Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 24 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Preso na ‘Operação Caipora’ é policial


Luciano Cavenagui
Do Diário do Grande ABC

15/06/2007 | 07:10


A polícia divulgou quinta-feira a identidade do morador de Mauá preso na quarta na Operação Caipora, organizada pela Polícia Federal. O detido é um policial, o investigador Luis Cláudio Almeida Daniel, o Pezão. Ele estava trabalhando no 21ºDP (Vila Matilde) quando os policiais chegaram para levá-lo. Além de Daniel, foram presas outras 12 pessoas em quatro Estados envolvidas com um esquema internacional de contrabando.

Após a prisão dentro do distrito, que contou com o apoio da Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo, os agentes federais conduziram Daniel até sua residência. No local, com um mandado de busca e apreensão nas mãos, os policiais apreenderam diversos documentos.

“Esse policial corrompia servidores públicos e recebia dinheiro por isso”, afirmou o delegado regional da PF em Sergipe, Nilton Ribeiro, coordenador nacional da Operação Caipora.

Além de corrupção ativa, Daniel foi indiciado por facilitação de contrabando e tráfico de influência. O investigador será transferido nesta sexta para Sergipe, onde ficará preso.

Há quatro anos, Daniel trabalhava em Mauá. Após atuar na região, foi transferido para distritos da zona Leste da Capital.

No Estado, além do policial civil, foram presos um policial federal, um ex-agente federal e dois distribuidores. Os outros detidos são dos Estados de Sergipe, Bahia e Paraná.

De acordo com investigação, a quadrilha atuava especialmente em Cidade do Leste, no Paraguai, contrabandeando cigarros e outros produtos de procedência estrangeira.

Segundo a PF, eram introduzidos semanalmente, em média, quatro carregamentos de produtos, no valor aproximado de R$ 150 mil por vez. Mensalmente, a movimentação financeira era de R$ 2,4 milhões.

As mercadorias saíam do Paraguai, passavam por Foz do Iguaçu, no Paraná, transitavam por São Paulo e seguiam para Sergipe, onde eram comercializadas. A maior parte dos produtos era de cigarros. As investigações começaram há oito meses.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;