Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 14 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Campanha em S.Bernardo está indefinida


Rita Donato
Do Diário do Grande ABC

31/12/2007 | 07:00


A dez meses das eleições, pouco se sabe sobre a delineação da campanha à sucessão municipal de São Bernardo. Ainda que se afirme a tendência de polarização entre o PSB – grupo que governa a cidade há dez anos – e o PT, o quadro não começou a se desenhar já que o ministro da Previdência Social, Luiz Marinho, sequer anunciou sua candidatura.

Mas a decisão petista não é a única que interfere na análise do desfecho político durante o ano eleitoral. Outros fatos mal resolvidos no PPS, a chamada terceira via, e no próprio PTB, que apóia o nome de Marinho a prefeito, também podem mudar o rumo da campanha.

Mesmo com a conquista de dois importantes aliados, o ex-prefeito Tito Costa e o vice José Roberto de Mello, o presidente do diretório petebista, o deputado Frank Aguiar, afirma que não há chance de o partido lançar candidato próprio. “Hoje, o desejo do partido é unir-se ao PT, mas ainda é cedo para falar sobre o assunto”, despista.

A indecisão pode comprometer o futuro da legenda. O primeiro indício de desentendimento já é visível no comportamento do ex-governista Tito Costa, que anunciou o desejo de lançar candidatura própria. Segundo ele, “a proximidade com os petistas só ocorreria caso houvesse segundo turno.”

Na opinião de Frank, a possível pluralização dificultaria o pleito. “Sabemos que brigar com a máquina é desleal, portanto, é mais conveniente se aliar ao candidato (da oposição) com maior possibilidade de ganhar, do que simplesmente entrar no jogo para atrapalhar”, disse, em entrevista concedida ao Diário em novembro.

TERCEIRA VIA - Ex-secretário de Obras e presidente do diretório municipal do PPS, Otávio Manente também nega a possibilidade de união com o grupo governista. Nem mesmo o bom relacionamento que ele diz ter com o prefeito William Dib (PSB) o faz pensar em uma futura coligação. “Não haverá negociação com o governo.”

Enquanto não decide quem será o candidato do partido a prefeito e vice, o arquiteto insiste na idéia da independência partidária. “Temos candidato próprio, mas ainda não definimos se será Otávio ou Alex (seu filho). Qualquer definição agora seria antecipada. Só em abril, após as pesquisas, anunciaremos os nomes”, enfatiza.

FORÇA GOVERNISTA - Único com candidatura consolidada, o ex-prefeito Maurício Soares não subestima os adversários. Diferentemente do prefeito, que acredita na “vitória fácil” do governista, o candidato é cauteloso ao comentar a probabilidade do segundo turno.

“Ouso discordar do prefeito, será uma campanha acirrada”, analisa. Mesmo afirmando a eventual polarização com os petistas, ele evita o assunto. “O PT se apresenta como principal concorrente, mas não podemos afirmar nada, porque tudo indica a existência de mais candidaturas.”

Mas nem mesmo a ameaça de uma possível aliança entre o PTB, o PPS e o PT intimida Maurício. “É verdade que o PT tem tido mais êxito na atração de legendas, no entanto, apenas nós temos uma definição. Não vejo esta certeza nos outros partidos”, conclui.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Campanha em S.Bernardo está indefinida

Rita Donato
Do Diário do Grande ABC

31/12/2007 | 07:00


A dez meses das eleições, pouco se sabe sobre a delineação da campanha à sucessão municipal de São Bernardo. Ainda que se afirme a tendência de polarização entre o PSB – grupo que governa a cidade há dez anos – e o PT, o quadro não começou a se desenhar já que o ministro da Previdência Social, Luiz Marinho, sequer anunciou sua candidatura.

Mas a decisão petista não é a única que interfere na análise do desfecho político durante o ano eleitoral. Outros fatos mal resolvidos no PPS, a chamada terceira via, e no próprio PTB, que apóia o nome de Marinho a prefeito, também podem mudar o rumo da campanha.

Mesmo com a conquista de dois importantes aliados, o ex-prefeito Tito Costa e o vice José Roberto de Mello, o presidente do diretório petebista, o deputado Frank Aguiar, afirma que não há chance de o partido lançar candidato próprio. “Hoje, o desejo do partido é unir-se ao PT, mas ainda é cedo para falar sobre o assunto”, despista.

A indecisão pode comprometer o futuro da legenda. O primeiro indício de desentendimento já é visível no comportamento do ex-governista Tito Costa, que anunciou o desejo de lançar candidatura própria. Segundo ele, “a proximidade com os petistas só ocorreria caso houvesse segundo turno.”

Na opinião de Frank, a possível pluralização dificultaria o pleito. “Sabemos que brigar com a máquina é desleal, portanto, é mais conveniente se aliar ao candidato (da oposição) com maior possibilidade de ganhar, do que simplesmente entrar no jogo para atrapalhar”, disse, em entrevista concedida ao Diário em novembro.

TERCEIRA VIA - Ex-secretário de Obras e presidente do diretório municipal do PPS, Otávio Manente também nega a possibilidade de união com o grupo governista. Nem mesmo o bom relacionamento que ele diz ter com o prefeito William Dib (PSB) o faz pensar em uma futura coligação. “Não haverá negociação com o governo.”

Enquanto não decide quem será o candidato do partido a prefeito e vice, o arquiteto insiste na idéia da independência partidária. “Temos candidato próprio, mas ainda não definimos se será Otávio ou Alex (seu filho). Qualquer definição agora seria antecipada. Só em abril, após as pesquisas, anunciaremos os nomes”, enfatiza.

FORÇA GOVERNISTA - Único com candidatura consolidada, o ex-prefeito Maurício Soares não subestima os adversários. Diferentemente do prefeito, que acredita na “vitória fácil” do governista, o candidato é cauteloso ao comentar a probabilidade do segundo turno.

“Ouso discordar do prefeito, será uma campanha acirrada”, analisa. Mesmo afirmando a eventual polarização com os petistas, ele evita o assunto. “O PT se apresenta como principal concorrente, mas não podemos afirmar nada, porque tudo indica a existência de mais candidaturas.”

Mas nem mesmo a ameaça de uma possível aliança entre o PTB, o PPS e o PT intimida Maurício. “É verdade que o PT tem tido mais êxito na atração de legendas, no entanto, apenas nós temos uma definição. Não vejo esta certeza nos outros partidos”, conclui.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;