denise Auricchio. Carismática e com livre trânsito junto às entidades assistenciais do município, Denise é o sonho de consumo de quem hoje finca o pé em várias canoas à espera de saber qual barco pegou o melhor vento para velejar eleitoralmente.

Ainda figura no rol Marcel Munhoz. Campeão de votos na eleição à Câmara em 2016 e segundo melhor no quesito em 2020, Marcel é um ativo eleitoral considerável, além de, como delegado de polícia, possuir atuação política em uma área sensível no município. Uma chapa Thiago com Marcel Munhoz é a mais comentada nas rodas de conversa nas padarias de São Caetano.

Outros partidos anunciaram candidaturas se houver eleição suplementar. O Psol avisou que lançará Rafael Ensinas. O Podemos quer apostar em Luiz Antônio Cicaroni. O vereador Jander Lira busca ser candidato pelo DEM.

O processo está no TSE, nas mãos do relator Luis Felipe Salomão. Cabe a ele levar o tema ao plenário.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;