Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Israel não descarta possibilidade de novo ataque à Síria


Da AFP

17/10/2003 | 08:45


O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, afirmou que não descarta um novo ataque contra a Síria. A declaração foi dada em entrevista publicada nesta sexta-feira pelo jornal Jerusalem Post.

"Nunca diremos antecipadamente se temos ou não a intenção de atacar. Não temos que fazer esse tipo de coisas, mas as atividades na Síria devem ser levadas muito a sério". No início deste mês, aviões de Israel atacaram alvos sírios perto de Damasco.

"É necessário que fique bem claro que Israel não vai tolerar essas atividades terroristas na Síria. Acho que era a iniciativa indicada, já que nossa incursão não causou perdas humanas, mas serviu para que os sírios entendam que não podem atuar contra Israel e não podem ajudar os iranianos", explicou.

Arafat - Na mesma entrevista, Sharon afirmou que expulsar o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Yasser Arafat, "não seria bom para Israel". A declaração contradiz as posições anteriores do primeiro-ministro, que defendia a necessidade de "remover" o palestino da região.

"Nossas estimativas são de que expulsá-lo não seria uma boa idéia. A probabilidade de expulsá-lo sem feri-lo é pequena, não só por causa de seus guardas de segurança, mas porque ele estaria cercado por uma corrente humana". Apesar do recuo, Sharon ressaltou que Arafat é o "inimigo número um de Israel".

"Enquanto ele estiver lá (na liderança da ANP), não haverá qualquer possibilidade de acordo ou negociações que levem à paz. Quando Arafat não estiver mais lá, teremos uma chance". O jornal informou que a entrevista foi realizada no domingo, três dias antes do atentado contra um comboio diplomático americano na Faixa de Gaza. Após este ataque, vários ministros israelenses voltaram a pedir a expulsão de Arafat.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Israel não descarta possibilidade de novo ataque à Síria

Da AFP

17/10/2003 | 08:45


O primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, afirmou que não descarta um novo ataque contra a Síria. A declaração foi dada em entrevista publicada nesta sexta-feira pelo jornal Jerusalem Post.

"Nunca diremos antecipadamente se temos ou não a intenção de atacar. Não temos que fazer esse tipo de coisas, mas as atividades na Síria devem ser levadas muito a sério". No início deste mês, aviões de Israel atacaram alvos sírios perto de Damasco.

"É necessário que fique bem claro que Israel não vai tolerar essas atividades terroristas na Síria. Acho que era a iniciativa indicada, já que nossa incursão não causou perdas humanas, mas serviu para que os sírios entendam que não podem atuar contra Israel e não podem ajudar os iranianos", explicou.

Arafat - Na mesma entrevista, Sharon afirmou que expulsar o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Yasser Arafat, "não seria bom para Israel". A declaração contradiz as posições anteriores do primeiro-ministro, que defendia a necessidade de "remover" o palestino da região.

"Nossas estimativas são de que expulsá-lo não seria uma boa idéia. A probabilidade de expulsá-lo sem feri-lo é pequena, não só por causa de seus guardas de segurança, mas porque ele estaria cercado por uma corrente humana". Apesar do recuo, Sharon ressaltou que Arafat é o "inimigo número um de Israel".

"Enquanto ele estiver lá (na liderança da ANP), não haverá qualquer possibilidade de acordo ou negociações que levem à paz. Quando Arafat não estiver mais lá, teremos uma chance". O jornal informou que a entrevista foi realizada no domingo, três dias antes do atentado contra um comboio diplomático americano na Faixa de Gaza. Após este ataque, vários ministros israelenses voltaram a pedir a expulsão de Arafat.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;