Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Clinton afirma que falta muito trabalho por fazer após a tsunami na Ásia


Da AFP

26/12/2006 | 12:52


O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton destacou nesta terça-feira os esforços internacionais para reconstruir as áreas da Ásia afetadas pela tsunami em 2004, mas disse ainda está por fazer grande parte do trabalho significativo.

"As tarefas que restam são significativas em seus alcances e custos. Quase 200 mil residências ainda devem ser reconstruídas ou reparadas e, sobretudo na província de Aceh, os objetivos de reabilitar a infra-estrutura e promover o desenvolvimento econômico continuam sendo surpreendentes", afirma Clinton em um artigo no jornal The Washington Post.

"À luz do trabalho que falta por fazer, é alentador que tantos doadores tenham mantido o objetivo, convertendo até este momento quase 13 bilhões de dólares de ofertas em 11 bilhões de dólares em compromissos firmes com projetos chave", destacou o ex-presidente democrata.

Clinton acrescenta que acabou de retornar da terceira viagem à região afetada ao fim de uma missão como enviado especial da ONU para a recuperação após a tsunami de 2004, que deixou 220 mil mortos.

"Na Índia, Tailândia e Indonésia observei a capacidade de sobrevivência do espírito humano e a determinação de construir um futuro melhor", escreveu.

"A boa notícia é que os funcionários dos países afetados pela tsunami fizeram progressos em um sistema de alerta regional, legislação de prevenção de desastres naturais, treinamento de pessoal de resposta rápida e educação pública".

"Os doadores e governos das nações em risco devem investir muito mais dinheiro para garantir que os sistemas de alerta cheguem às comunidades costeiras, que os códigos para edifícios seguros sejam desenvolvidos e reforçados, e que as evacuações sejam treinadas", adverte.

"O desafio que resta é manter o esforço de recuperação, usar as lições aprendidas para seguir melhorando nossa resposta e aplicar estas lições para mitigar e enfrentar futuros desastres", acrescentou Clinton.

 


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Clinton afirma que falta muito trabalho por fazer após a tsunami na Ásia

Da AFP

26/12/2006 | 12:52


O ex-presidente dos Estados Unidos Bill Clinton destacou nesta terça-feira os esforços internacionais para reconstruir as áreas da Ásia afetadas pela tsunami em 2004, mas disse ainda está por fazer grande parte do trabalho significativo.

"As tarefas que restam são significativas em seus alcances e custos. Quase 200 mil residências ainda devem ser reconstruídas ou reparadas e, sobretudo na província de Aceh, os objetivos de reabilitar a infra-estrutura e promover o desenvolvimento econômico continuam sendo surpreendentes", afirma Clinton em um artigo no jornal The Washington Post.

"À luz do trabalho que falta por fazer, é alentador que tantos doadores tenham mantido o objetivo, convertendo até este momento quase 13 bilhões de dólares de ofertas em 11 bilhões de dólares em compromissos firmes com projetos chave", destacou o ex-presidente democrata.

Clinton acrescenta que acabou de retornar da terceira viagem à região afetada ao fim de uma missão como enviado especial da ONU para a recuperação após a tsunami de 2004, que deixou 220 mil mortos.

"Na Índia, Tailândia e Indonésia observei a capacidade de sobrevivência do espírito humano e a determinação de construir um futuro melhor", escreveu.

"A boa notícia é que os funcionários dos países afetados pela tsunami fizeram progressos em um sistema de alerta regional, legislação de prevenção de desastres naturais, treinamento de pessoal de resposta rápida e educação pública".

"Os doadores e governos das nações em risco devem investir muito mais dinheiro para garantir que os sistemas de alerta cheguem às comunidades costeiras, que os códigos para edifícios seguros sejam desenvolvidos e reforçados, e que as evacuações sejam treinadas", adverte.

"O desafio que resta é manter o esforço de recuperação, usar as lições aprendidas para seguir melhorando nossa resposta e aplicar estas lições para mitigar e enfrentar futuros desastres", acrescentou Clinton.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;